sábado, 11 de dezembro de 2010

História do Sindicalismo no Brasil


CLASSE OPERÁRIA
Sua origem remonta nos últimos anos do século XIX e está vinculada ao processo de transformação de nossa economia, cujo centro agrário era o café: substituição do trabalho escravo pelo trabalho assalariado; transferência do lucro do café para a indústria; e poder político nas mãos dos cafeicultores. Suas primeiras formas de organização foram: 1. Sociedades de socorro e ajuda mútua; e 2. União operária, que com o advento da indústria passou a se organizar por ramo de atividade dando origem aos sindicatos.
 1720 - Um dos primeiros e mais importantes movimentos grevistas ocorreu no Porto de Salvador, na época o maior das Américas
 1858 - Primeira Greve - Tipógrafos do Rio de Janeiro, contra as injustiças patronais e reivindicaram aumentos salariais.
• 1892 - I Congresso Socialista Brasileiro. O objetivo da Criação do Partido Socialista Brasileiro não foi atingido.
• 1902 - II Congresso Socialista Brasileiro - Influência de Marx e Engels. Obs: Ler trecho do Manifesto página 49.
• 1906 - I Congresso Operário Brasileiro. Um total de 32 delegados na sua maioria do Rio e São Paulo, lançou as bases para a fundação da Confederação Operária Brasileira (C.O.B.).Nese Congresso participaram as duas tendências existentes na época: 1. Anarco-Sindicalismo, negava a importância da luta política privilegiando a luta dentro da fábrica através da ação direta. Negava também a necessidade de um partido político para a classe operária. 2. Socialismo. Reformista, tendência que propunha a transformação gradativa da sociedade capitalista, defendia a Organização Partidária dos Trabalhadores e participava das lutas parlamentares. A ação anarquista começa a se desenvolver entre 1906 até 1924.
• 1913 e 1920 - II e III Congresso Operário, tentando reavivar a Confederação Operária Brasileira. Desde essa época o governo tentava controlar o movimento sindical. Exemplo disso foi o Congresso Operário de 1912, que teve como presidente honorário Hermes da Fonseca, então presidente da República A greve teve peso expressivo em São Paulo, mas se estendeu em diversos estados.
• Sindicatos Amarelos (luta imediatista) Nesta época, as lideranças sindicais eram obedientes à ordem burguesa. Embora dirigissem categorias combativas como os ferroviários e marítimos, conciliavam com o Estado. Enquanto isso, os Anarco-Sindicalistas, ao deflagrarem uma greve, viam como um momento da greve geral que destruiriam o capitalismo.
Auge do movimento anarquista
• A crise de produção gerada pela Primeira Guerra Mundial e a queda vertiginosa dos salários dos operários, caracterizou-se por uma irresistível onda de greves - 1917 a 1920.
• 1917 - Greve geral. Em São Paulo, iniciada numa fábrica de tecidos e que recebeu a solidariedade e adesão inicial de todo o setor têxtil, seguindo as demais categorias. De 2.000 trabalhadores parados
Superação do Anarquismo - Suas limitações
• Reivindicações exclusivamente econômicas;
• Negação da luta política;
• Não exigia do estado sequer uma legislação trabalhista;
• Não admitiam a existência de um partido político operário;
• Não aceitavam alianças com os setores subalternos da sociedade.
Por estas e outras razões, o movimento Anarco-Sindicalista entrou num isolamento tornando-se presa fácil do Estado e de sua força policial repressora. Pode-se inclusive dizer que os anarquistas não conseguiram, na atuação concreta, ir além dos reformistas amarelos. Embora conciliassem com o Estado, também não o questionavam, limitando sua participação através de reivindicações econômicas.
A influência da Revolução Russa, permitiu que uma dissidência anarquista fundasse, em 1922, o PCB - Partido Comunista Brasileiro, atraindo um número expressivo de trabalhadores para o comunismo. O PCB marcou o início de uma nova fase no movimento operário brasileiro. O objetivo do PCB era dirigir a revolução no Brasil. Apesar da ilegalidade imposta ao partido alguns meses após sua fundação, o PCB passou a editar, como órgão do partido, a revistaMovimento Comunista, ainda nesse ano. Publicou em seguida o Manifesto Comunista e em 1925 iniciou a publicação do jornal A Classe Operária, com tiragem inicial de 5.000 exemplares, que logo foi aumentada. .
Em 1929 criou-se a Federação Regional do Rio de Janeiro e no mesmo ano foi realizado oCongresso Sindical Nacional, que congregou todos os sindicatos, influenciado pelos comunistas, quando se originou a CGT - Central Geral dos Trabalhadores. Mesmo assim, o Estado continua tentando cooptar os sindicatos,
• 1922 - Movimento Tenentista. Oposição à burguesia do Café - coluna Prestes.
• Revolução de 1930 - Conciliação entre os interesses agrários e urbanos, excluindo qualquer forma de participação da classe operária.
• Eleições de 1930. O bloco operário e camponês (PCB na ilegalidade) candidatou Minervino de Oliveira. O eleito foi Julio Prestes, representante da burguesia cafeeira, no entanto um movimento militar barrou sua posse, resultando a ida de Vargas ao poder. Inicia-se uma nova fase no sindicalismo brasileiro.
Era Vargas
• 1930 - O Ministério do Trabalho procura conter o operariado dentro dos limites do Estado burguês. Política de conciliação entre capital e trabalho.
• Lindolfo Collor, 1º Ministro do TrabalhoLei sindical de 1931 (Decreto 19770), cria os pilares do sindicalismo oficial no Brasil. Controle financeiro do Ministério do Trabalho sobre os sindicatos. Definia o sindicalismo como órgão de colaboração e cooperação como Estado.
A maioria dos sindicatos resistiram até meados de 1930. Somente alguns sindicatos (25%) do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul aderiram a esta lei. O movimento grevista foi intenso, conseguindo algumas conquistas como: Lei de Férias, descanso semanal remunerado, jornada de 8 horas, regulamentação do trabalho da mulher e do menor, entre outros. Algumas destas leis já existiam apenas para as categorias de maior peso, como ferroviários e portuários. Nesse momento estendeu-se a todos os trabalhadores.
Nessa época predominavam no seio do movimento operário, algumas tendências, como:Anarco-Sindicalistas - Federação Operária de São Paulo
Socialistas - Coligação dos sindicatos proletários de 1934. Lutavam pela completa autonomia sindical.
Comunistas - 1934 - Federação Sindical Regional no Rio de Janeiro e em São Paulo. Em 1935 realizam a Convenção Nacional de Unidade dos Trabalhadores, reunindo 300 delegados representando 500.000 trabalhadores, quando reorganizam a Confederação Sindical Unitária, central sindical de todo o movimento operário no Brasil.
Junto com as lutas sindicais cresciam também as mobilizações das massas trabalhadoras. Em março de 1934, é fundada a Aliança Nacional Libertadora, dirigida pelo PCB, já com Luis Carlos Prestes. Foi citado no VII Congresso da Internacional Comunista como exemplo de frente popular democrática - 400.000 membros. No dia 4 de abril desse ano, foi realizado o primeiro comício da ANL. O governo reprimiu e decretou a Lei de Segurança Nacional, proibindo o direito de greve e dissolvendo a Confederação Sindical Unitária. Alguns meses depois, Felinto Müller coloca a ANL na ilegalidade, estes optaram pelo levante armado e foram violentamente reprimidos. Foram criados o Estado de Sítio e a Comissão de Repressão ao Comunismo
Em 1939, Decreto-Lei 1402. O enquadramento sindical, que tinha a função de aprovar ou não a criação de sindicatos. Este órgão era vinculado ao ministério do Trabalho. Nesse mesmo ano criou-se o imposto sindical.
Ressurgimento das lutas sindicais - 1945 a 1964
• Debilidade do Estado Novo;
• Avanço das oposições;

• 1943 - Manifesto dos mineiros, oposição liberal;

• 1945 - O movimento popular, sob o comando do PCB, conquista a anistia ampla e irrestrita, libertando os presos políticos, comunistas que estiveram presos durante todo o Estado Novo. Legalização do PCB;

• Dezembro de 1945 - Eleições presidenciais. Convocação de Assembléia Nacional Constituinte;
• Lei Antitruste - Desapropriadas empresas estrangeiras lesivas aos interesses nacionais;

• Fechou-se a Organização Sociedade Amigos da América, representante do imperialismo norte-americano;

• Reatam-se as relações diplomáticas com URSS. Vargas é deposto e no mesmo ano acaba a intervenção do Ministério do Trabalho nos sindicatos;

• 1945 - Criou-se o MUT - Movimento Unificador dos Trabalhadores. Objetivos: romper com a estrutura sindical vertical; retomar a luta da classe operária; liberdade sindical; fim do DIP - Departamento de Imprensa e Propaganda; enfim do Tribunal de Segurança Nacional;

• Setembro de 1946 - Congresso Sindical dos Trabalhadores do Brasil, no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, 2.400 delegados. Os comunistas criam a Confederação Geral dos Trabalhadores;

• Golpe de 29 de outubro de 1945. Reacionário e anti-popular, freou os avanços das classes populares. Apesar do golpe nas eleições de dezembro de 1945, o PCB, que em poucos meses de legalidade tornou-se o maior partido comunista da América Latina com cerca de 200.000 membros, conseguiu 10% de eleitorado para presidente da República. Elegeu 14 deputados e um senador, Luis Carlos Prestes, o mais votado da República.
Apesar do avanço dos setores operários e populares, a elite conservadora através da União Democrática Nacionalista - UDN e PSD, detinham 70% do parlamento e com isso barrava todas as investidas do PCB que na ação parlamentar fazia alianças com o PTB.
• 1946 - Dutra proibiu a existência do MUT e suspendeu as eleições sindicais.
• 1947 - Determina a ilegalidade do PCB, cassando o mandato de seus representantes no parlamento.
• 1950 - Último governo Vargas. Novamente o movimento sindical atinge grande dimensão.
• 1940 a 1953 - a Classe trabalhadora dobra seu contingente. 1.500.000 trabalhadores nas indústrias. As greves tornam-se constantes.
• 1951 - Quase 200 paralisações - 400.000 trabalhadores.
• 1952 - 300 paralisações.
• 1953 - Luta da classe operária contra a fome e a carestia atingiu cerca de 800.000 operários. Só em São Paulo realizaram-se mais de 800 greves. Neste ano realizou-se a greve dos 300.000 trabalhadores de São Paulo (trabalhadores de empresas têxteis, metalúrgicos e gráficos), participação intensa do PCB. Foram movimentos de cunho político, acima das reivindicações econômicas. Reivindicavam liberdade sindical, contra a presença das forças imperialistas, em defesa das riquezas nacionais - campanha pela criação da Petrobrás e contra a aprovação e aplicação do Acordo Militar Brasil - EUA. Foi criado o pacto de Unidade Intersindical, depois transformou-se no PUA (Pacto de Unidade e ação). Criou-se também o PIS (Pactos Intersindicais) na região do ABC. A indústria têxtil estava concentrada sobretudo nos bairros paulistas. Nos anos 1950 e 1960 as grandes greves da região foram resultados de ações intensas dos sindicatos para as campanhas salariais.
• 1924 - 1974 - A grande revolta de 1924 em São Paulo levou o governo federal atacar a maior capital do país, expulsando estrangeiros de e atingindo os anarquistas que tinham muito peso principalmente na colônia italiana. Meio século depois, o movimento proletário cresceu surgindo o novo sindicalismo, que retomou as comissões de fábrica, propondo um modelo de sindicato livre da estrutura sindical atrelada e uma ação classista. Esse fenômeno foi constituído inclusive pelo ABDC paulista (cidades de Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul e Diadema). São Bernardo e Diadema integraram uma frente de esquerda, concluindo o PCB, tendo importante participação da AP, responsáveis por inúmeros movimentos de trabalhadores.
Retomada das lutas sindicais e criação do Comando Geral dos Trabalhadores - CGT
• 1960 - III Congresso Sindical Nacional. Fundação da CGT - Comando Geral dos Trabalhadores, para combater o peleguismo, principalmente da CNTI, dominada por Ari Campista.
• Governo JK - Juscelino Kubistchek - Sem novidades;
• Governo Jânio Quadros - 7 meses (1961);

• Governo João Goulart - Setembro de 1961 a 31 de março de 1964 Parlamentarismo. Janeiro de 1962, plebiscito, retorno ao presidencialismo.
No campo, os trabalhadores iniciaram seu processo de mobilização desde 1955 com o surgimento da 1ª Liga Camponesa, no Engenho Galiléa. Um ano antes, em 1954, foi criada aULTAB - União dos Trabalhadores Agrícolas do Brasil. Pouco a pouco foi nascendo o Sindicato dos Trabalhadores Rurais. O movimento no campo tinha como bandeira principal aReforma Agrária. As ligas camponesas eram dirigidas por Francisco Julião, e os sindicatos rurais pelo PCB.
• 1963 - Fundação da CONTAG.
• 13 de Março de 1964 - Comício na Central do Brasil, Rio de Janeiro, 200.000 pessoas pelas reformas de base.
• Represária da elite conservadora à Marcha da Família, com Deus, pela Liberdade.
31 de Março de 1964 - A longa noite do sindicalismo brasileiro
1966 - Acaba a estabilidade no emprego e cria-se o FGTS
Retomada do movimento operário
• 1967 - Cria-se o Movimento Intersindical anti-Arrocho (MIA). Participaram os sindicatos dos metalúrgicos de São Paulo, Santo André, Guarulhos, Campinas e Osasco para colocar um fim ao arrocho salarial. Só o sindicato de Osasco propunha avanços fora dos limites impostos pelo Ministério do Trabalho.
• 1968 - Greve de Osasco, sob o comando de José Ibrahim. Iniciada em 16 de julho, com a ocupação da Cobrasma. No dia seguinte, o Ministério do Trabalho declarou a ilegalidade da greve e determinou a intervenção no sindicato. quatro dias depois, os operários retornam ao trabalho. Em outubro de 1968 a greve em Contagem também contra o arrocho salarial, que também foi reprimida, vencendo o movimento quatro dias depois.
• Maio de 1978 - (Dez anos depois). As máquinas param, a classe operária volta em cena. Março de 1979, os braços novamente estão cruzados. começa a nascer a democracia.
• 12 de março de 1978. Os trabalhadores marcam cartão mas ninguém trabalha. Das 7 até às 8 horas. A Scania do Grande ABC é a primeira fábrica a entrar em greve.
• 1979 e 1989. Primeira grande greve do ABCD e a campanha de Luis Inácio Lula da Silva para presidente.
• Fizeram letra morta toda legislação sindical repressiva.

• 1981 - O Partido dos Trabalhadores cresce.
• 1983, 1992 e 1995. Greve dos PETROLEIROS.

• Agosto de 1983 - Nasce a Central Única dos Trabalhadores - CUT. Sindicalismo classista e de massas, combativo. Classista porque não reduz o trabalhador a um vendedor da força de trabalho, ainda que parta desta condição imposta pelas relações capitalistas de trabalho para desenvolver sua ação sindical.
O sindicalismo classista considera o trabalhador dentro de um horizonte mais amplo, como classe produtora de riqueza social. duas características básicas definem o sindicalismo classista e de massas da CUT: 1. Sua luta por atrair a maior participação possível de trabalhadores; 2. sua capacidade de organizá-los em oposição à classe burguesa. Portanto o caráter classista da CUT implica em articular as lutas imediatas com o projeto histórico da classe trabalhadora. E, nesta condição, assumir o socialismo como perspectiva geral, sempre procurando a participação de todos os trabalhadores, inclusive dos que sequer ainda chegaram ao sindicato.
CGT
• Conciliação de classes;
• Estrutura sindical facista e burocrática anti-democrática;
• Peleguismo, imposto pelo Golpe Militar de 1964;
• Sindicalismo de resultados;
• Populismo;
• Controle do estado sobre a estrutura sindical.
Força Sindical
• A decomposição acelerada do peleguismo tradicional e o crescimento da CUT colocaram a necessidade dos empresários e do Estado forjarem uma opção confiável. Uma opção que aceite e não busque romper com os limites consentidos pela classe dominante para a prática sindical, o Neopeleguismo.• Sindicalismo de negócios para defender o capitalismo como opção histórica com uma prática desvinculada dos partidos operários e com objetivo de promover a conciliação de classes.
Pensamento da CUT
• Sindicatos e partidos fazem parte do mesmo movimento: a emancipação definitiva da classe trabalhadora como obra dos próprios trabalhadores.
FONTE: Texto retirado do site do SINTSEF.

"Que ninguém mais ouse duvidar da
capacidade de luta da classe trabalhadora" - Lula
A indústria brasileira se desenvolveu tardiamente em relação às grandes potências capitalistas. Na passagem dos séculos 19 e 20, a economia brasileira era ainda predominantemente agrícola.
No início do século 20, jornadas de 14 ou 16 horas diárias ainda eram comuns. Assim como a exploração da força de trabalho de mulheres e crianças. Os salários pagos eram extremamente baixos, havendo reduções salariais como forma de punição e castigo. Todos eram explorados sem qualquer direito ou proteção legal. A primeira greve no Brasil foi a dos tipógrafos do Rio de Janeiro, em 1858, contra as injustiças patronais e por melhores salários.
Os imigrantes, enganados com promessas nunca cumpridas, trouxeram experiências de luta muito mais avançadas do que as que haviam no Brasil, e é a partir deles que se organizou o anarquismo, que foi a posição hegemônica mo movimento operário brasileiro no período de nascimento e consolidação da indústria.
Existiam outras posições de menor influência política entre a classe, como a dos socialistas, que fundaram o primeiro partido operário no país em 1890, e que, mais tarde, adotaram as teses da 2ª Internacional, especialmente, a comemoração do 1º de Maio como data internacional da classe trabalhadora.
Em abril de 1906, realizou-se no Rio de Janeiro, o 1º Congresso Operário Brasileiro, com a presença de vários sindicatos, federações, ligas e uniões operárias, principalmente do Rio e São Paulo. Nascia a Confederação Operária Brasileira (COB), a primeira entidade operária nacional.
Mas a reação patronal e do governo não demorou. Em 1907, foram expulsos do país 132 sindicalistas. A crise de produção gerada pela 1ª Guerra Mundial e a queda vertiginosa dos salários dos operários, caracterizou-se por uma irresistível onda de greves entre 1917 e 1920. A greve de 1917 paralisou São Paulo e chegou a envolver 45 mil pessoas. O governo convocou as tropas do interior e 7 mil milicianos ocuparam a cidade. O ministro da Marinha enviou dois navios de guerra para o porto de Santos. A repressão era total sobre os trabalhadores. Num dos choques com a polícia, foi assassinado o operário sapateiro Antonio Martinez. Mais de 10 mil pessoas acompanharam o enterro. Em 1919, Constantino Castelani, um dos líderes da União Operária, foi morto por policiais quando discursava em frente a uma fábrica.
As limitações do ideário anarquista, entretanto, permitiram o isolamento do movimento, tornando-se presa fácil do Estado e de sua força policial repressora. A revolução soviética, em 1917, apontava para a formação de um partido e a redefinição do papel do Estado.
Com a "Revolução de 1930", liderada por Getúlio Vargas, é iniciado um processo de modernização e consolidação de um Estado Nacional forte e atuante em todas as relações fundamentais da sociedade. Vargas acabaria atrelando a estrutura sindical ao Estado, destruindo todas as bases sociais e políticas em que tinha se desenvolvido o movimento sindical no período anterior.
A partir da década de 30, o Brasil passou a ser um país industrial e a classe operária ganhou uma importância maior. O conflito entre capital e trabalho passou a ser tratado como uma questão política. Por um lado, criou uma estrutura sindical corporativista, dependente e atrelada ao Estado, inspirada no Fascismo italiano; por outro, criou o Ministério do Trabalho, a Justiça do Trabalho e a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT). A fundação dos sindicatos oficiais, a criação do imposto sindical e a política populista de Getúlio Vargas estimularam o surgimento dos pelegos.
A palavra pelego, que originalmente significa a manta que se coloca entre o cavalo e a sela de montar, passou a ser utilizada para classificar os dirigentes sindicais que ficavam amortecendo os choques entre os patrões e o cavalo que, no caso, era a própria classe trabalhadora.
Categorias e sindicatos combativos, no entanto, ainda resistiam. E obtiveram conquistas importantes como a Lei de Férias, descanso semanal remunerado, jornada de oito horas, regulamentação do trabalho da mulher e do menor, entre outros.
Junto com as lutas sindicais cresciam também as mobilizações das massas trabalhadoras. Em março de 1934, é fundada a Aliança Nacional Libertadora, dirigida pelo PCB, já com Luís Carlos Prestes..
Entre 1940 e 1953, a classe trabalhadora dobra seu contingente. Já são 1,5 milhão de trabalhadores nas indústrias e as greves tornam-se freqüentes. Em 1947, sob o governo do marechal Dutra, mais de 400 sindicatos sofreram intervenção. Em 1951, houve quase 200 paralisações; em 1952, 300. Em 1953, foram 800 greves, a maior delas com 300 mil trabalhadores de empresas têxteis, metalúrgicos e gráficos. Participação intensa do PCB e reivindicações que não eram apenas econômicas: liberdade sindical, campanha pela criação da Petrobras, em defesa das riquezas nacionais e contra a aprovação e aplicação do Acordo Militar Brasil-EUA.
No campo, os trabalhadores iniciaram seu processo de mobilização. Em 1955, surge a 1ª Liga Camponesa. Um ano antes, foi criada a União dos Trabalhadores Agrícolas do Brasil. Pouco a pouco foram nascendo os sindicatos rurais.
O golpe militar de 1964 significou a mais intensa e profunda repressão política que a classe trabalhadora enfrentou na história do país. As ocupações militares e as intervenções atingiram cerca de 2 mil entidades sindicais em todo o país. Suas direções foram cassadas, presas e exiladas. A desarticulação, repressão e controle do movimento foram acompanhados de uma nova política de arrocho de salários, da lei antigreve nº 4.330 e do fim do regime de estabilidade no emprego. A ditadura passou a se utilizar de práticas de tortura, assassinatos e censura, acabando com a liberdade de expressão, organização e manifestação política.
Na década de 70, principalmente, começa a surgir um novo sindicalismo, que retomou as comissões de fábrica e propôs um modelo de sindicato livre da estrutura sindical atrelada. Este fenômeno aparece com maior nitidez no ABCD paulista (cidades de Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul e Diadema).
Surge, também, a mais expressiva liderança sindical brasileira de todos os tempos: Luiz Inácio da Silva, o Lula, que em 1969 participa pela primeira vez da diretoria de um sindicato, como suplente.
No dia 12 de maio de 1978, os trabalhadores da Saab-Scania do Brasil, em São Bernardo do Campo (SP), entraram na fábrica, bateram o cartão de ponto, vestiram seus macacões, foram para os seus locais de trabalho diante das máquinas, mas não as ligaram: cruzaram os braços. No momento, eles não poderiam imaginar que com aquele gesto, aparentemente simples, estavam abrindo o caminho de uma nova proposta sindical para o Brasil. A greve desafiou o regime militar e iniciou uma luta política que se estendeu por todo o país. No contexto das mobilizações populares que se seguiram, surgiram manifestações em defesa das liberdades democráticas e contra a ditadura militar, entre elas, a luta pela anistia e pelas Diretas Já.
Em 1980, sindicalistas, intelectuais e representantes do movimento popular fundam o Partido dos Trabalhadores, com a proposta de estabelecer um governo que represente os anseios da classe trabalhadora.
Nos dias 24, 25 e 26 de agosto de 1984, é realizado em São Bernardo, o 1º Congresso Nacional da Central Única dos Trabalhadores (CUT) com a participação de 5.260 delegados eleitos em assembléias, de todos os estados do país, representando 937 entidades sindicais. Foram lançados os princípios de uma nova proposta sindical, que vem mudando o país e que culminou com a eleição de Luiz Inácio Lula da Silva para a presidência do Brasil, em 27 de outubro de 2002.
Fontes: 
Retirado do site: http://www.sintrafesc.org.br/sindicalismo.php
Imagens da Luta 1905-1985. Aloízio Mercadante Oliva e Luis Flávio Rainho, coordenadores, e outros. Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de São Bernardo do Campo e Diadema.

- Site do Sindicato dos Trabalhadores do Serviço Público Federal do Estado da Bahia (Sintsef/BA)





quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

REFLEXÃO

Depois de postar e ler vários artigos resolvi escrever um pouco. Existe um ditado que que: é melhor ouvir do que falar sem saber. Então como não sei muito POUCO prefiro observar os mais experientes para poder me basear de forma mais aprofundada.
Hoje, indo a Fortaleza, dentro do transporte fui desdobrando-me em pensamentos que me tomaram todo o trajeto percorrido. Cada olhar para o céu, para a caatinga seca, para as serras, as pessoas, o vai e vem de carros, o calor do sol... Me vieram uma nuvem de pensamentos que me levaram a viajar para dentro de mim, de minhas convicções de fé, de estudo, das duvidas. Comecei a me perguntar como poderia agente entender a questão da criação do mundo dentro do desenrolar da história. As vezes é complicado entender. Eu sou católico e tenho fé em Deus e me acho religioso. Porém, quando me ponho a pensar sobre a vida e a criação alguns questionamentos me sobressaltam o entendimento. Eu creio na Bíblia e foi sobre ela que me veio as perguntas. Como pode alguem ter escrito o Gênese por exemplo, narrando todos aqueles fatos? Pois eu ia olhando para as montanhas e lembrando do que a ciência fala sobre a formação delas, que datam em milhares de anos. Dai, como sabemos, a escrita só apareceu 4 mil anos antes de Cristo, então como poderia alguem ter estado presente nesses acontecimentos ou lembrar de fatos os quais estão registrados na Bíblia? Então me vi nessa incógnita. Sabemos que tudo que vivemos nas religiões é questão de fé. Se formos nos basear pela fé estamos completamente contra os argumentos da ciência, mas quando sabemos que a ciência também tem suas provas, o que acontece com provas e estudos detalhados, então fica perguntas no ar. Foi o que aconteceu comigo hoje. E você, já passou por isso? 

Comente...
Lembre-se, sou Cristão e nada, pelo menos até agora, tem me abalado a fé. Isso que coloquei me trás mais certezas a respeito de Deus. Pois fica claro pra mim de que ele, Deus, é tão grande e tão além de nossas limitações que fico mais desejoso de adentrar os seus mistérios. Isso pelo simples fato de o homem que tem desenvolvido uma tremenda parafernália científica e tecnológica e mesmo assim fica completamente perdido diante da grandeza do Universo e de suas complexidades.

Professor Valdeni Cruz                 

O QUE VOCÊ ENTENDE POR SABEDORIA?

Sabedoria

     A mídia, os livros, a ciência... transmitem-nos diversas informações por dia. O professor ainda é visto, por muitos, como o “dono da verdade” e possuidor de todo o conhecimento. Devido a essa concepção muitos alunos não contestam seus mestres, não instigam seus saberes. Talvez por medo. Talvez por vergonha. Talvez, porque não foram incentivados a isso. O conhecimento é conquistado quando há um estímulo, um incentivo que motive a busca por novidades ou a verdade sobre informações transmitidas.

     Dizia Guimarães Rosa, em sua obra-prima Grande Sertão: Veredas: “Quem desconfia fica sábio”. Concordo plenamente com ele, pois, analise comigo: recebo uma informação, um dado conhecimento simplesmente repassado e, por mais que ache interessante e cativante, prefiro não questionar e acabo por engavetá-la. Posso até estar por dentro do assunto, mas não terei argumentos suficientes para defender tal ideia, caso esteja em meio a um debate. Já, se recebo uma determinada informação que me aguça a curiosidade e, ao invés de engavetá-la investigo o tema, por diversos meios, como livros, Internet, periódicos, entrevistas... torno-me um verdadeiro conhecedor do assunto, apto a debatê-lo. Um sábio.

     A sabedoria está em cada um, basta aflorá-la, despertá-la. Segundo o catolicismo, a Sabedoria é um dos sete dons do Espírito Santo, aquele que possibilita às pessoas distinguirem o que é bom do que é ruim, o que é necessário do que é desnecessário... Conta a Bíblia que o Rei Salomão teve a oportunidade de pedir o que quisesse a Deus, e decidiu pedir Sabedoria, para bem guiar o povo a ele confiado. Sendo assim, se tornou o homem mais sábio de todos os tempos, capaz de tomar decisões perfeitas em ocasiões inesperadas.

     Eistein, Galilei, Copérnico, Newton, Da Vinci, tantos foram os sábios que delinearam a história da humanidade ao longo dos tempos, cada um na sua época. Alguns foram eternizados, como Eistein e Da Vinci. "De tempos em tempos, o Céu nos envia alguém que não é apenas humano, mas também divino, de modo que, através de seu espírito e da superioridade de sua inteligência, possamos atingir o Céu", disse Visari no século XVI. Leonardo Da Vinci é considerado por muitos o maior gênio da história. Nascido em 15 de abril de 1452, na localidade de Vinci, situado na margem direita do rio Arno, perto dos montes Albanos, entre Florença e Pisa, foi o mais importante contribuidor da Anatomia Moderna. Para se ter idéia do que Leonardo fazia para conhecer o corpo humano, se fosse feito nos dias de hoje a pessoa seria considerada maníaca, louca, desvairada... Dizem que ele roubava corpos humanos de necrotérios, à noite e, em meio aos maus odores da decomposição, dissecava-os para poder estudá-los. Graças a ele, os anatomistas de hoje sabem o que sabem e podem ajudar as pessoas, porque existiu um “louco” que rompeu as barreiras impostas pela sociedade e demais segmentos da época. Graças a alguém que não pensou somente em si, mas na humanidade como um todo, e nos benefícios que suas pesquisas (“loucuras”) poderiam trazer a todos.

     Por isso, a sabedoria não pode ser desprezada. O desejo por ela não pode ser deixado de lado, para se desejar coisas fúteis e por vezes desnecessárias. A sabedoria é o mais importante. Sem ela, os políticos “espertos” nos manipulam como se fossemos fantoches no palco “deles”. Sem ela não sabemos como nos comportar, agir, falar, se expressar... enfim, não sabemos nada.

     A sabedoria é divina. Somente um ser superior pode concedê-la, se esta for pedida de todo o coração e para ser utilizada da melhor forma, para o aperfeiçoamento e evolução social e espiritual de toda uma raça, neste caso, a humana. Os humanos são os únicos, de que se tem conhecimento, capazes de utilizar o raciocínio, capazes de pensar. O melhor que temos a fazer é aproveitar essa vantagem e aprimorar nosso conhecimento, exercendo o direito de “desconfiar”, sempre!

Diego Argenta,
do grupo de jovens da Catedral do Senhor Bom Jesus da Coluna, de Palmas – PR.
Endereço eletrônico: diego_argenta@hotmail.com

VOCÊ JÁ DUVIDOU DA EXISTÊNCIA DE DEUS?

Descartes Tenta Provar a Existência de Deus usando a Razão

     Dentre as questões que se ocupa a filosofia, a existência de Deus tem sido, durante séculos, uma incógnita que intrigou e continua a intrigar pensadores. Dentre os filósofos que se empenharam na tentativa de provar a existência de Deus, destacamos Descartes, pois suas reflexões puseram o sagrado ao alcance da razão. Sendo que durante muito tempo o conhecimento sobre Deus foi exclusivo da religião, cujo instrumento para o conhecimento é a fé.

     René Descartes, filósofo francês do século XVII, no livro Meditações, desenvolveu um método que julgou ser capaz de conhecer a verdade sem engano. Entendeu que somente a razão poderia trazer um conhecimento seguro. Até mesmo um conhecimento sobre Deus, poderia ser verdadeiro se ao invés da fé, fosse usada a razão.

     No livro, Descartes mostra que a experiência é enganosa e que tudo o que até aquele momento considerava verdadeiro, por ter usado a experiência para obter o conhecimento, era na verdade, enganoso, pois os sentidos o enganavam.

     Não querendo cometer novamente os mesmos erros que outrora, quanto usou a experiência para chegar à verdade, entendeu ser necessário se desvencilhar de todas as certezas que até então concebia como verdadeiras, dizendo a si mesmo: “o menor índice de dúvida que eu nelas encontrar será suficiente para impelir-me a repelir todas” (Descartes, Meditações).

     Descartes chega a uma conclusão: pode-se duvidar da existência do corpo, da exatidão dos sentidos, da existência de Deus, do mundo, dos outros seres e objetos, porém não se pode duvidar da ação de duvidar, ou seja, não se pode duvidar do fato de estarmos duvidando. Se estivermos duvidando, estaremos pensando. Diz Descartes: “o pensamento é um atributo que me pertence; somente ele não pode ser separado de mim” (Descartes, Meditações). A própria existência é confirmada através do pensamento. O que somos? Somos alguma coisa que pensa. O pensamento é a única pedra segura na qual se pode alicerçar um edifício. Essa reflexão leva a sua mais famosa frase – cogito ergo sum – penso logo existo. Somente por meio da razão se pode chegar a algo confiável.

     Descartes defende a existência de ideias inatas em nossa mente, como o cogito ergo sum, sendo percebido principalmente em relação a existência de Deus. Deus existe para Descartes por existir em nós a ideia de perfeição, quando não somos perfeitos; a ideia de infinito, quando somos finitos, etc. Não poderíamos ser os autores dessas ideias, uma vez que não existem em nós essas qualidades. Faz-se necessário que alguém tenha colocado essas ideias em nós. Ainda, se não sou o criador de mim mesmo, logo sou criado. Ser criado requer a existência de um criador, da mesma forma que ser imperfeito e finito requer a existência de algo perfeito e infinito. 

     Assim, Deus deixa de ser um objeto da fé e passa a ser um objeto da razão, podendo a filosofia compreender este fenômeno a partir do uso do seu mais forte instrumento, segundo Descartes, o pensamento. Dessa forma, o pensamento lógico pode formular uma hipótese da existência de Deus, sendo uma ideia atingida pelo exercício do pensamento e não apenas uma ideia fruto da crença mítica de explicações vazias, cujo fundamento se alicerça exclusivamente na tradição, dependente da fé ingênua, que não resiste ao questionamento. Na filosofia Deus pode ser discutido.

     Apesar da contribuição que Descartes fez ao pensamento filosófico, concernente a reflexão sobre a existência ou não de Deus, teóricos posteriores falaram que Descartes deu um tiro no próprio pé, pois definiu a razão como método e buscou mostrar como poderíamos chegar a ideia de Deus, usando a razão. O problema foi que sua reflexão gerou algumas contradições: Se o homem é finito, limitado, temporal... A razão, sendo humana, também é finita, limitada e temporal. Assim, a única ideia que podemos ter sobre Deus, necessariamente será finita, limitada e temporal, porém Deus, como propôs Descartes, é definido por qualidades que escapam a natureza humana como: eternidade, infinitude e ilimitado. E essa contradição só é resolvida com a crença de que as ideias contrárias a natureza humana tenham sido colocadas em nossa mente pelo próprio Deus. Caso não, a ideia de Deus também deve ser considerada humana, portanto, dependente da razão. Mas uma vez ficamos entre a razão e a fé.

     Nesse sentido, a filosofia pretenderá discutir a ideia de Deus usando a razão, por isso, Deus no racionalismo cartesiano não é um fenômeno em si, mas um produto da capacidade racional do homem. Dessa forma, o mesmo método negou a existência de Deus, pelo menos de um Deus autônomo. Por fim, podemos dizer que o Deus de Descartes depende de uma faculdade humana para existir, estando sob a razão. Será que só a fé liberta Deus? Será que a razão pode provar a existência de Deus? O uso da fé é a impossibilidade da discussão filosófica. O uso da razão é a possibilidade da discussão filosófica.

     O impacto dessa reflexão estende-se para o cotidiano. Quem de nós não fica intrigado com a forma como as respostas são frágeis. A existência de Deus é questionável, a fé é questionável, a razão é questionável, a ciência também é questionável. As pessoas agem, vivem e matam por Deus. Guerras surgem em nome de Deus, regras são criadas como se Deus as fizesse. É impossível deixarmos de lado a discussão sobre Deus, sendo assunto tão importante para a humanidade. Por isso filósofos como Descartes contribuíram com suas reflexões, buscando compreender de forma mais coerente esse fenômeno.

     O que Descartes fez foi tentar discutir esse fenômeno que intriga, filósofos, teólogos e de uma forma geral, todos nós. Buscando compreendê-lo com o pensamento lógico e não a partir da fé. A diferença está no fato de que a fé está submissa a imposição da tradição, da moral, portanto, sobre Deus, usando a fé, cabe tão somente aceitar as conclusões já construídas. Enquanto a razão permite discutir a existência de Deus, sua natureza, qualidades e atributos de forma mais aberta. E somente assim a filosofia pode contribuir com considerações sobre o intrigante mistério, Deus.

Ismael Ferreira,
por correio eletrônico.
Endereço eletrônico: ismael_psico@hotmail.comm

TEOLOGIA

Padre Joãozinho, scj on dezembro 6th, 2010
Encontro com a Comissão Teológica Internacional da qual foi presidente
CIDADE DO VATICANO, segunda-feira, 6 de dezembro de 2010 (ZENIT.org) – A teologia é uma questão de amor a Deus, explicou, na última sexta-feira, o Papa aos membros da Comissão Teológica Internacional. Bento XVI falou a antigos conhecidos, já que, como cardeal, foi presidente da instituição que depende da Congregação para a Doutrina da Fé.
Para o Papa, que dedicou sua vida à teologia, o teólogo é, antes de tudo, um amante de Deus.
A teologia é verdadeira somente a partir do encontro com o Cristo ressuscitado, porque “nenhum sistema teológico pode subsistir se não for permeado pelo amor”. De fato – afirmou o Santo Padre – “quem descobriu em Cristo o amor de Deus, infundido pelo Espírito Santo em nossos corações, deseja conhecer melhor Aquele por quem é amado e que ama”.
“Conhecimento e amor sustentam-se reciprocamente. Como afirmaram os Padres da Igreja, quem ama Deus é impelido a tornar-se, num certo sentido, teólogo, alguém que fala com Deus, que pensa sobre Deus e busca pensar com Deus.”
Ao mesmo tempo, prossegui: “o trabalho profissional do teólogo é para alguns uma vocação de grande responsabilidade perante Cristo e a Igreja. Poder estudar profissionalmente o próprio Deus e poder falar disso, ensinar o que se contemplou, como dizia São Tomás de Aquino, ‘é um grande privilégio”.
Analisando a etimologia da palavra “teo-logia”, o Papa afirmou: “na teologia tentamos, através do logos, comunicar o que ‘vimos e ouvimos’. Mas sabemos bem que a palavra ‘logos’ possui um significado muito maior, que compreende também o sentido de ‘ratio’, ‘razão’”.
Bento XVI prosseguiu afirmando que a reflexão teológica ajuda o “diálogo com os fiéis de outras religiões e também com os não fiéis”, graças à sua racionalidade. De fato, “podemos pensar em Deus e comunicar aquilo que pensamos porque Ele dotou-nos de uma razão em harmonia com a sua natureza”.
Em tudo isso, os teólogos – para que o seu método seja verdadeiramente científico, além de proceder de modo racional – devem ser fiéis à natureza da fé eclesial, “sempre em continuidade e em diálogo com os fiéis e os teólogos que vieram antes de nós”, porque “o teólogo jamais começa do zero”.
O Papa ressaltou “a unidade indispensável que deve reinar entre teólogos e pastores”: “não se pode ser teólogo na solidão: os teólogos precisam do ministério dos Pastores da Igreja, como o Magistério precisa de teólogos que façam plenamente o seu serviço, com toda a ascese que isso implica”.
“Cristo morreu por todos, embora nem todos o saibam ou o aceitem” – observou o pontífice. Essa fé “nos leva ao serviço aos outros em nome de Cristo; em outras palavras, o compromisso social dos cristãos deriva necessariamente da manifestação do amor divino”.
A Comissão, cuja função consiste em ajudar a Santa Sé e especialmente a Congregação para a Doutrina da Fé a examinar questões doutrinais de maior importância, nasceu quando Paulo VI acolheu a proposta da primeira assembléia ordinária do Sínodo dos Bispos, em 11 de abril de 1969.

ARISTÓTELES

Aristóteles:
a questão da sociabilidade natural do homem

     Aristóteles, no livro I da Política, afirma que o homem é um animal político (Zoôn politikón) por natureza. Para demonstrar a sustentabilidade de sua hipótese, o pensador grego nos apresenta uma consistente argumentativa. O ponto de partida é o indivíduo, que na visão do pensador grego, não sendo auto-suficiente, necessita do outro. Podemos viver de forma isolada, mas não por muito tempo. Principalmente na relação homem/mulher. Nesse sentido, os opostos são movidos pelo impulso natural de perpetuação da espécie, que na letra de Aristóteles (1997, p. 14) expressa o desejo “[...] no sentido de querer deixar depois de um indivíduo um outro ser da mesma espécie”. E assim se fundamenta a concepção de sociabilidade natural.

     O impulso natural de procriação, que faz unir os pares com a finalidade de conservar a espécie, origina a família. O aglomerado de várias famílias forma um povoado. O agrupamento de vários ou dos vários povoados com interesses comuns constitui o que no modelo aristotélico se denomina cidade (polis). Diante disso, pode-se inferir que a cidade é natural. Pois, conforme escreve Aristóteles (1997, p. 15), “[...] a natureza de uma coisa é o seu estágio final, [...], o que cada coisa é quando o seu crescimento se completa nós chamamos de natureza de cada coisa, quer falemos de um homem, de um cavalo ou de uma família”. Nesse sentido, a cidade tem uma existência natural, assim como as primeiras comunidades da suposta cadeia a que nos referimos. Se a natureza cada coisa consiste naquilo que chamamos de estágio final, o homem é um animal político por natureza.

     Entretanto, temos que observar a questão do movimento em Aristóteles. Excetuando o bem – que é ato puro – todas as coisas que existem seguem a mesma lógica; vão sempre da potência ao ato. Para que a potência se torne ato é necessário que haja algum tipo de movimento. Antes de criarem vínculos entre si cada qual é potencialmente um animal sociável. Nessa leitura, a efetivação da sociabilidade depende de certos movimentos; ou seja, que se vá da potencia ao ato.

     Poderíamos, então, diante disso afirmar que o homem do qual fala Aristóteles é potencialmente um ser social? Quem ousasse dizer que sim teria que se defrontar com outro problema, o filósofo fala em impulso natural e não em direito natural. Onde há impulso não há escolhas. Isso não significa que os indivíduos não possam escolher com que se associar e formar sua família. O que não podem é escolher não ter o referido impulso. Pois, trata-se de necessidade natural e não acidental. Portanto, esse parece não ser o caminho para argumentar contra a tese da sociabilidade natural do homem.

     Não obstante, devemos colocar a seguinte questão a Aristóteles: o impulso natural de preservação da espécie contém em si força suficiente para sustentar a sociabilidade natural do homem?

     Poderíamos também perquirir, o instinto natural de perpetuação não está presente em animais outras espécies? Refutar teses de um dos mais fortes pilares da filosofia de todos os tempos não é certamente uma tarefa fácil. Aristóteles, até onde pudemos perceber, responde a nossa questão argumentando que somente o homem tem o sentimento de bem e mal, justo e injusto. Ou seja, apenas seres providos de tais qualidades morais, somente o ser humano, conforme pensa Aristóteles (1997, p. 15), é capaz de constituir naturalmente família e cidade. Noutras palavras, só o homem é um animal social por natureza. Os outros animais estão fora desse plano; muito embora também sejam movidos pelo instinto de perpetuação da espécie. Neles não é possível identificar a noção de bem e mal, muito menos de justo e injusto. Essas coisas são características intrínsecas dos seres humanos.

Referências: ARISTÓTELES. Política. Tradução de Maria da Gama Kury. 3. ed. Brasília: Editora UnB, 1997.

Gerson Vasconcelos Luz,
Mestrando em Filosofia pela UNIOESTE –
Universidade Estadual do Oeste do Paraná.
Endereço eletrônico: vasconceluz@hotmail.com

O PORQUE DA FILOSOFIA

Filosofia: uma busca primordial

     Quantos de nós já nos inquietamos com a questão: Por que estudar filosofia?! Buscar uma resposta satisfatória a esta indagação é um desafio para a uma sociedade imediatista e consumista como a nossa, pois existe um descaso pelo pensar filosófico, mas via de regra a filosofia serve-se aos mais conscientes para encarar a realidade com inquietude e insatisfação, face aos desvios éticos, políticos, culturais a que estamos submetidos. No contexto hodierno é temerário atuar no mundo da sabedoria, questionando proposituras e posturas que expulsem o imediatismo e instaure a civilidade e a capacidade de conviver entre os saberes que questiona “o saber instituído”.

     O filósofo conforme já anunciava Pitágoras não é um “atleta intelectual”, o seu compromisso é com o desenvolvimento do pensamento reflexivo em vista dos diversos contextos para nos ajudar a compreender os múltiplos aspectos da realidade da vida humana, social, política, econômica, cultural, icônica, tecnológica, antropológica, só para citar alguns nichos... 

     Ser filósofo profissional na atual sociedade não serve para quem deseja ganhar altos salários, embora fosse um mérito, se acontecesse. Na verdade, todos os educadores que se dedicam ao ensino são pouco valorizados e respeitados, o que não ocorre entre os políticos e diversos profissionais liberais que são muito bem remunerados, mas nenhum deles conseguiu seu espaço sem o auxílio pedagógico de educadores.

    As instituições Particulares e algumas Estaduais no Ensino Médio imperam uma metodologia bancária focada no vestibular e não nas habilidades e competências que possibilitem aos educandos enfrentar as (in)certezas do momento presente. Com raras exceções, desde muito tempo a maioria das famílias vem “desistindo dos filhos”, pois ao matriculá-los numa escola pública ou particular “muitas vezes” se esquecem de educá-lo para os princípios fundamentais da convivência humana e isto é detectado no dia-a-dia escolar, vemos a incapacidade dos alunos de dialogar com respeito a si e aos outros, intolerância ao silêncio, inquietude eletrônica, uso do celular para torpedos dentro da sala de aula e ainda audição de músicas. Este procedimento coloca em xeque a prática pedagógica do educador que procura usar novas metodologias capazes de ajudar à formação humana, moral e cidadã do educando.

     Por estes fatos constatamos a falência da educação de base, muitos pais desistiram de seus filhos e os entregaram às instituições escolares se eximindo da cotidianidade, do acompanhamento formativo de princípios e valores. Realmente o que existe na sociedade brasileira é ainda uma educação que reforça as desigualdades sociais, classificando e excluindo. Existem muitas mudanças em processo na área educacional, mas não é possível vermos resultados imediatos, pois o professor vive parte de sua vida em ambiente de trabalho estressante, competitivo e muitas vezes a sua função primordial é desviada para os cuidados aos princípios educacionais que os pais ou responsáveis deixam de cumprir pela incapacidade de impor limites aos seus rebentos e educá-los para os princípios básicos da convivência entre os humanos: respeito, compreensão, polidez, doação, partilha.

     Para que haja uma nova perspectiva no Ensino Brasileiro há que se investir mais em Ensino Público de qualidade para todas as classes sociais dando o espaço adquirido por meio de lutas históricas para disciplinas humanistas como Filosofia, Sociologia e Psicologia. Nosso questionamento é o seguinte: Por que a Secretaria da Educação de São Paulo não cumpriu a Resolução de Nº. 04 de 16 de Agosto de 2006 do CNE, que tornaram os conteúdos de Filosofia e Sociologia obrigatórios em 2007 e que neste ano 2008 foram excluídos das 3ªs. séries do Ensino Médio da Rede Estadual? O que nós profissionais da educação formados em Filosofia e Sociologia não gostaríamos que acontecesse é a rendição do Governo as exigências de muitos colégios particulares que não querem contratar os profissionais que há mais de 40 anos estão excluídos do mercado de trabalho. 

     Infelizmente existe uma acomodação intelectual e deixamos de pensar de forma múltipla o contexto vital de nossa existência e é justamente aqui neste âmbito que se faz necessária a emergência do filosofar, pois a vida humana pede socorro e nós estamos insensíveis ao eco da vida que emana das diversas faces da realidade. Como sabemos pela história: é filosofia a mãe de todas as ciências e percebemos que muitas ciências parecem prescindirem da filosofia e por conta desta postura instaurar novas ditaduras no conhecimento, supervalorizando mais exatas e biológicas à letras, pensamento sistemático e raciocínio filosófico. Na vida real é assim: toda mãe aguarda a volta do rebento de seu ventre e para isso dá lugar à sua sapiência em busca de uma nova relação de amor pela sabedoria questionadora do real. Este processo poderá ampliar a capacidade do sujeito cognoscente que busca o desenvolvimento do espírito crítico em face da realidade superando a forma pacata de aceitação do real, buscando assim o exercício da autonomia por meio da consciência de que muitas situações reais poderiam ser diferentes se não houvesse conivência humana e que poderíamos ter agido de forma diversa da costumeira.

     Vamos instaurar a realidade do pensamento filosófico como caminho para a sabedoria, para isso deixemos os filósofos e sociólogos trabalharem na mensuração da realidade, todas as disciplinas ganharão mais eficácia na realidade concreta e principalmente no aspecto humano e social.


José Igídio dos Santos,
Licenciado em Filosofia,
Bacharel em Teologia, Professor Universitário na FAECA de
Monte Aprazível e no Ensino Médio na Rede Estadual.
Endereço eletrônico: jigidio@itelefonica.com.br

UM GRANDE FILÓSOFO: SANTO TOMÁS DE AQUINO

Tomás nasceu por volta de 1227 na cidadezinha de Aquino, na Campagna felice italiana, aos pés do famoso Mosteiro de Monte Cassino, sendo aparentado com imperadores e reis, inclusive o da França, São Luís IX.
Aos cinco anos foi enviado ao Mosteiro de Monte Cassino para estudar. "A serenidade de seu semblante, a inalterabilidade de seu temperamento, sua modéstia e suavidade eram marcas sensíveis de que Deus o havia precedido com suas primeiras graças" 1.
Muito reflexivo e recolhido, o menino passava longo tempo pensando. A um frade que lhe perguntou sobre o que pensava, respondeu com a pergunta que mostra suas cogitações infantis: "Que é Deus?". A essa questão ele responderá mais tarde, como ninguém o fez.
Aos 10 anos Tomás foi enviado para continuar seus estudos na Universidade de Nápoles. Seu primeiro biógrafo relata que "nas aulas o seu gênio começou a brilhar de tal forma, e a sua inteligência a revelar-se tão perspicaz, que repetia aos outros estudantes as lições dos mestres de maneira mais elevada, mais clara e mais profunda do que tinha ouvido" 2 .
Vitória contra a concupiscência
Foi em Nápoles, anos depois, que o adolescente Tomás travou relações com a Ordem Dominicana, fundada havia vinte anos, e que representava na época "a vanguarda doutrinadora e combativa da Igreja" 3. Quis nela ingressar, mas como era menor de idade, só foi recebido entre os filhos de São Domingos mais tarde, com o falecimento de seu pai, em dezembro de 1243.
Sua mãe, contudo, tinha outros planos para ele, e por isso mandou dois filhos, soldados do Imperador, atrás de Tomás, que escapara indo para Roma.
Preso Tomás numa torre do castelo, mãe e irmãos tudo fizeram para convencer o caçula a renunciar àquela aventura. Nada surtiu efeito. Os irmãos apelaram então para um estratagema infame: contrataram a mais bela das cortesãs da região, prometendo-lhe grossa quantia se conseguisse levar o jovem ao pecado. Sabiam que, se ele caísse na impureza, isso quebraria sua resistência.
Assim que a mulher infame entrou no quarto, Tomás, dando mostras de uma virtude heróica, pegou da lareira um pedaço de lenha em brasa e correu atrás dela, que fugiu como pôde. Em seguida, ainda cheio de indignação contra a cortesã e de amor para com Deus, desenhou na parede uma grande cruz, que osculou ternamente, implorando a Deus que nunca perdesse a integridade da pureza de alma e de corpo.
Tão bem tinha Tomás sua alma em suas mãos, que em pouco tempo voltou à inteira tranqüilidade, adormecendo. Viu então em sonho dois Anjos que lhe cingiram os rins com uma cintura de fogo. Ele confessará depois que, a partir desse momento, nunca mais sentiu os impulsos da concupiscência da carne. Era a recompensa que recebia por seu ato heróico de virtude.
Duas de suas irmãs, convertidas por ele, obtiveram-lhe as Sagradas Escrituras e livros de estudo, com o que ele continuou sua vida como se estivesse no convento. Enfim, segundo seus primeiros biógrafos, depois de quase dois anos de prisão, com a ajuda das irmãs conseguiu escapar, descido num cesto para os braços dos dominicanos, seus irmãos de hábito, que o aguardavam.
Santo Alberto Magno, 1352 — Modena (Itália) Esse grande Doutor da Igreja foi mestre de Santo Tomás
O encontro de dois gênios, dois santos
No ano seguinte Tomás fez sua profissão religiosa e foi enviado a Paris. Nesse famoso centro universitário brilhava então, pelo seu saber, o dominicano Alberto de Bollstädt, que passou para a posteridade como Santo Alberto Magno. Era tal a afluência dos que iam ouvi-lo, que era necessário transportar sua cátedra para uma praça pública, hoje ainda conhecida como Place Maubert (da contração de Magni Alberti).
"O encontro de Tomás de Aquino com Alberto Magno representa um fato de extraordinária transcendência na história da cultura. Talvez mesmo se possa dizer que são os dois colaboradores necessários à elaboração do mais vasto e consistente sistema filosófico de todas as épocas" 4.
De Paris, o discípulo Tomás acompanha o mestre, que ia organizar um centro de estudos teológicos da Ordem em Colônia, na Alemanha.
Frei Tomás: o "boi mudo"
Para evitar atrair a estima pública e os louvores que recebera em Nápoles por seu saber Tomás, fechou-se num mutismo mal interpretado pelos seus condiscípulos. Ademais, "um grande corpo, lento e pesado, e uma placidez um pouco bovina servem-lhe de espesso envoltório para uma alma benigna e generosa, mas retraída; ele é tímido para além da humildade, e distraído para além da contemplação" 5. Isso tudo leva a que o chamem de "boi mudo" ou "grande boi siciliano".
Sucedeu um dia que um condiscípulo, tomando a concentração de Tomás como sinal de que não entendera o que dissera o mestre, começou caridosamente a lhe explicar a matéria. Mas em determinado momento embaralha-se todo e não consegue ir adiante. Calmamente o"boi mudo" começou então a desenvolver a tese obscura, com muito mais clareza do que o fizera o próprio mestre. Os papéis então se inverteram, e o condiscípulo suplicou a Tomás que sempre o ajudasse em suas dúvidas. Daí para frente não foi mais possível esconder aquele talento superior e fabulosa memória.
Apreciando devidamente aquele tesouro, Santo Alberto profetizou:"Chamamos-lhe o boi mudo; mas um dia virá em que seus mugidos, a expor a doutrina, hão de ouvir-se no mundo inteiro".
Em Colônia, Tomás recebeu a ordenação sacerdotal e foi nomeado assistente de Santo Alberto Magno.
Em 1252 foi enviado a Paris para o doutorado, apesar de não ter ainda atingido 30 anos e a idade prescrita ser de 35. Na Cidade Luz, Tomás tornou-se muito popular, pois "a modéstia de seu porte, a sabedoria de seus discursos, sua doçura inalterável, a beleza natural de seus traços, o fundo de bondade que transpirava de toda sua pessoa comunicavam algo de celeste e de divino àqueles que conversavam com ele" 6.
"Talvez nunca mestre algum fosse mais apaixonadamente admirado e escutado do que Tomás de Aquino. O seu culto exclusivo da verdade comunica às palavras e às demonstrações uma segurança que dá aos jovens auditórios o supremo júbilo de tocar de perto, em brusco prodígio, a região excelsa das grandes certezas. Numa época cheia de vastas aspirações, de pesquisas no absoluto, as almas querem mais do que simples jogos dialéticos sobre conceitos abstratos. Querem palpar o real, ser introduzidas no âmago das questões, entrar na posse das altas evidências da razão e da Fé. Fé que ambiciona compreender. E Tomás de Aquino, sem lhes proibir os ardentes deslumbramentos da fé, leva-as à máxima compreensão dos mistérios e harmonias universais" 7.
Segundo a tradição, São Boaventura — o grande mestre e santo franciscano — e São Tomás receberam o doutorado no mesmo dia, na Universidade de Paris8.
O Mosteiro de Monte Cassino, onde Tomás estudou até 10 anos de idade
União entre o Rei santo e o Doutor santo
A fama de Santo Tomás tornou-se universal, e todos queriam ouvi-lo. São Luís IX — o Rei Cruzado — o consultava sobre todos os assuntos importantes. Certo dia em que o convidou para sua mesa, o frade estava muito silencioso. De repente, dando um murro na mesa, Tomás exclamou: "Encontrei um argumento concludente contra os maniqueus". O rei, temendo que Tomás pudesse esquecer-se do argumento, chamou depressa seu secretário para anotá-lo. "Edificante quadro medieval, bem demonstrativo da perfeita unidade que liga, nesse período nobilíssimo da História, os Reis e os Sábios, nos mesmos ideais da conquista da verdade e do serviço de Deus!" 9.
O próprio Céu ratificava o acerto do grande teólogo. Estando em Nápoles aos pés de um Crucifixo, pedindo a Deus que o certificasse de que o que havia escrito sobre a Eucaristia fora do agrado divino, entrou em êxtase à vista de outros, levantou-se acima do solo, e ouviu do Crucificado estas palavras: "Escreveste bem sobre mim, Tomás. Que recompensa desejas?". O humilde frade respondeu cheio de amor: "Nada senão Vós, Senhor".
Sua sabedoria e sua ciência provinham da pureza e santidade de vida. Pouco antes de morrer, confessou a Frei Reinaldo, seu secretário, que Deus o havia preservado de todo pecado que destrói a caridade na alma. Além disso, "nunca se dava ao estudo ou à composição antes de haver, pela oração, tornado Deus propício a si; e confessava com candura que tudo que sabia devia-o menos ao seu estudo e ao seu próprio trabalho do que à iluminação divina" 10.
Seus escritos geniais: "palha"...
Entretanto, após uma visão que teve enquanto celebrava a Missa na capela de São Nicolau, em dezembro de 1273, não mais voltou a escrever. E àqueles que insistiram com ele para que terminasse sua obra, respondeu: "Não posso. Tudo quanto escrevi parece-me unicamente palha". É que, naquela visão, foram-lhe revelados mistérios e verdades tão altos, que tudo o mais lhe pareceu sem valor.
Ao receber os últimos Sacramentos no leito de morte, em 1274, com menos de 50 anos de idade, afirmou diante da Hóstia consagrada: "Eu espero nunca ter ensinado nenhuma verdade que não tenha aprendido de Vós. Se, por ignorância, fiz o contrário, eu revogo tudo e submeto todos meus escritos ao julgamento da Santa Igreja Romana" 11. A posteridade o conheceria como o "Doutor Angélico".
Glorificação do tomismo pelo Magistério eclesiástico
Sobre o tema em epígrafe, parece-nos oportuno transcrever alguns tópicos da obra Introduzione a San Tommaso — La metafisica tomista e il pensiero moderno, de autoria do Pe. Cornélio Fabro, falecido em 1995 e considerado um dos maiores comentadores contemporâneos do Doutor Angélico. Tais excertos referem-se a documentos de dois Papas que de modo frisante apoiaram a filosofia de Santo Tomás: Leão XIII e São Pio X.
"A penetração do tomismo no pensamento e na atividade doutrinária da Igreja teve o seu início oficial com a canonização do Angélico por João XXII, em 1323, e foi sempre se consolidando mais, malgrado as oposições, até obter um prestígio sem igual durante o Concílio Tridentino. Mas somente nos tempos modernos a Igreja tem declarado Santo Tomás de Aquino o seu próprio Doutor oficial" ....
"Leão XIII pode ser considerado o verdadeiro iniciador do movimento, com a Carta Encíclica Aeterni Patris de 4 de agosto de 1879" (*) ....
"A obra de Leão XIII a favor de Santo Tomás pode se resumir em dois pontos: 1) Santo Tomás é declarado o único Mestre oficial das escolas católicas de toda espécie; 2) o objeto principal da declaração é a retomada da filosofia tomista.
"O seu sucessor [São Pio X] — o qual, quando Bispo de Mântua, já ensinava no seu seminário a Summa contra Gentiles — continuou no sulco aberto renovando as prescrições leoninas e aguçando-as, em cada ocasião, com particular vigor. Destacamos os principais pronunciamentos.
"Apenas elevado ao sólio pontifício, no dia 23 de janeiro de 1904, o santo Pontífice dirigia à Pontifícia Academia Romana de Santo Tomás um Breve especial, no qual resumia e confirmava os atos solenes de Leão XIII, insistindo que o objetivo da Academia era "explicare, tueri, propagare doctrinam, præsertim de philosophia Angelici Doctoris" (Ensinar, sustentar e propagar a doutrina, especialmente a filosofia do Doutor Angélico).
"Não pode haver nenhum tipo de dúvida a respeito da natureza da deliberação do santo Pontífice: deve-se seguir Santo Tomás como mestre na filosofia e na teologia, porque ‘afastar-se de Santo Tomás num só ponto, especialmente nas coisas da metafísica, não ocorreria sem grave dano’. Quanto ao "conteúdo" deste retorno ao tomismo, Pio X mencionou sobretudo ‘aquilo que na sua filosofia constitui os princípios e as teses de maior importância’ (principia et pronuntiata maiora).
"Para tornar mais preciso este ponto, que podia suscitar embaraço — a apenas um mês da morte do santo Pontífice — a Sagrada Congregação para os Estudos providenciou a publicação, com a assinatura do Prefeito, Cardeal Lorenzelli, de um elenco de 24 teses e proposições que a ela tinham submetido alguns professores, para ter uma garantia de um tomismo seguro: Aprovação de algumas teses contidas na doutrina de Santo Tomás de Aquino e propostas pelos mestres de filosofia". ....
"O ato mais solene do santo Pontífice a favor do tomismo é sem dúvida o Motu Proprio Doctoris Angelici de 29 de junho de 1914, quase na vigília da sua morte. Nele o Sumo Pontífice, de início, recordava a encíclica de 1º de setembro de 1910,Sacrorum antistitum, na qual afirmava com autoridade ao episcopado católico o significado preciso do retorno a Santo Tomás, e lamentava-se deplorando o fato de que alguns tivessem entendido o præcipue da Encíclica Pascendi no sentido de "não unicamente", quase como se fosse permitido, ao mesmo tempo, seguir os outros doutores escolásticos em algum ponto de filosofia, embora estivesse em contradição com o tomismo" ....
"Sublinhava a eficácia do tomismo contra os erros modernos:‘Tanto mais pelo fato de que, se a verdade católica fosse privada do válido auxílio que estes princípios lhe emprestam para defendê-la, procurar-se-á em vão algum elemento na filosofia que condivide, ou pelo menos não repele, os princípios errôneos sobre os quais se apóiam o materialismo, o monismo, o panteísmo, o socialismo e as diversas espécies de modernismo. Os pontos mais importantes da filosofia de Santo Tomás não devem ser considerados à maneira de opiniões, discutíveis sob qualquer aspecto, mas antes bem como fundamentos sobre os quais se baseia toda a ciência do natural e do divino; caso se recusem ou, de qualquer modo que seja, se corrompam tais pontos capitais, seguir-se-á necessariamente que aqueles que estudam as ciências sacras não poderão nem sequer entender o sentido das palavras com as quais o Magistério da Igreja expõe os dogmas revelados por Deus'.
"Esta última é uma admonição de particular importância metodológica. Portanto, concluía como que aflito o santo Pontífice: `Nós queremos admoestar todos aqueles que se ocupam do ensino da filosofia e da teologia que, caso se afastem do Aquinate ainda que num pequeno ponto (si ullum vestigium), especialmente em metafísica, isso não ocorrerá sem grande prejuízo'.
"Uma outra novidade do insigne documento é a injunção para que nas Universidades, Faculdades e outros Institutos Superiores, públicos ou pertencentes a ordens religiosas, que tenham recebido o poder de conferir títulos acadêmicos (em teologia), seja adotada como texto oficial a Summa Teologicade Santo Tomás. Sobre isto o santo Pontífice recordava o dito de João XXII, que em 1323 tinha canonizado em Avignon o ‘bom frei Tomás’: ‘Ipse (Thomas) plus illuminavit Ecclesiam, quam omnes alii doctores: in cuius libris plus proficit homo uno anno, quam in aliorum doctrina toto tempore vitæ suæ’. (Ele ilustrou mais a Igreja do que todos os outros doutores: em seus livros, um homem tira mais proveito num ano do que na doutrina dos outros durante toda a vida).
(*) Nota da redação
Apresentamos a seguir significativos excertos dos parágrafos 24, 25 e 29 da famosa encíclica de Leão XIII:
"Entre todos os Doutores escolásticos, brilha, com um brilho sem igual, o seu príncipe e mestre de todos, Tomás de Aquino, que, como observa Caietano, `por haver profundamente venerado os Santos Doutores que o precederam, herdou de alguma sorte a inteligência de todos'. Tomás reuniu as doutrinas deles como os membros dispersos de um corpo, reuniu-as, classificou-as numa ordem admirável, e enriqueceu-as de tal sorte que ele próprio é, com justa razão, considerado como o defensor especial e a honra da Igreja" (§ 24).
"O Santo Doutor chegou ao duplo resultado de repelir por si só todos os erros dos tempos anteriores, e de fornecer armas invencíveis para dissipar os que não deixarão de surgir no futuro (§ 25).
"Porém, a maior honra tributada a Santo Tomás, só a ele reservada, e que não compartilhou com nenhum dos Doutores católicos, veio-lhe dos Padres do Concílio de Trento: quiseram eles que, no meio da santa assembléia, com o livro das divinas Escrituras e dos decretos dos Pontífices supremos, no próprio altar fosse depositada, aberta, a Summa de Tomás de Aquino, para que nela se pudessem haurir conselhos, razões e oráculos" (§ 29).
Acta Sanctæ Sedis, XXXVII (1904), p. 654; cfr J.-I. Berthier,Sanctus Thomas Aquinas "Doctor communis" Ecclesiæ, Roma, 1914, p. 272.
Pe. Cornélio Fabro, Introduzione a San Tommaso — La metafisica tomista e il pensiero moderno, Edizioni Ares, 1997, Milão, pp. 123, 130, 133, 134 e 135.
Notas:
1.Rev. Alban Butler,The Lives of the Fathers, Martyrs and Other
Principal Saints, D.& J.Sadlier & Company, 1864, Vol. I, Internet, Site www.ewtn.com.
2.Guilhermo de Tocco, Vita, Cap. VI, apud João Ameal, São Tomás de Aquino, Livraria Tavares Martins, Porto, 1941, 2a. edição, p. 17.
3.João Ameal, op. cit., p. 18.
4.João Ameal, op. cit., p. 49.
5.G.K.Chesterton, Saint Thomas d'Aquin, versão francesa de Maximilien Vox, Librairie Plon, Paris, p. 20.
6.Les Pettits Bollandistes, Vies des Saints, d'après le Père Giry, Bloud et Barral, Libraires-Éditeurs, Paris, 1882, vol. III, p. 244.
7.João Ameal, op. cit., p. 107.
8.Cfr. The Catholic Encyclopedia, Vol. XIV, by Robert Appleton Company, 1912, Online Edition Copyright © 1999 by Kevin Knight.
9.João Ameal, op. cit., p. 115.
10.Aeterni Patris, § 40.
11.Rev. Alban Butler, Online Edition.
Artigo oferecido pela Revista Catolicismo

INFORMAÇÕES DO TCE - MUNICÍPIO DE PENTECOSTE

PARA OS QUE GOSTAM DE FICAR INFORMADOS E SABER DE DADOS VERDADEIROS, DISPONHAM LEIA TUDO E SE INFORME. ESSES SÃO DADOS OFICIAIS. NÃO ES...