sexta-feira, 8 de julho de 2011

AMANDA GURGEL REJEITA PRÊMIO


Por que não aceitei o prêmio do PNBE


Oi,

Nesta segunda, o Pensamento Nacional de Bases Empresariais (PNBE) vai entregar o prêmio “Brasileiros de Valor 2011″. O júri me escolheu, mas, depois de analisar um pouco, decidi recusar o prêmio.


Mandei essa carta aí embaixo para a organização, agradecendo e expondo os motivos pelos quais não iria receber a premiação. Minha luta é outra.


Espero que a carta sirva para debatermos a privatização do ensino e o papel de organizações e campanhas que se dizem “amigas da escola”.

Amanda


Natal, 02 de julho de 2011

Prezado júri do 19º Prêmio PNBE,

Recebi comunicado notificando que este júri decidiu conferir-me o prêmio de 2011 na categoria Educador de Valor, “pela relevante posição a favor da dignidade humana e o amor a educação”. A premiação é importante reconhecimento do movimento reivindicativo dos professores, de seu papel central no processo educativo e na vida de nosso país. A dramática situação na qual se encontra hoje a escola brasileira tem acarretado uma inédita desvalorização do trabalho docente. Os salários aviltantes, as péssimas condições de trabalho, as absurdas exigências por parte das secretarias e do Ministério da Educação fazem com que seja cada vez maior o número de professores talentosos que após um curto e angustiante período de exercício da docência exonera-se em busca de melhores condições de vida e trabalho.


Embora exista desde 1994 esta é a primeira vez que esse prêmio é destinado a uma professora comprometida com o movimento reivindicativo de sua categoria. Evidenciando suas prioridades, esse mesmo prêmio foi antes de mim destinado à Fundação Bradesco, à Fundação Victor Civita (editora Abril), ao Canal Futura (mantido pela Rede Globo) e a empresários da educação. Em categorias diferentes também foram agraciadas com ele corporações como Banco Itaú, Embraer, Natura Cosméticos, McDonald’s, Brasil Telecon e Casas Bahia, bem como a políticos tradicionais como Fernando Henrique Cardoso, Pedro Simon, Gabriel Chalita e Marina Silva.


A minha luta é muito diferente dessas instituições, empresas e personalidades. Minha luta é igual a de milhares de professores da rede pública. É um combate pelo ensino público, gratuito e de qualidade, pela valorização do trabalho docente e para que 10% do Produto Interno Bruto seja destinado imediatamente para a educação. Os pressupostos dessa luta são diametralmente diferentes daqueles que norteiam o PNBE. Entidade empresarial fundada no final da década de 1980, esta manteve sempre seu compromisso com a economia de mercado. Assim como o movimento dos professores sou contrária à mercantilização do ensino e ao modelo empreendedorista defendido pelo PNBE. A educação não é uma mercadoria, mas um direito inalienável de todo ser humano. Ela não é uma atividade que possa ser gerenciada por meio de um modelo empresarial, mas um bem público que deve ser administrado de modo eficiente e sem perder de vista sua finalidade.


Oponho-me à privatização da educação, às parcerias empresa-escola e às chamadas “organizações da sociedade civil de interesse público” (Oscips), utilizadas para desobrigar o Estado de seu dever para com o ensino público. Defendo que 10% do PIB seja destinado exclusivamente para instituições educacionais estatais e gratuitas. Não quero que nenhum centavo seja dirigido para organizações que se autodenominam amigas ou parceiras da escola, mas que encaram estas apenas como uma oportunidade de marketing ou, simplesmente, de negócios e desoneração fiscal.


Por essa razão, não posso aceitar esse Prêmio. Aceitá-lo significaria renunciar a tudo por que tenho lutado desde 2001, quando ingressei em uma Universidade pública, que era gradativamente privatizada, muito embora somente dez anos depois, por força da internet, a minha voz tenha sido ouvida, ecoando a voz de milhões de trabalhadores e estudantes do Brasil inteiro que hoje compartilham comigo suas angústias históricas. Prefiro, então, recusá-lo e ficar com meus ideais, ao lado de meus companheiros e longe dos empresários da educação.


Saudações,
Professora Amanda Gurgel


quinta-feira, 7 de julho de 2011

Ola!!

Como podemos perceber o tempo não pára. Mais um ministro caiu. E agora, o que podemos esperar? Ora é aguardar para ver mais um escândalo e mais gente safada indo para cadeia e saindo dela. Eita país de gente imoral.
Já pensou se nós tivéssemos mais gente decente nesse país, como viveríamos bem melhor. Um país com tantas riquezas naturais. Por onde andarmos nesse país iremos encontrar belezas que só existem aqui. Deus caprichou conosco. Deu maior quantidade de recursos naturais, os melhores mares, as melhores floretas... Temos tudo. Porém, não temos a felicidade de dizermos que somos o povo mais feliz do mundo. Ainda temos milhares de pobres, analfabetos, sem moradia, sem saúde, saneamento básico..., Isso ainda envergonha a nossa história. Mas isso poderia ser bem diferente se tivéssemos pessoas comprometidas com a verdade, com o bem-estar de nosso povo. Entretanto, temos um bando de canalha de se aproveita da ignorância de um povo que de tão bom se torna tolo e manipulado pelos canalhas que se dizem representar o povo. Digo isso baseado no que acontece todos os dias nas páginas dos jornais e noticiários da TV. 
Está faltando vergonha na classe política, coisa que nunca tiveram, mas agora estão cada vez mais descarados. O povo abobalhado acompanha perplexo e desenrolar dos acontecimentos. Parecem não acreditar no que vêem. Todos os dia dias uma enxurrada de gente cretina desviando dinheiro público para contas particulares, o que poderia servir pra amenizar os problemas sociais de toda ordem e ainda  melhorar a vida de muita gente.  
Oxalá um dia possamos ter a oportunidade dizer: esse é o Brasil que sonhei para mim e para os meus filhos.
Será que teremos o prazer de dizer isso algum dia?
Você acredita nesse sonho?
Eu acredito. Porém, esse sonho depende de nossas atitudes, de como encaramos essa catástrofe. Não veremos nada acontecer se só ficarmos lamentando sem tomar nenhuma atitude. 
Temos que encarar a doença desse país, que é doença chamada corrupção, bandidagem, safadeza. Só tem um jeito de mudar: quando eu você tomarmos a decisão de não compactuar com essa infâmia que a maioria considera como normal. Não é normal. Não podemos aceitar essa paralisia que anestesia as mentes  e os tornam prisioneiros de uma realidade que aos poucos vai matando os sonhos, a certeza de dias melhores. É preciso combater o mal. Lembre-se, o mal pode ser forte, mais uma centelha do bem aniquila o mal como um furação destrói uma cidade. Ninguem diante diante da verdade e da justiça pode ficar muito tempo de pé  e impune ao castigo, ou dos homens ou de Deus.   
O mundo espera por você. Não se esquive do seu papel de transformar. Faça a sua parte. Ela é a medida que falta para completar a porção que falta para a receita dar certo.

Pense nisso

Professor Valdeni Cruz         

DEUS NOS DÁ NOZES, MAS, NÃO AS QUEBRAM


O Senhor é meu Pastor, nada me faltará. Salmos 23:1
Tem muita gente esperando o bolo pronto. Gente que espera mais do que um milagre querem que o anjos virem contadores e resolvam a sua contabilidade pessoal que não fecha.
Gastam mais do o que ganham e vivem endividados.
Querem que os anjos virem médicos e curem aquela cirrose de anos de muito álcool ou um enfisema de anos  de tabaco.
As doenças crônicas de anos de má alimentação, as doenças nervosas de falta de amor próprio.
O milagre está ai todos os dias, a disposição de quem quer mudar:
É o sol que propicia o trabalho, a chuva que promove o arado, o mar que trás o cardume, o rio que se enche de peixe, a tecnologia que cria empregos, a própria vida que se renova, e diz de forma clara e concisa: Deus dá tudo o que você precisa!
É tempo de motivação, de acreditar mais um você.
Usar a energia da alma e do coração.
Tempo de pegar as nozes e quebrá-las.
Com os frutos fazer doces, bolos sorvetes.
Tantas possibilidades para o milagre se estabelecer, para sentir Deus.
Aprenda então: Deus não se encontra na lamentação, nem se acha com reclamação.
Deus se encontra no trabalho, no suor do rosto, daquele que se entrega ao bem, que não tem tempo para falar mal de ninguém.
Gente que descobre de verdade, que ele mesmo, é um verdadeiro milagre.
Pense nisso.          

ABRAÇO ETERNO - UMA CANÇÃO BELÍSSIMA


Amor tão grande, Amor tão forte, Amor suave, Amor sem fim.
Que a própria morte, transforma em vida
Abraço Eterno de Deus em mim,em mim

Nem as torrentes, das grandes águas conseguirão apagar esse amor
Pois suas chamas são fogo ardente, mais do que a morte, é tão forte esse amor.

Nem as torrentes, das grandes águas conseguirão apagar esse amor
Pois suas chamas são fogo ardente, mais do que a morte, é tão forte esse amor.

De abraço esmagante, de ausência torturante.
De noite e luz é feito esse amor!

De dor incomparável, consolo inestimável.
De vida e cruz é feito esse amor.

Nem as correntes, das grandes águas conseguirão apagar esse amor
Pois suas chamas são fogo ardente, mais do que a morte, é tão forte esse amor.

Nem as correntes, das grandes águas conseguirão apagar esse amor
Pois suas chamas são fogo ardente, mais do que a morte, é tão forte esse amor.

De abraço esmagante, de ausência torturante.
De noite e luz é feito esse amor!

De dor incomparável, consolo inestimável.
De vida e cruz é feito esse amor.

Nem as torrentes, das grandes águas conseguirão apagar esse amor
Pois suas chamas são fogo ardente, mais do que a morte, é tão forte esse amor.

Nem as torrentes, das grandes águas conseguirão apagar esse amor
Pois suas chamas são fogo ardente, mais do que a morte, é tão forte esse amor.

Esse amor ninguém pode apagar!
Esse amor ninguém poderá deter!



COMUNIDADE CATÓLICA SHALOM

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Nascimento não resiste a denúncias e deixa ministério

BRASÍLIA (Reuters) - Alfredo Nascimento não resistiu às denúncias envolvendo o Ministério dos Transportes e deixou o cargo nesta quarta-feira, tornando-se o segundo ministro a deixar o governo em pouco mais de seis meses de mandato da presidente Dilma Rousseff.
Nota do Ministério dos Transportes afirma que Nascimento pediu demissão em "caráter irrevogável".
"Nascimento também decidiu encaminhar requerimento à Procuradoria-Geral da República pedindo a abertura de investigação e autorizando a quebra dos seus sigilos bancário e fiscal", diz a nota.
Nascimento virou alvo depois que reportagem da revista Veja desta semana apontou que dois assessores diretos do ministro, o diretor-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) e o diretor-presidente da Valec, participariam de um esquema de propinas em obras federais do ministério.
De acordo com a denúncia, o secretário-geral do PR, deputado Valdemar Costa Neto (SP), seria o responsável pelo esquema. Nesta quarta, Nascimento teve de se defender de mais uma denúncia, desta vez sobre o patrimônio de seu filho Gustavo Morais Pereira, que teria crescido milhares de vezes em dois anos, segundo publicou o jornal O Globo.
Eleito senador pelo Amazonas em 2006, o agora ex-ministro retoma sua cadeira no Senado Federal no lugar do suplente João Pedro (PT-AM).
Antes de assumir o Ministério dos Transportes no governo Dilma, Nascimento já comandara a pasta nos dois mandatos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
Em todas as vezes que deixou o cargo anteriormente --para concorrer ao Senado em 2006 e ao governo do Amazonas no ano passado-- Nascimento deu lugar ao secretário-executivo da pasta Paulo Sérgio Passos, um técnico de carreira do ministério filiado ao PR que toca, no dia-a-dia, a parte operacional da pasta. Passos é um dos nomes cotados para assumir o ministério.
(Reportagem de Hugo Bachega e Leonardo Goy)

CHOMSKY E AS 10 ESTRATÉGIAS DE MANIPULAÇÃO MIDIÁTICA

O lingüista estadunidense Noam Chomsky elaborou a lista das “10 estratégias de manipulação” através da mídia:
Noam Chomsky
1- A ESTRATÉGIA DA DISTRAÇÃO
O elemento primordial do controle social é a estratégia da distração que consiste em desviar a atenção do público dos problemas importantes e das mudanças decididas pelas elites políticas e econômicas, mediante a técnica do dilúvio ou inundações de contínuas distrações e de informações insignificantes. A estratégia da distração é igualmente indispensável para impedir ao público de interessar-se pelos conhecimentos essenciais, na área da ciência, da economia, da psicologia, da neurobiologia e da cibernética. “Manter a atenção do público distraída, longe dos verdadeiros problemas sociais, cativada por temas sem importância real. Manter o público ocupado, ocupado, ocupado, sem nenhum tempo para pensar; de volta à granja como os outros animais (citação do texto ‘Armas silenciosas para guerras tranqüilas’)”.
2- CRIAR PROBLEMAS, DEPOIS OFERECER SOLUÇÕES
Este método também é chamado “problema-reação-solução”. Cria-se um problema, uma “situação” prevista para causar certa reação no público, a fim de que este seja o mandante das medidas que se deseja fazer aceitar. Por exemplo: deixar que se desenvolva ou se intensifique a violência urbana, ou organizar atentados sangrentos, a fim de que o público seja o mandante de leis de segurança e políticas em prejuízo da liberdade. Ou também: criar uma crise econômica para fazer aceitar como um mal necessário o retrocesso dos direitos sociais e o desmantelamento dos serviços públicos.
3- A ESTRATÉGIA DA GRADAÇÃO
Para fazer com que se aceite uma medida inaceitável, basta aplicá-la gradativamente, a conta-gotas, por anos consecutivos. É dessa maneira que condições socioeconômicas radicalmente novas (neoliberalismo) foram impostas durante as décadas de 1980 e 1990: Estado mínimo, privatizações, precariedade, flexibilidade, desemprego em massa, salários que já não asseguram ingressos decentes, tantas mudanças que haveriam provocado uma revolução se tivessem sido aplicadas de uma só vez.
4- A ESTRATÉGIA DO DEFERIDO
Outra maneira de se fazer aceitar uma decisão impopular é a de apresentá-la como sendo “dolorosa e necessária”, obtendo a aceitação pública, no momento, para uma aplicação futura. É mais fácil aceitar um sacrifício futuro do que um sacrifício imediato. Primeiro, porque o esforço não é empregado imediatamente. Em seguida, porque o público, a massa, tem sempre a tendência a esperar ingenuamente que “tudo irá melhorar amanhã” e que o sacrifício exigido poderá ser evitado. Isto dá mais tempo ao público para acostumar-se com a idéia de mudança e de aceitá-la com resignação quando chegue o momento.
5- DIRIGIR-SE AO PÚBLICO COMO CRIANÇAS DE BAIXA IDADE
A maioria da publicidade dirigida ao grande público utiliza discurso, argumentos, personagens e entonação particularmente infantis, muitas vezes próximos à debilidade, como se o espectador fosse um menino de baixa idade ou um deficiente mental. Quanto mais se intente buscar enganar ao espectador, mais se tende a adotar um tom infantilizante. Por quê?“Se você se dirige a uma pessoa como se ela tivesse a idade de 12 anos ou menos, então, em razão da sugestionabilidade, ela tenderá, com certa probabilidade, a uma resposta ou reação também desprovida de um sentido crítico como a de uma pessoa de 12 anos ou menos de idade (ver “Armas silenciosas para guerras tranqüilas”)”.
6- UTILIZAR O ASPECTO EMOCIONAL MUITO MAIS DO QUE A REFLEXÃO
Fazer uso do aspecto emocional é uma técnica clássica para causar um curto circuito na análise racional, e por fim ao sentido critico dos indivíduos. Além do mais, a utilização do registro emocional permite abrir a porta de acesso ao inconsciente para implantar ou enxertar idéias, desejos, medos e temores, compulsões, ou induzir comportamentos…
7- MANTER O PÚBLICO NA IGNORÂNCIA E NA MEDIOCRIDADE
Fazer com que o público seja incapaz de compreender as tecnologias e os métodos utilizados para seu controle e sua escravidão. “A qualidade da educação dada às classes sociais inferiores deve ser a mais pobre e medíocre possível, de forma que a distância da ignorância que paira entre as classes inferiores às classes sociais superiores seja e permaneça impossíveis para o alcance das classes inferiores (ver ‘Armas silenciosas para guerras tranqüilas’)”.
8- ESTIMULAR O PÚBLICO A SER COMPLACENTE NA MEDIOCRIDADE
Promover ao público a achar que é moda o fato de ser estúpido, vulgar e inculto…
9- REFORÇAR A REVOLTA PELA AUTOCULPABILIDADE
Fazer o indivíduo acreditar que é somente ele o culpado pela sua própria desgraça, por causa da insuficiência de sua inteligência, de suas capacidades, ou de seus esforços. Assim, ao invés de rebelar-se contra o sistema econômico, o individuo se auto-desvalida e culpa-se, o que gera um estado depressivo do qual um dos seus efeitos é a inibição da sua ação. E, sem ação, não há revolução!
10- CONHECER MELHOR OS INDIVÍDUOS DO QUE ELES MESMOS SE CONHECEM
No transcorrer dos últimos 50 anos, os avanços acelerados da ciência têm gerado crescente brecha entre os conhecimentos do público e aquelas possuídas e utilizadas pelas elites dominantes. Graças à biologia, à neurobiologia e à psicologia aplicada, o “sistema” tem desfrutado de um conhecimento avançado do ser humano, tanto de forma física como psicologicamente. O sistema tem conseguido conhecer melhor o indivíduo comum do que ele mesmo conhece a si mesmo. Isto significa que, na maioria dos casos, o sistema exerce um controle maior e um grande poder sobre os indivíduos do que os indivíduos a si mesmos.
Fonte: Instituto João Gourlart – http://www.institutojoaogoulart.org.br/

VIVER É APRENDER A VIVER

Cada dia que vivemos aprendemos uma nova lição.

À noite, quando vamos dormir, não somos os mesmos que éramos pela manhã. Não se trata apenas do tempo que passa e da idade que aumenta. Trata-se de sutis transformações que, sem percebermos, vão modificando nosso jeito de encarar as coisas. Por isso, precisamos estar atentos para aprender. Nisto consiste a sabedoria: em aprender com a vida, todo dia. Sábio é o que aprende, como disse o nosso grande escritor Guimarães Rosa: "Mestre não é quem sempre ensina, mas quem de repente aprende." . Fechados em nosso orgulho, resistimos à idéia de que temos muito que aprender. E à medida que ficamos mais velhos, mais auto-suficientes nos consideramos, pois existe a crença de que a sabedoria vem com a idade. Ora, isso é um engano. Com o tempo não ficamos sábios, ficamos velhos. A sabedoria só vem se estivermos atentos às experiências pelas quais passamos e delas retirarmos alguma lição. Experiência não é aquilo que acontece a alguém, mas aquilo que alguém faz com o que lhe acontece. Devemos conservar uma certa atitude diante da vida — uma atitude de curiosidade e humildade. Só aprende quem confessa não saber. Para sair da ignorância, primeiro precisamos admitir que somos ignorantes, isto é, que não sabemos tudo, que não temos todas as respostas. Aquele que se fecha em si mesmo e fica impermeável ao exterior, nada aprende, não diminui sua ignorância. A curiosidade é necessária porque ela nos faz procurar saber o porquê das coisas, nos faz indagar sobre as conseqüências dos atos humanos, nos estimula a comparar as atitudes das pessoas, permitindo-nos aprender por intermédio da observação e ensinando-nos a evitar o que possa nos prejudicar. Todos podem aprender com os próprios erros. Mas a sabedoria nos ensina a aprender com os erros alheios, o que nos causa menos sofrimento.Mas aprender a viver também implica ter humildade, uma das qualidades mais em falta hoje em dia. Ser humilde parece que ficou fora de moda. Ninguém mais confessa não saber alguma coisa. Como se fôssemos obrigados a ter todas as respostas, a ter uma opinião formada e assentada sobre qualquer assunto... E essa ânsia de querer se mostrar um sabe-tudo faz muita gente se fechar em si mesma e a ser ainda mais ignorante. Os pais e professores deveriam ensinar às crianças que não é vergonhoso não saber. Deveriam estimular as perguntas, pois é perguntando que se aprende. Como diz um ditado chinês: "Aquele que pergunta, pode parecer um tolo por cinco minutos. Aquele que deixa de perguntar, será de fato um tolo para o resto da vida." Por isso, devemos aguçar a curiosidade das crianças e ensinar-lhes a procurar as respostas. Só quem pensa é capaz de perguntar. Que elas levem pela vida afora essa curiosidade intelectual que só faz bem. Viver uma vida significativa é não cair na mesmice e na rotina sufocantes. É estar aberto ao que o amanhã pode trazer, é saber que a vida é um constante aprendizado.


Douglas Tufano

LÍDERES DA PAZ

Ao abrirmos , diariamente, os jornais nos deparamos com notícias sobre fatos violentos, próximos ou distantes de nós, que nos colocam em situação de impacto emocional pela gravidade do que é descrito. Muitas vezes, somos atingidos por um sentimento de indignação e por uma sensação de impotência, diante dos fenômenos que estamos presenciando . Tomamos conhecimento desses fatos não só ,através da mídia ,mas ,também na família ,em ambiente de trabalho e em rodas de amigos . Acompanhando a sensação de impotência que nos atinge aparece ,também , o questionamento sobre nossa responsabilidade frente a eles . Surge ,então , a pergunta : o que fazer ? Fica evidente que estamos vivendo em uma cultura de guerra e de violência .A dimensão cultural da violência ou seja, como criação humana, ligada ,portanto , ao ato de ensinar , aprender e educar ,abre caminhos que apontam para a possibilidade que temos de poder transformar esse cenário, abandonando o lugar de espectadores passivos da cruel realidade que está pondo em risco a sobrevivência da humanidade . Outro argumento a considerar é que as violências não são fenômenos naturais, assim sendo , está em nossas mãos transformar a cultura da violência em uma cultura de paz . A paz é o contrário de violência ,sendo necessário que as reflexões sobre paz e violência sejam realizadas ao mesmo tempo . Como a violência, a paz é ,também , um fenômeno complexo, tendo uma dimensão cultural ,ligada ao ato de ensinar e de aprender . A paz não é um estado doado, mas sim construído ,colocando-nos como sujeitos e seus construtores . Carlos Rodrigues Brandão ,afirma que a paz é “ uma criação do exercício generoso do diálogo entre as pessoas que não pode ser outorgado. Um dever de direitos que nos cabe ,porque somos individual e coletivamente responsáveis,seres da sociedade ,dos povos e nações da terra “ (BRANDÃO ,Carlos Rodrigues. Em campo aberto:escritos sobre educação e a cultura popular. São Paulo . Cortês ,1995,p.48 .) A construção da paz exige não só o comprometimento pessoal mas também a ação coletiva ,ou seja, o agir em concerto. A paz se constrói a partir do poder que cada um tem mas que precisa ser fortalecido . O empoderamento[1] de cada um e da ação coletiva no combate à violência e em prol da paz pode ser reforçado pelo conhecimento da ação de pessoas que dedicaram suas vidas a esta causa , legando exemplos a serem seguidos .Esses exemplos apresentam idéias , métodos e conquistas que apontam para um maior êxito do caminho a percorrer ,no presente , para atingir o que se busca ,na construção da paz . Na impossibilidade de citar todos os que se notabilizaram , na luta contra as violências e na construção da paz –homens ,mulheres e crianças , em todos os cantos do planeta ,foram selecionados alguns para que suas histórias constituam-se em fonte inspiradora para“ forjar um mundo de justiça ,solidariedade,liberdade,dignidade,harmonia e prosperidade para todos “( Manifesto 2000-Por uma cultura de paz. Pessoas premiadas com o Nobel da Paz .UNESCO ) . Entre os líderes da paz , destacam-se : Mahtama Gandhi (1869-1948 )- Gandhi foi um indiano que lutou contra o sistema de castas e pela independência da Índia contra o domínio britânico . Ele lutou através da não-violência que consiste na recusa da violência , como forma de resolver os conflitos, e a adoção do princípio da verdade e da justiça .Gandhi congregou o povo indiano a resistir de forma pacífica contra os tribunais e às leis recentemente impostas . Entre as medidas tomadas cita-se : indianos recusaram a cargos públicos ,crianças foram retiradas de escolas oficiais ,produtos estrangeiros foram boicotados e foi realizada uma marcha até o mar para a extração do sal ,desobedecendo às leis britânicas . Foi assassinado em 30 de janeiro de 1948 . Bertrand Russel (1872-1970)-Foi escritor e filósofo inglês que ganhou o premio Nobel de Literatura . Na Primeira Guerra Mundial lutou contra o serviço militar obrigatório e contra a participação de pessoas na guerra ,sendo preso por esta razão .Participou dos movimentos contra as armas nucleares . Martin Luther King Jr. (1920- 1968 ) Advogado americano e pastor batista lutou contra discriminação racial , através da não-violência . Conseguiu o fm da segregação contra negros, nos Estados Unidos . Recebeu o premio Nobel da Paz em 1964 .Em um famoso discurso diz :…Eu tenho um sonho que meus filhos viverão um dia numa nação onde não seriam julgados pela cor de sua pele ,mas sim pela virtudes de seu caráter … Song Kosal –Foi uma criança que acompanhava sua mãe e irmãos nas plantações de arroz do Camboja ,na Ásia e ao pisar em uma mina terrestre perdeu uma perna .Passou a lutar por um mundo sem armas . Em 1997,no Canadá ,assinou o Tratado dos Povos contra as Minas Terrestres . Lançou a campanha mundial – Juventude Contra a guerra .Atualmente, ela é a embaixadora da Campanha Internacional para a Eliminação das Minas Terrestres,viajando pelo mundo inteiro, exortando pessoa a lutarem contra as minas terrestres . Herbert de Souza ,o Betinho (1935-1997 )-Atuou na década de 50 como líder estudantil defendendo os direitos dos operários . Lutou contra a ditadura militar e apoiando as lutas sociais . Militou na Ação da Cidadania contra a Miséria e pela Vida que foi lançada em 1993 com o seguinte postulado : “ Não se pode viver em paz em situação de guerra. Não se pode comer tranqüilo em meio à fome generalizada . Não se pode ser feliz num pais onde milhões se batem no desespero do desemprego,da falta de condições mais elementares de saúde,educação ,habitação e saneamento. A insanidade de um país que marginalizou a maioria deve terminar agora.Devemos criar em todos os lugares a ação da cidadania em luta contra a miséria e pela vida “ As pessoas que desejam conhecer mais sobre os líderes citados e outros ,podem realizar pesquisas divulgando-as ,através de peças teatrais, teatros de fantoches, criados ou não pelos alunos . Podem, também, organizar debates, palestras , exposições de fotografias , de textos, de desenhos e pinturas dos temas pesquisados . E promover campanhas , cujos focos sejam inspirados nas ações realizadas por pessoas que lutam ou lutaram pela paz . Bibliografia BRANDÃO ,Carlos Rodrigues. Em campo aberto:escritos sobre educação e a cultura popular. São Paulo . Cortês ,1995,p.48 . GUIMARÃES,Marcelo Rezende .Cidadãos do Presente : crianças e jovens na luta pela Paz. São Paulo: Saraiva, 2002. Beatriz Didonet Nery Mestre em Educação –ONG Educadores para a Paz
fonte:http://www.educapaz.org.br/index.php?option=com_content&task=view&id=118&Itemid=2

Brasil sofre, vira sobre Cuba e vence na Liga Mundial


Não foi nada fácil, mas a experiência da Seleção Brasileira falou mais alto. Na base do coração, o time conseguiu estrear com vitória na fase final da Liga Mundial. Em um complicadíssimo jogo contra os jovens de Cuba, o Brasil conseguiu uma reação espetacular após estar perdendo por 2 sets a 0, virou o placar e venceu por 3 sets a 2 (18-25, 21-25, 25-16, 30-28 e 15-12). O resultado deixa o Brasil na vice-liderança do Grupo, com dois pontos - a Rússia lidera com três, depois de vencer os Estados Unidos. Cuba tem um, e os americanos zero. E é justamente contra os Estados Unidos o segundo duelo do Brasil, nesta quinta-feira, às 8h30 (de Brasília);
O JOGO
Bernardinho surpreendeu na escalação do Brasil, ao colocar Marlon no lugar de Bruninho para iniciar o confronto. Porém, o levantador seria indiferente na parcial. A Seleção teve sua pior atuação até agora na Liga Mundial. A jovem equipe cubana, forçando o saque, complicou o passe brasileiro. Além disso, Leandro Vissotto, Dante e Rodrigão pareciam dispersos em quadra, quando acionados por Marlon. No set, foram sete erros do Brasil, muitos por displicência. Enquanto isso, Cuba aproveitou-se dos erros e se impôs no jogo, fechando em 25 a 18 após um erro de Vissotto.
No segundo set, o Brasil começou melhor. Mais vibrante em quadra, a Seleção tentou se impôr no jogo, abriu 4 a 2, mas deixou os cubanos empatarem ainda antes da primeira parada técnica. As duas equipes trocaram pontos e o Brasil permaneceu na frente até 12 a 11. A partir dali, a Seleção se desconcentrou, voltou a errar muito no passe e deixou os rivais passarem à frente. E, com os erros brasileiros mantidos, os caribenhos mantiveram a vantagem, e ainda contaram com a péssima atuação do oposto Leandro Vissotto, que, apesar de seus 2,12m, tomou dois bloqueios consecutivos, e viu Cuba fechar em 25 a 21.
Precisando vencer para seguir vivo, o Brasil entrou arrasador no terceiro set, fazendo o que se esperava desde o início. Para isso, Bernardinho mudou muito o time. Tirou Vissotto, Marlon, Rodrigão e Dante e colocou Theo, Bruninho, Sidão e Giba. As mudanças deram resultado. O time passou a vibrar mais, o passe voltou a entrar e Bruninho teve boa distribuição de jogo. Desta vez, Giba, Theo e Murilo viraram as bolas, aproveitaram o bom trabalho feito pelo bloqueio e destruíram Cuba: 25 a 16.
O atropelo no set anterior não abalou os cubanos, que voltaram para o jogo na quarta parcial. Sem pressão, os caribenhos voltaram a dificultar o trabalho do Brasil. Tanto que, na primeira parada técnica, já venciam por três pontos de vantagem. A Seleção, no entanto, conseguiu reagir com bom trabalho ofensivo de Giba e Lucão, o grande nome do time na partida. O placar, que estava empatado, voltou a ficar a favor dos cubanos após a segunda parada técnica: 19 a 16, em ataque potente do jovem Léon, de 17 anos. Bernardinho parou o jogo para arrumar a casa. Deu certo. O Brasil reagiu, salvou dois match-points dos cubanos e igualou em 24 a 24. As duas equipes trocaram pontos até 28 a 28, até que Murilo fez duas defesas espetaculares e Lucão virou duas lindas bolas pelo meio, fechando o set para o Brasil e igualando a parcial.
No começo do tie-break, os jogadores colocaram o coração em quadra. E o coração brasileiro bateu um pouco mais forte. No início, equilíbrio. Depois, a Seleção mostrou o porquê é tricampeã mundial e eneacampeã da Liga Mundial. Abriu 8 a 5 e, na inversão de lado, conseguiu respirar um pouco mais aliviado. E a vantagem considerável permitiu que a equipe apenas adminitrasse o placar, apesar de os cubanos ameaçarem uma reação, e vencesse por 15 a 12.
Fonte:  O POVO Online/Esportes/MaisEsportes

Sonho de mundo melhor

A imagem fala muito mais do que as palavras muitas vezes
 [sonhos.bmp]



As pessoas vivem protelando suas vidas, adiando ações e não tomam atitude alguma. Vê seu tempo precioso passar por entre os dedos, com monotonia e angústia, fazendo sempre as mesmas coisas, e não aprendendo nada. Entram em uma zona de conforto e se acomodam pelo medo de mudar, pelo medo de fracassar, sem saber que tomar tal atitude já está fracassando.
Sonho com um mundo em que pra se ter valor não precisasse maltratar alguém;Sonho com um mundo em que não se precisasse humilhar ninguém para se sentir melhor;Sonho com um mundo em as pessoas fossem elas mesmas, e fossem reconhecidas por quem elas são e não pelo que elas têm;Sonho com um mundo que os seres humanos cultivassem e aprimorassem o lado bom das coisas e a arte de ser humano;Sonho com um mundo em que o ouvir fosse mais aplicado do que o falar;Sonho com um mundo em que as pessoas não tivessem medo de dizer a verdade, seja a verdade que agrade ou verdade que machuque e que através delas encontrassem as suas próprias verdades;Sonho com mundo em que as pessoas agradecessem todos os dias pelo que têm, e não vivessem reclamando o que não tem e que descobrissem neste ato o a força da gratidão de poder agradecer;Sonho com mundo em que as pessoas não vissem o dinheiro como uma coisa ruim e nem que fizessem coisas ruins pelo dinheiro;Sonho com um mundo em que não existisse inveja;Sonho com um mundo em que as pessoas comprometidas tivessem mais valor e que esse valor fosse visto há tempo;Sonho com um mundo em que as coisas fossem justas e que ninguém matasse ou morresse pela justiça;Sonho com um mundo em que as pessoas fizessem mais atos generosos sem querer não nada em troca;Sonho com um mundo em que as pessoas fizessem mais e mostrassem através de suas atitudes e não que ficassem falando sobre suas “brilhantes” idéias sem nunca antes ter concretizado nada;Sonho com um mundo em que o fato de ter não valesse mais que o fato de ser;Sonho com o mundo dos sonhos, mas como sonho é só um sonho, prefiro realizar sonhando a sonhar em realizar.


Lerivan Ribeiro

UM POUCO DE POESIA

ISSO É MUITA SABEDORIA
Quando fazemos tudo para que nos amem e não conseguimos, resta-nos um último recurso: não fazer mais nada. Por isso, digo, quando não obtivermos o amor, o afeto ou a ternura que havíamos solicitado, melhor será desistirmos e procurar mais adiante os sentimentos que nos negaram. Não fazer esforços inúteis, pois o amor nasce, ou não, espontaneamente, mas nunca por força de imposição. Às vezes, é inútil esforçar-se demais, nada se consegue;outras vezes, nada damos e o amor se rende aos nossos pés. Os sentimentos são sempre uma surpresa. Nunca foram uma caridade mendigada, uma compaixão ou um favor concedido. Quase sempre amamos a quem nos ama mal, e desprezamos quem melhor nos quer. Assim, repito, quando tivermos feito tudo para conseguir um amor, e falhado, resta-nos um só caminho...o de mais nada fazer.

Clarice Lispector

Dilma sanciona projeto 'gêmeo' do Brasil Sem Miséria


A presidente Dilma Rousseff sancionou nesta quarta-feira (6) projeto de lei que formaliza o Suas (Sistema Único de Assistência Social). O sistema já funciona desde 2005 a partir de uma resolução do Conselho Nacional de Assistência Social.

Segundo Dilma, o Suas e o Brasil Sem Miséria "são um a imagem do outro" e "um gêmeo do outro". Segundo o governo, a formalização do programa é muito importante para estabelecer responsabilidades entre União, Estados e municípios e dá mais segurança jurídica à entidades envolvidas no atendimento.

Ao assinar o projeto, a presidente disse que o Suas é mais um instrumento para ajudar a combater a extrema pobreza no país. Ela afirmou que o Suas será um importante parceiro para o programa Brasil Sem Miséria, vitrine social do governo.

"A nova lei do Suas chega em um momento propício pois ela será determinante para vencer o desafio de superação da miséria. Será fundamental para o Brasil Sem Miséria. Será responsável pelo acompanhamento e encaminhamento de ações do Brasil Sem Miséria", afirmou.

Dilma destacou a parceria com os Estados e municípios. Segundo dados do governo, 99,5% dos municípios já aderiram ao sistema.

"Em um país como o nosso, de dimensões continentais, muitas de nossas políticas sociais e políticas em geral não teriam alcançado eficiência e efetividade sem as parcerias com estados e municípios", disse.

O Suas tem um sistema parecido com o SUS (Sistema Único de Saúde). Na prática, pouco muda: é a concretização do sistema instituído por Lula em 2005. A proposta representa um marco para as políticas da área, que agora serão obrigação das três esferas do Estado, e não de um governo, como hoje.

O Suas realiza atividades na área de assistência social garantindo proteção à família, à maternidade, à infância, à adolescência e à velhice. Atualmente, o sistema conta com 7.607 Cras (Centros de Referência de Assistência Social) e 2.155 Creas (Centros de Referência Especializados de Assistência Social), nos quais cerca de 220 mil profissionais atuam para assegurar os direitos da população mais vulnerável.

Segundo a ministra Tereza Campello (Desenvolvimento Social), o sistema implantado "acaba com a ideia do assistencialismo" e de que "se faz um favor" ao atender o público-alvo do Suas. "Implantamos um programa impessoal", afirmou.

CARTA ESCRITA EM RESPOSTA AO PREFEITO DO MUNICÍPIO QUANDO ME CHAMOU DE DOENTE EM DETERMINADA REUNIÃO



Essa matéria foi publicada no dia 6 de maio. Porém, muitas pessoas que ainda não tem facilidade com Mídia, me pediu para postá-la novamente. Portanto, ai está
Saibam os leitores que isso aconteceu comigo e resolvi escrever essa carta.
Todos poderão perceber que ela está desprovida de qualquer sentimento de raiva, mas que vem relatar qual tem sido a minha postura diante dos fatos que ocorrem todos os dias a nossa volta.  
Professor VALDENI CRUZ



Na manhã dessa sexta-feira, fui dar aula normalmente na Escola Vicente Feijó de Melo, onde trabalho como professor concursado do município desde o ano de 2002. Durante todos esses anos sou professor e exerço minha profissão em sala de aula. Até hoje não tenho em lembrança de que alguém tenha me chamado de irresponsável, mentiroso, desonesto, traidor, mal pagador, preguiçoso e muito menos de doente, pelo menos diante das pessoas e nem que eu tenha sabido até hoje, dito por ai para eu soubesse da boca de alguém. Na realidade ainda não fiz um checape total cabeça e nem do corpo todo, para saber se realmente tenho alguma doença séria, por isso não posso dizer pra ninguém se tenho alguma doença grave, ou algum problema de ordem psicológica.
Acontece que nessa manhã, estávamos eu e os membros do CAE (Conselho de Alimentação Escolar), reunidos na Secretaria de Educação, para conferir a prestação de contas dos meses de março e abril, quando fomos convocados pela Secretária de Educação, Lucilene Meneses, para participar de uma reunião convocada pelo prefeito para dar informações sobre um recurso extra do FUNDEB que entrou na conta do município no dia 29 de abril, quinta-feira passada no valor de 486.786,35C.

Nessa reunião, foi chamado para dar esclarecimentos o Senhor Arnold, assessor da educação, para dar informações sobre os recursos e dar justificativas pra os que estavam presentes na reunião. Na oportunidade estavam presentes diversos coordenadores pedagógicos, professores entre outros, pois estava acontecendo um curso com essas pessoas e se aproveitou a oportunidade para dar esses esclarecimentos.

Enquanto o Arnold ia dando suas informações eu ia fazendo observações da assembléia presente e todos pareciam atônitos, admirados e esperando uma reposta favorável ao rateio do dinheiro pra os professores. O Senhor Arnold, como sempre, munido de uma tabela de dados, começou a fazer comparações de dados, de números de alunos, de estimativa de recursos, das dificuldades e etc. Ao Finalizar as suas explicações, perguntou-se se haveria alguém que quisesse fazer alguma pergunta ou comentário a respeito do que havia sido exposto. Eu, portanto, fui o primeiro a fazer minhas considerações. Como não tenho receio de dizer o que penso, pois não devo nada a ninguém, para que possa ter medo de dizer qualquer coisa. Comecei dizendo o seguinte: Olhe primeiro de tudo, quando a Claudia Melo entrou aqui, nesse recinto, parece que havia entrado um bicho. Os olhares de reprovação tomaram conta de alguns. O senhor Prefeito imediatamente ficou de pé para tomar as dores. Disse que isso era uma coisa absurda, pois ninguém havia achado que era um bicho que tinha entrado ali e que ela era bem vinda, embora não tivesse sido convidada. Saiba os leitores que ela não sabia da reunião, veio por que ligamos pra ela.

Como continuei insistindo, dizendo que há pessoas que realmente agem dessa maneira e que nos ambiente de trabalho, quando ela chaga para dar alguma informação, alguns até se escondem.

Nessa hora o Prefeito ficou um pouco irritado e acabou dizendo: “ESSE RAPAZ É DOENTE”, confesso que fiquei surpreso, pelas razões que já mencionei anteriormente, mas tudo bem. Passando a reunião e refletindo sobre o acontecido, preciso dar aqui minha opinião sobre o tema.

Quero dizer para quem quer seja que quero continuar com essa doença que o Senhor Prefeito não citou qual era. Mas essa doença do qual o prefeito não citou é a doença de trabalhar honestamente desde pequeno; é a doença de respeitar as pessoas, a doença de saber que os outros têm o direito de me criticar, é a doença de saber que o que é público é bem de todos, é a doença de não me submeter aos caprichos de quem que seja porque recebi algum  favor e por isso eu tenho que enfiar a padiola num saco e concordar com tudo; sou doente sim, porque luto pra ser coerente com a verdade e comigo mesmo; sou doente porque não traí meus princípios até hoje; sou doente porque tudo que consegui foi trabalhando sol a sol; desejo que Deus me conceda mais uma porção dessa doença pra mim continuar fazendo o que tenho feito e agir como tenho agido.

Desse modo quero claramente dizer que não invejo a “SAÚDE” da qual algumas pessoas estejam acometidas. A saúde da desonestidade, da falta de caráter, da mentira, da fofoca, do apadrinhamento infame, este tipo de saúde eu rejeito e prefiro morrer do mal que minha doença me causa.

O que mais me deixa entristecido nessa história toda é ver inúmeros educadores, pessoas que deveriam se dar ao luxo de serem formadores de opiniões sendo manipulados. Deixarem-se sucumbir diante dos discursos fajutos de tais administradores. Isso é algo que dói. Daí se tira as conclusões para não vermos o mundo mudar. Como é que muda? Se quem tem a capacidade de mudar estão amarrado os pés e as mãos. Amarrados quando sendo educadores pedem pra sair da sala de aula, porque recebem uma gratificação, por isso por aquilo. Preferem calar a verdade em nome do pessoal. É por essas e tantas outras coisas que prefiro ter o título de doente pelo prefeito, pois desse modo não estou incluído entre os que estão dotados de saúde.

Às vezes vemos pessoas que até outro dia estava na sala de aula e de vez em quando estavam nos meus ouvidos buzinando: será que vai ter aumento, será vai ter isso, vai ter aquilo... E depois que virou a casaca, como diz o ditado, como saiu do lado dos que estão doentes, foram para uma coordenação ou pra uma diretoria, que é o lugar dos saudáveis, jogam pedras, fazem caras e bocas quando nos encontram. Pobres criaturas. Quanto tempo isso irá durará? Conte ai, um, dois, três anos... E ai o que aconteceu? Ora está de volta ao lugar onde detestava estar. Tudo nessa vida passa. O que não passa é o valor que damos a nós mesmos. A honra de um homem de verdade não passa, nem que pra isso ele passe fome, tenha que morar na rua, comer farinha com açúcar. Essa é a virtude que peço a Deus todo dia. O resto é resto e passa como o vento que sopra pela manhã. Sei das minhas limitações e defeitos, mas sei acima de tudo da capacidade que tenho de ser gente e fazer-me gente. Ando de cabeça erguida e de fato não tenho medo de nada. Porque comigo está aquele que é Deus. Ainda que eu ande pelo vale escuro, nada temerei...

Gente! Quero ser doente e até morrer do mal de não me submeter aos caprichos de quem quer que seja, nem muito menos enterrar os meus princípios.

Prefiro o câncer da honestidade, a lepra dos valores que tornam o homem honrado do que a saúde que leva ao desprezo universal.

PROFESSOR VALDENI CRUZ

SUS gastou mais de R$ 216 mil em atendimento de mortos em AL


José Árabes – Editor de Política, com TCU e agências
O Sistema Único de Saúde (SUS) gastou mais de R$ 216 mil em Alagoas para custear internações hospitalares ou procedimentos médicos de alta complexidade de 100 pacientes que já estavam mortos antes da internação ou do tratamento, entre junho de 2007 e abril de 2010. A informação consta em acórdão do Tribunal de Contas da União referente a relatório de auditoria para fiscalizar irregularidades na aplicação de recursos do SUS transferidos do Fundo Nacional de Saúde (FNS) para fundos municipais de todo o país.
Em todo o país, a auditoria de técnicos do TCU investigou 9 mil casos, que teriam causado um desfalque, no total, de R$ 14,4 milhões. Mas a auditoria só foi realizada, “in loco” – no local -, na secretarias de saúde de quatro municípios – Fortaleza (CE), Aparecida de Goiânia (GO), Belém (PA) e Campina Grande (PB) -, além da Secretaria de Saúde do Estado de Pernambuco. O relator do processo no TCU foi o ministro José Jorge.
Nos demais Estados, os casos de atendimento a pacientes já falecidos foram detectados através de cruzamentos feitos pelos técnicos do TCU entre o Sistema de Óbitos (Sisobi), o Sistema de Informações Hospitalares (SIH) e o sistema de Informações Ambulatoriais, com as respectivas cobranças de Autorizações de Internação Hospitalar (AIH) e Autorizações de Procedimentos de Alta Complexidade (APACs), cujos valores são cobrados pelos hospitais credenciados ao SUS. Foi o caso de Alagoas.
As irregularidades em todo o país teriam sido detectadas pelo sistema de inteligência do Ministério da Saúde, que solicitou a auditoria do TCU. Em Alagoas, no caso de internações hospitalares irregulares, o levantamento, que se refere ao período entre 1º de junho de 2007 e 31 de dezembro de 2009, identificou 104 AIHs para 89 pacientes que já estariam mortos, de acordo Sisobi, o que provocou um gasto total provavelmente irregular de R$ 201.779,00.
Já no que se refere a procedimentos de alta complexidade no Estado, foram detectados 50, envolvendo 11 pacientes e com um gasto total de R$ 14.809,29, entre 1º de janeiro de 2008 e 30 de abril de 2010. Entre as possíveis causas para o aparecimento dos dados está o fato de que a data de internação inserida nas AIHs não corresponderia à real data de entrada do paciente na unidade hospitalar. A inserção da data, muitas vezes, teria ocorrido dias após a internação, quando paciente já teria falecido, o que é irregular.
MEDIDAS – No acórdão que acata o relatório da auditoria, os ministros do TCU fazem uma série de determinações ao Ministério da Saúde, à Secretaria de Atenção à Saúde do ministério, ao Departamento de Informática do SUS e às secretarias dos municípios e de Estados auditados “in loco” que apresentem medidas para regularizar a situação em 120 dias. Também é determinado que os gestores coíbam a prática de colocar, nas AIHs, data diferente da que ocorreu a internação. Também é determinado aos gestores locais de saúde que reforcem as estruturas locais de auditoria na saúde, para detectar possíveis irregularidades. 
EXPLICAÇÃO – O superintendente de atendimento da Secretaria de Estado da Saúde, Vanilo Soares, explicou que a pasta não trabalha com AIHs e APACs e que, por isso, não poderia se pronunciar sobre o assunto. Ele explicou que ambos os procedimentos são feitos junto aos hospitais pelos municípios, que recebem os recursos em seus fundos diretamente do Fundo Nacional de Saúde, sem qualquer intervenção do Estado. No acórdão do TCU sobre o relatório da auditoria, não há detalhamento referente aos municípios de Alagoas em que houve essas irregulares.

Patrimônio do filho de Alfredo Nascimento aumenta 86.500%

Mais caso de corrupção
Ô Brasil até quando teremos que conviver com tudo isso?

O Ministério Público Federal Federal está investigando suposto enriquecimento ilícito de Gustavo Morais Pereira, arquiteto de 27 anos, filho do ministro dos Transportes, o potiguar Alfredo Nascimento. Dois anos após ser criada com um capital social de R$ 60 mil, a Forma Construções, uma das empresas de Gustavo, amealhou um patrimônio de mais de R$ 50 milhões, um crescimento de 86.500%. As investigações podem complicar ainda mais a situação do ministro, que, desde sábado, tem sido obrigado a se explicar sobre o suposto envolvimento de seus principais assessores com corrupção. A informação foi publicada na edição desta quarta-feira (6) do jornal O Globo.

As investigações começaram ano passado, a partir de um nebuloso negócio entre Pereira e a SC Carvalho Transportes e Construções, empresa beneficiária de recursos do Ministério dos Transportes. Em 2007, a SC Transportes repassou R$ 450 mil ao filho do ministro, conforme documentos em poder da Procuradoria da República do Amazonas. Nesse mesmo ano, a empresa recebeu R$ 3 milhões do Fundo da Marinha Mercante, administrado pelo Ministério dos Transportes para incentivar a renovação da frota do país. Em 2008, a empresa ganhou mais R$ 4,2 milhões.Os repasses do ministério à empresa estão registrados no Portal da Transparência, do governo federal. O Ministério Público abriu investigação para apurar se houve conflito de interesse nas decisões do ministério chefiado por Nascimento e os benefícios pagos à empresa que negociou com o filho do ministro:- O que nos causou estranheza foi o fato de uma empresa de um dos amigos do ministro receber grandes valores (do ministério) e depois fazer negócio com o filho do ministro - disse um dos investigadores do caso.MP ainda decide se ministro deve deporA SC Transportes está em nome de Marcílio Carvalho e Claudomiro Picanço Carvalho. Em 2006, um ano antes da SC receber R$ 3 milhões do Ministério dos Transportes, Picanço doou R$ 100 mil à campanha de Nascimento ao Senado, como registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O empresário foi o principal doador da campanha do ministro. Picanço também doou R$ 12 mil ao PR, então chamado de PL. Marcílio é marido de Auxiliadora Carvalho, nomeada pelo ministro para chefiar o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) no Amazonas e em Roraima.O Ministério Público ouviu Gustavo. Ele disse que o dinheiro recebido da SC Transporte é fruto da venda de um imóvel. As explicações não convenceram. O Ministério Público estranhou o crescimento patrimonial do arquiteto. Em 2005, aos 21 anos, ele e dois sócios fundaram a Forma Construções. Em 2007, a empresa declarou patrimônio de R$ 52,3 milhões em documentos da Receita Federal. Um ano antes, os ativos somavam R$ 17,7 milhões.Em grande ofensiva no mercado imobiliário do Amazonas, a empresa construiu em curto período um conjunto de 86 casas de alto padrão e um prédio comercial de 20 andares, num bairro nobre de Manaus. A investigação, ainda não concluída, aponta indícios de patrimônio incompatível com a renda declarada por Gustavo. O Ministério Público ainda estuda se chamará Nascimento para depor.O ministro confirmou o negócio do filho com a SC Transportes, mas negou irregularidades na transação e informou que "o depósito a que O Globo se refere decorre da venda de imóvel, transação registrada na declaração de Imposto de Renda", disse por e-mail. Negou ainda ter ligações com os donos da SC Transportes.* Fonte: O Globo.

INFORMAÇÕES DO TCE - MUNICÍPIO DE PENTECOSTE

PARA OS QUE GOSTAM DE FICAR INFORMADOS E SABER DE DADOS VERDADEIROS, DISPONHAM LEIA TUDO E SE INFORME. ESSES SÃO DADOS OFICIAIS. NÃO ES...