terça-feira, 8 de julho de 2014

DERROTA HISTÓRICA DO BRASIL - COPA DO MUNDO 2014

Sete vezes pior que o Maracanaço

Brasil leva quatro gols, em seis minutos, e é humilhado pela Alemanha no Mineirão. Goleada, por 7 a 1, foi a maior derrota da história da seleção brasileira, que agora disputa o terceiro lugar do Mundial, em Brasília

DIÁRIO DA MANHÃ
JOÃO PAULO DI MEDEIROS
direto de belo horizonte

Um atropelamento para a história. Sem dó ou piedade, com um futebol eficiente e forte, a Alemanha não tomou conhecimento de um Mineirão lotado, com quase 60 mil torcedores, e aniquilou com o sonho do hexa. Os alemães não precisaram de meia hora para enfiar cinco gols no Brasil e carimbar sua classificação para a final, no Maracanã. O segundo tempo da partida foi uma mera formalidade e serviu para a Alemanha estampar 7 a 1 no placar.

Era apenas a segunda vez que as duas potências se encontravam em Mundiais, mesmo sendo as duas que mais entraram em campo na história da competição. Na primeira, em 2002, deu Brasil na conquista do penta. Os alemães devolveram, ontem, com juros e correção monetária impondo a maior derrota da seleção brasileira em Copas do Mundo. E justo em casa.

Com a derrota de ontem, a campanha do vice-campeonato de 1950 fica como a melhor brasileira em casa. Mesmo com o peso que toda aquela geração teve de conviver. A goleada foi a maior sofrida pela seleção brasileira e dobrou o fiasco contra a França em 1998, que tinha sido a maior derrota brasileira em Copas.

Resta ao Brasil juntar os cacos e seguir para Brasília, onde disputa, no próximo sábado (12), o terceiro lugar com quem sair derrotado da outra semifinal, entre Argentina e Holanda. A Alemanha espera por holandeses ou argentinos para tentar o tetracampeonato após 24 anos. Mesmo tempo de jejum vivido pelas outras tetracampeãs: Itália e Brasil.

O JOGO

Inflamado pela torcida, que mais uma vez deu show ao cantar o Hino Nacional à capela, e emocionados com a homenagem a Neymar, os jogadores brasileiros estavam prontos para mais uma batalha no Mineirão. Estavam em campo as duas seleções com mais tradição em Copas do Mundo, as únicas com mais de 100 jogos pelo torneio. Um dia sublime desse esporte.

Empurrada, a seleção começou a partida pressionando os alemães. Mas a Alemanha estava bem postada em campo e chegou com perigo aos sete. Ozil cruzou e Khedira finalizou, mas a bola explodiu na marcação. O jogo era tenso e qualquer erro de uma das equipes poderia resultar em gol.

O erro aconteceu e o gol também. Em cobrança de escanteio de Kroos, aos 10, Muller apareceu sozinho dentro da área para finalizar com perfeição, aproveitando falha de marcação de David Luiz. Quinto gol do alemão nesta Copa, décimo na história. O clima de apreensão tomou conta.

O tempo esquentou quando Marcelo reclamou de um pênalti de Lahm. O lance foi limpo e o brasileiro se irritou quando Boateng acusou Marcelo de ter simulado falta dentro da área. A seleção brasileira tentava chegar ao ataque, mas encontrava dificuldades. Não conseguia sair do campo de defesa e dava a bola para os alemães.

Sem reação, a seleção brasileira sofreu o segundo gol aos 22. Desta vez, a Alemanha chegou tabelando dentro da área com Kroos, Müller e Klose. O veterano atacante finalizou uma vez, pegou o rebote de Júlio César e colocou seu nome na história. Ao balançar as redes do Mineirão, Klose deixou para trás Ronaldo e se tornou o maior artilheiro das Copas com 16 gols.

Se o Maracanazo foi terrível, a surra que o Brasil sofria em casa era surreal. Aos 24 minutos, Toni Kroos ficou com a bola e finalizou forte. Era o terceiro. Mas o meia queria mais e chegou ao quarto gol aos 25 minutos. Com o adversário na lona, a Alemanha tabelou como quis dentro da área e Kroos fez seu segundo, o quarto da Alemanha em 25 minutos de jogo.

O Brasil era humilhado em casa. Aos 28 minutos, os alemães chegaram ao quinto gol jogando como se estivessem em um churrasco. A defesa brasileira parecia jogar outro esporte e nada fizeram para impedir o gol de Khedira. Cinco gols no primeiro tempo, em meia hora de massacre.

SEGUNDO TEMPO

Para minimizar a goleada, Felipão mandou a campo Ramires no lugar de Hulk e Paulinho na vaga de Fernandinho. Nos primeiros minutos, com a Alemanha economizando energia, o Brasil começou no ataque e quase diminuiu o placar. Primeiro com Ramires cruzando rasteiro para Oscar, mas com Neuer cortando a tentativa. Depois com Oscar finalizando e parando no goleiro alemão.

Enquanto o Brasil pressionava para diminuir o papelão, a torcida alemã vibrava com sua ida ao Rio de Janeiro. Com 12 minutos de segundo tempo, Löw sacou Klose que saiu de campo ovacionado pela torcida brasileira. O maior artilheiro da história das Copas tinha sua marca reconhecida.

Seu substituto, Schürrle ainda marcou dois gols. Primeiro, aos 23 minutos, recebeu de Lahm e venceu Júlio César. Dez minutos mais tarde, o meia-atacante do Chelsea recebeu da esquerda e chutou cruzado. A bola ainda bateu no travessão antes de vencer um combalido Júlio César. Com o sétimo, o Mineirão aplaudiu os alemães de pé e ainda gritou ‘olé’.

Nos acréscimos, Oscar ainda fez o gol de honra para a Seleção Brasileira depois de ver a Alemanha perder um cara a cara com Júlio César. A torcida brasileira cantou ironicamente “eu acredito!”. O caixão estava selado. O silêncio de 1950 deu lugar às vaias.

Fonte: http://www.dm.com.br/texto/183234-sete-vezes-pior-que-o-maracanaco

REFLEXÃO SOBRE A CRIAÇÃO DO UNIVERSO, SUA BELEZA E MISTÉRIOS

PROFESSOR VALDENI CRUZ

Imag. do Google
Agora mesmo me pus a pensar na beleza da criação. Para mim, que sou cristão e creio em Deus como autor de tudo, fico extasiado com o que eu vejo e com o que me vem à mente sobre o que não vejo.
Enquanto chupava uma laranja, minha mente levou-me a refletir a grandeza da criação e do universo como um todo. A perfeição de cada detalhe que compõe tudo o que vemos e o que sabemos que existe por causa da ciência. Se olharmos para o céu à noite, ficamos admirados com a claridade dos pontinhos que lá estão e sabemos que cada um daqueles pontos luz é diferente uns dos outros. Os planetas poderiam ser todos iguais, mas não, cada um tem uma forma diferente e tem sua função no universo. Quando olhamos para a terra e os seres vivos, nos encantamos. Primeiro pela própria grandeza de nosso planeta; depois pela diversidade em tudo. Os tipos de fontes de água, a diversidade de seres, a formação da terra em toda a sua estrutura, como por exemplo, os desertos, os mares, as montanhas, as planícies e em cada situação vegetação própria. Outro ponto importante é quanto ao clima. Há lugares gelados, outros totalmente ao contrario; lugares em que não se conta o número da diversidade de animais e plantas e outros parecem nem vida existir, como é o caso dos desertos. Outra coisa belíssima e multidão de pássaros que povoam os céus, as mais diversas espécies que faz com que o olhar para o céu seja mais gracioso ao ver a revoadas e o canto de cada um deles. Quanto mistério e quanta sabedoria e engenharia.
Quando olhamos para a grandeza dos oceanos ai nos encantamos mais ainda. Infinitas espécies de vida marinha, tanto de peixes como dos corais. Animais micro e macro. É realmente fascinante pensar sobre isso.
Seria o universo inteligente por si só? Seria o acaso capaz de por si só se formar-se tão harmonicamente assim. Ou os orgulhosos não têm coragem de dizer que tudo é obra das mãos de Deus. Seria humilhação para alguns dizer que de fato Deus existe e foi ele que tudo criou?
Imag. do Google
E mais, do que isso, Deus criou os seres humanos, a criação mais perfeita de suas mãos, pois a estes deu a capacidade de tomar conta do que é seu. Esta é a mais nobre de suas obras, pois, como sabemos tudo foi criado para o homem nesta vida e para os que têm fé, depois que ressurgir dos mortos, na vida eterna para sempre. A partir daí será o que se conhece como o novo céu e a nova terra. O lugar dos eleitos, lugar onde não se precisará nem do sol nem da lua, pois segundo as escrituras, Deus é tudo em todos. E se nós podemos nos sentir bem neste mundo onde usufruímos das coisas criadas, que dirá como nos sentiremos ao conviver como o que tudo criou. São Paulo dizia que em determinadas visões havia visitado lugares celestiais em espírito que não era possível dizer para um mortal como era esse lugar, pois tamanha era a gloria e a grandeza de Deus.
Esta é nossa esperança: um dia junto do criador poder viver para sempre contemplando toda esta beleza que agora só temos uma leve compreensão, mas em nada se compara com o que haverá de manifestar para os filhos de Deus  
Pois para mim tudo que existe, tanto as coisas visíveis quanto as invisíveis, são obras das mãos criadoras de Deus. Ainda que estas obras tenha se formado nos bilhões de anos, como dizem os cientistas. Como sabemos, para Deus não existe o tempo, pois é antes de tudo e depois de tudo. E, como também sabemos Deus não cabe dentro de nossos cérebros minúsculos e assim fosse não seria Deus. Deus é a medida exata de todas as coisas.

segunda-feira, 7 de julho de 2014

Agosto 2014 – data final para fechamento dos lixões no Brasil


04 de julho de 2014  

Em tempos de Copa do Mundo FIFA 2014, tem alguém se lembrando de que a data, agosto de 2014, é a data limite para fechamento dos lixões em todo o Brasil?
     Sinceramente, espero que sim. Aliás, espero muito mais. Espero e desejo que todos os municípios brasileiros estejam caminhando com sua política ambiental, operacionalizando, de maneira efetiva e eficaz, a gestão e o gerenciamento dos resíduos sólidos (coleta, acondicionamento, transporte e, notadamente, destino final).
     Caríssimos leitores do Blog Verde, atentem para o que realmente importa e nos interessa, que é a melhoria da qualidade de vida para todos os cidadãos, nos locais (municípios) que escolhemos viver e trabalhar.
      Não se deixem envolver pela magia e pela ilusão transitória de uma felicidade efêmera. A realidade é que temos prazos legais, preconizados pela Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei n. 12.305, de 02 de agosto de 2010), de cumprimento das proibições impostas no Art. 47 de mencionada legislação (proibido lançar resíduos sólidos em praias, mar, recursos hídricos e em céu aberto, proibido a queima de resíduos sólidos) e do Art. 9º (adequado destino final de resíduos sólidos), combinado ao Art. 54, que diz textualmente que a disposição final deve estar implementada em até 4 anos da publicação da Lei.
     O Decreto n. 8.211, de 21 de março de 2014, não alterou a data limite para a adequação dos destinos finais de resíduos sólidos dos municípios, obrigação esta colocada textualmente no Artigo 9º e com data limite estipulada no Art. 54 da Lei n. 12.305/2010).
     Mencionado Decreto determina um prazo um pouco maior para a elaboração dos Planos Municipais de Saneamento Básico, preconizado pela Política Nacional de Saneamento Básico (Lei n. 11.445/2007). O novo prazo é 31 de dezembro de 2014.
     Portanto, o prazo final para que todos os lixões, nos municípios brasileiros, estejam fechados e que mencionados municípios possuam adequado destino final de resíduos sólidos é 02 de agosto de 2014.
Fonte: http://tribunadoceara.uol.com.br/blogs/blog-verde/meio-ambiente/agosto-2014-data-final-para-fechamento-dos-lixoes-brasil/?utm_source=facebook&utm_medium=N%C3%A1jila%20Cabral&utm_term=Meio%20Ambiente&utm_campaign=facebook%20tribuna

domingo, 6 de julho de 2014

Pobreza atinge 2,6 mi de cearenses


06.07.2014

Renda per capita inferior a R$ 140 atinge 31,6% da população, segundo dados dos ODM para o Ceará

Fortaleza. A um ano do prazo final estipulado para o alcance dos Objetivos do Milênio (ODM), o Ceará avança na Educação, mas ainda amarga uma realidade: mais de um terço da população vive na linha da pobreza. Atualmente, são contabilizados 2.633.517 pessoas nessa condição de pobreza, o que corresponde a 31,6% da população do Estado. Os dados foram levantados pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).
Não há paradoxo no fato de se avançar no setor educacional e ainda existir oferta de emprego e renda no Estado. Pelo menos, essa é a avaliação do coordenador geral de Projetos Especiais - ODM, mantido pela Secretaria Nacional de Relações Político-sociais da Presidência da República, Luiz Alberto Ribeiro Silva. Ele esteve no Ceará em junho passado, por ocasião d a apresentação do 5º relatório dos resultados dos ODM, no auditório do BNB, no Passaré.
Formalidade
Para Luiz Alberto é fato que o Ceará avançou mais do que outros Estados brasileiros no setor educacional, além de outras metas sociais estabelecidas pela ODM, como no combate à mortalidades infantil e materno e a Aids, como exemplo. Ele lembra que o avanço se deu, especialmente nas séries finais da educação básica.
No entanto, o isolamento causado pelo fenômeno da seca e a industrialização regional pouco efetiva contribuem para a informalização do mercado de trabalho, mantendo uma relação forte com a pobreza, conforme avalia o assessor do Ministério da Secretaria de Assuntos Estratégicos, Rafael Osorio.
Os números da renda per capita verificados no Ceará, segundo Rafael Osório, vão na contramão do que ocorre na média brasileira, onde mais da metade da população está no mercado formal. Isso representa num avanço significativo dentre as metas que se pretende alcançar até 2015, como foi proposto para o País dentro do compromisso global pelo desenvolvimento, forjado na Declaração do Milênio de 2000. "A boa notícia é que os investimentos em Educação deverão impactar na qualificação profissional e assim se obter melhores empregos", disse Rafael.
A superação da dificuldade surge de várias frentes. A coordenadora do movimento "Nós Podemos Ceará", que coordenada a expansão das ODMs nos municípios, Eliene Brasileiro, reconhece que houve um ganho social com a valorização da municipalização para se pretender alcançar as metas estabelecidas em 2000.
Obstáculos
Ao mesmo tempo, observa que há sérios obstáculos com a oferta de emprego e renda nos municípios, daí a necessidade de valorização da agricultura familiar e de programas que privilegie a fixação do homem na zona rural. "Não adianta a gente imaginar que o Brasil está bem, se quando vamos aos municípios verificamos outra realidade", diz Eliene Brasileiro.
Para incentivar boas práticas de desenvolvimento, o governo federal criou o Prêmio ODM Brasil em 2004. Neste ano, o Ceará venceu com sete iniciativas dentre as 30 contempladas. Um dos destaques foi exatamente na motivação para a agricultura familiar, com a iniciativa da Agência de Desenvolvimento Econômico Local (Adel). A entidade é responsável pela criação do Programa Jovem Empreendedor Rural, concebido para apoiar na criação e no fortalecimento de pequenos empreendimentos rurais, estruturando a atividade econômica por meio do bom gerenciamento dos negócios. Com isso, obteve que os participantes elevassem a renda mensal de R$ 175 para R$ 850.
Educação
As boas notícias, especialmente, chegam do setor educacional. De acordo com números do Ipea, no Estado, em 1990, 36,1% das crianças de 7 a 14 anos não estavam cursando o ensino fundamental. Em 2006, o MEC estabeleceu a implantação do ensino fundamental de nove anos no País.
Assim, passou a ser considerada a faixa etária de 6 a 14 anos para o ensino fundamental; em 2012, verificou-se que 7,3% destas crianças não estavam na escola. Nas últimas décadas, a frequência de jovens de 15 a 17 anos no ensino médio melhorou. Mesmo assim, em 2012, 46,6% estavam fora da escola.
Estado tem avanços nos setores da saúde
Fortaleza. Não obstante os indicadores não muito otimistas na geração de emprego e renda, o Ceará avançou não apenas em Educação, como também em outras metas estabelecidas pelas ODM até 2015. Redução na taxa de mortalidade infantil, combate à Aids e expansão do saneamento básico são as maiores vitórias obtidas no Ceará.
A taxa de mortalidade de crianças menores de 5 anos, em 1995, era de 41,5 óbitos a cada mil nascidos vivos; em 2012, este percentual passou para 14,9 óbitos a cada mil nascidos vivos, representando redução de 64,1% da mortalidade.
O número total de óbitos de crianças menores de 5 anos no Estado, de 1995 a 2012, foi 64.066. A taxa de mortalidade de crianças menores de um ano para o Estado, estimada a partir dos dados do Censo 2010, é de 11,2 óbitos a cada mil crianças menores de um ano.
Das crianças até 1 ano de idade, em 2010, 2,7 % não tinham registro de nascimento em cartório. Este percentual cai para 1,6% entre as crianças até 10 anos. O número de óbitos de crianças até um ano informados no Estado representa 79,7% dos casos estimados para o local no ano de 2.011. Entre 1995 e 2011, no Estado, a taxa de mortalidade de crianças menores de 1 ano, corrigida para as áreas de baixos índices de registro, reduziu de 54,1 para 15,2 óbitos a cada mil nascidos vivos, o que representa um decréscimo de 71,9% em relação a 1995.
O número de óbitos maternos no município, de 1996 a 2012, foi 1.676. A taxa de mortalidade materna máxima recomendada pela Organização Panamericana de Saúde (OPAS) é de 20 casos a cada 100 mil nascidos vivos. A meta estabelecida para o Brasil é de 35 casos. No País, em 2011, esse número foi de 55,3; mas devido a subnotificações, estaria próximo de 64,8 óbitos a cada 100 mil nascidos vivos. O Estado teve de 1990 a 2012, 14.554 casos de AIDS diagnosticados; destes, 4.617 femininos e 9.937 masculinos. Entre 1990 e 2012, dos 184 municípios deste Estado, 180 já apresentaram casos de Aids.
A doença que antes estava restrita aos grandes centros, ganha praticamente todo o território. No Estado, a taxa de incidência, em 2.012, era de 14,1 casos a cada 100 mil habitantes, e a mortalidade, em 2.012, 3,8 óbitos a cada 100 mil habitantes.
Saneamento
O abastecimento de água potável, o esgoto sanitário e a coleta de resíduos são alguns serviços que melhoram a qualidade de vida das comunidades. Neste Estado, em 1990, 52,3% dos moradores urbanos tinham acesso à rede de água geral com canalização em pelo menos um cômodo. Em 2012, esse percentual passou para 92,5%. Em 1990, 60,6% dos moradores urbanos tinham acesso à rede de esgoto adequada (rede geral ou fossa séptica), passando para 65,5% em 2012.
Marcus Peixoto
Repórter
 
Fonte: Diário do Nordeste

TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS PARA O MUNICÍPIO DE PENTECOSTE EM 2016

TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS PARA O MUNICÍPIO DE PENTECOSTE/ CEARÁ   EXERCÍCIO: 2016 Total destinado aos favorecidos situados n...