sábado, 25 de abril de 2015

Prestação de Conta Sindical


É dever dos governos em todas as esferas de poder  prestarem contas aos cidadãos dos recursos públicos que entram nos cofres públicos. Todos nós sabemos que esses recursos devem custear todos os gastos dos governos com serviços e pagamentos de pessoal. No entanto, quase nunca ou muito pouco temos esses esclarecimentos como deveríamos ter. Por outro lado, nós estamos sempre querendo saber pra onde está indo nosso dinheiro. Para poder saber dessas informações, procuramos os órgãos competentes.
Assim também deve ser com todas as instituições como por exemplos, ONGs, sindicatos e outras. É dever dessas instituições prestarem contas aos seus associados, filiados e contribuintes. No caso dos sindicatos a preocupação com a prestação de contas deveria ser ainda maior, visto que é uma das instituições que mais se diz estar preocupada em saber para onde está indo os recursos públicos, já que não está indo para o bolso dos servidores. Desse modo, deve prestar contas a qualquer tempo e qualquer hora a qualquer um de seus filiados. Essa prestação de contas deveria acontecer naturalmente e constantemente para que ninguém fique com duvidas sobre a responsabilidade que a instituição tem com os recursos que os filiados permitem descontar em seus contracheques. Porém, se isso não estiver acontecendo naturalmente e se algum filiado quiser saber, deve procurar a instituição que deverá fornecer todas as informações necessárias.
Se algum filiado do SINDSEP Pentecoste deseja saber como está o caixa da instituição, deverá procurar a sede e fazer um pedido informal ou formal. Já que essas informações devem estar todas prontas sempre. Creio que no caso do SINDSEP não haja problemas para se conseguir estas informações. Procure os membros da diretoria e lá terá as informações com a secretária de finanças. Não fique conversando nas calçadas sobre isso ou aquilo, vá logo onde se pode obter ou não as informações.


Professor Valdeni Cruz


terça-feira, 21 de abril de 2015

Reflexão - Caráter

Professor Valdeni Cruz


Dai alguém diz assim: Não julguem pela aparência, mas pelo caráter. Eu digo: e quando tanto a aparência quanto o caráter estão em pé de igualdade? A resposta é a seguinte: não se faz necessário que alguém o julgue, pois este julgamento acontece por si só. A aparência é montada, inventada, aparentada, O caráter de um indivíduo é o seu modo de ser, suas características próprias, seu temperamento. Ele é um traço da personalidade, que diz respeito à maneira usual de cada um agir. Este grupo de atributos, bons ou ruins, compõe o comportamento e os valores morais das pessoas, resultantes de um processo evolutivo do sujeito, de seu convívio com a família, a escola, a sociedade como um todo. Nossas qualidades e defeitos são inerentes ao nosso caráter. Somos responsáveis por nossos atos. A bem da verdade estamos sujeitos a qualquer tipo de julgamento. As vezes eles são até justos e outras injustas. O que devemos fazer é entender que somos capazes de qualquer coisa boa ou qualquer coisa ruim. A diferença está em nossas reações perante os fatos. Toda ação tem uma reação. Cabe a nós qual reação teremos diante dos fatos da vida.

TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS PARA O MUNICÍPIO DE PENTECOSTE EM 2016

TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS PARA O MUNICÍPIO DE PENTECOSTE/ CEARÁ   EXERCÍCIO: 2016 Total destinado aos favorecidos situados n...