sábado, 6 de outubro de 2012

ESTAMOS CHEGANDO AO GRANDE MOMENTO


Professor Valdeni Cruz
Formado em Pedagogia
Estudante de Teologia e História
Sindicalista e Radialista

Imagem do Google
É chegada a hora em que os eleitores devem confirmar na urna o nome daqueles que deverão governar nosso município pelos próximos 4 anos. Momento este muito importante para cada brasileiro. Apesar de muitos não se envolverem por estarem decepcionados com os políticos, é necessário votar bem para que não soframos as consequências futuras.
Votar bem significa escolher bem em quem vamos votar. Procure conhecer a vida pregressa dos candidatos. Depois de saber da vida pregressa, procure saber da capacidade dele de administrar bem o nosso bem maior que é o patrimônio público.
Busque analisar quais os conhecimentos que eles têm da cidade que pretende governar, se ele se compromete de fato com os desafios que terá que enfrentar, caso venha a ser eleito. Desafios tais como o combate a pobreza, cuidar de melhorar a vida de quem estar esquecido do poder público, entre outros.
Este candidato defende um governo moderno e participativo ou não se refere a esse tipo de governo? Tudo isso deve ser levado em consideração para se decidir votar em alguém.
Que Deus ilumine mesmo a todos na hora em que estiver de frente com a urna. Que sua mente seja iluminada pela coerência. Saiba que você será responsável pelo que acontecerá nos destinos de seu município pelos próximos 4 anos. É um momento oportuno para sermos partícipes na construção de uma cidade mais digna e mais justa para todos.
Foi muito enriquecedora esta oportunidade de discutir política, seja de maneira simples ou eloquente. O importante é que tivemos a possibilidade de discutir, criticar, propor, defender e, acima de tudo, respeitar o outro que pensa e vota diferente.
Muito obrigado mesmo a todos com quem pude trocar uma conversa online. Obrigado a você que me pediu uma opinião sobre os candidatos e que de alguma forma eu pude clarear sua mente.
Portanto, vamos amanhã exercer nosso direito democrático de votar. É por meio dele que muitas coisas podem mudar, principalmente quando votamos livres e conscientes. Que nada, nem o dinheiro, nem o suborno, nem os interesses pessoais prevaleça nessa hora. Pense no conceito máximo da política que é “A ARTE DE FAZER O BEM COMUM/COLETIVO”. Se assim pensamos já estamos no caminho certo. Depois, saiba que o nosso direito de cidadania vai além do direito de votar. É preciso continuar lutando para que as políticas defendidas pelo candidato vencedor sejam executadas.
Parabéns a todos os que discutiram  e fizeram deste momento o dinamismo politico. É assim que se constrói uma sociedade diferente, onde nossos pontos de vista se tonam conhecidos por outros.

Boa eleição a todos e  que Deus esteja no comando de tudo.

Paz e graça a todos!

Política Maquiavélica




A frase “os fins justificam os meios” sempre foi atribuída a Maquiavel, no sentido pejorativo, por ele a ter empregado no seu livro “O Príncipe”. Mas, segundo estudiosos de sua biografia, o termo já era utilizado antes. Sendo ele considerado o “pai” da ciência política e ter utilizado o nome de príncipe para traduzir o governante, assim ficou entendido por este utilizar-se de todos meios para se manter no poder.  Assim, a pecha ficou para qualquer político que faz do poder o caminho para a prática da corrupção. E ainda se tornou mais abrangente, sendo hoje atribuída a qualquer pessoa que age sem a devida ética em seus negócios. E assim a mácula ficou para o grande filósofo Nicolau Maquiavel, de quem reproduzo a frase.   “Há três espécies de cérebros: uns entendem por si próprios; os outros discernem o que os primeiros entendem; e os terceiros não entendem nem por si próprios nem pelos outros; os primeiros são excelentíssimos; os segundos excelentes; e os terceiros totalmente inúteis”.

Irineu Gomes

Evangelho de hoje (Lucas 10,17-24)


Sábado, 6 de Outubro de 2012
26ª Semana Comum



— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 17os setenta e dois voltaram muito contentes, dizendo: “Senhor, até os demônios nos obedeceram por causa do teu nome”.
18Jesus respondeu: “Eu vi Satanás cair do céu, como um relâmpago. 19Eu vos dei o poder de pisar em cima de cobras e escorpiões e sobre toda a força do inimigo. E nada vos poderá fazer mal. 20Contudo, não vos alegreis porque os espíritos vos obedecem. Antes, ficai alegres porque vossos nomes estão escritos no céu”.
21Naquele momento, Jesus exultou no Espírito Santo e disse: “Eu te louvo, Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste essas coisas aos sábios e inteligentes, e as revelaste aos pequeninos. Sim, Pai, porque assim foi do teu agrado.
22Tudo me foi entregue pelo meu Pai. Ninguém conhece quem é o Filho, a não ser o Pai; e ninguém conhece quem é o Pai, a não ser o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar”.
23Jesus voltou-se para os discípulos e disse-lhes em particular: “Felizes os olhos que veem o que vós vedes! 24Pois eu vos digo que muitos profetas e reis quiseram ver o que estais vendo, e não puderam ver; quiseram ouvir o que estais ouvindo, e não puderam ouvir”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Novos prefeitos terão de lidar com escassez de recursos; em SP, dívida pode chegar a R$ 72 bilhões


Prefeitos eleitos terão escassez de recursos Os prefeitos eleitos na atual campanha tomarão posse em janeiro com um "programa de governo" elaborado pela presidente Dilma Rousseff. Caberá aos gestores municipais conduzir mais de 200 programas da União, função que exige cada vez mais esforço e mais dinheiro. Ao mesmo tempo, num cenário de crise financeira mundial, as medidas de estímulo à economia adotadas em Brasília drenam recursos que normalmente irrigariam os cofres municipais.
Diante desse cenário, a Confederação Nacional dos Municípios (CNM), que representa prefeituras de todo o País, vem confrontando o governo federal, em busca de mais recursos e menos obrigações. A equipe presidencial diz que a situação financeira não é tão ruim assim e que os programas federais servem de "norte" para os futuros gestores.
De acordo a CNM, os municípios aguardam R$ 18,7 bilhões em restos a pagar atrasados. Esse dinheiro não existe nos cofres da União, mas foi marcado como gasto nos orçamentos federais desde 2002, sem o respectivo repasse às prefeituras. Na maioria dos casos, ressalta a CNM, são verbas para obras que foram iniciadas e acabaram onerando mais ainda os cofres municipais porque o prefeito tende a bancar a parte da União para terminar os empreendimentos.
Compromisso. "Os prefeitos precisam administrar a falta de compromisso do governo federal, que coloca em suas costas iniciativas e programas, criando uma ansiedade no município e, consequentemente, pressionando o prefeito", disse Paulo Ziulkoski, presidente da CNM.
Além disso, o endividamento dos municípios oscila em torno de R$ 73 bilhões, sendo R$ 50 bilhões em dívidas de curto prazo e R$ 23 bilhões em obrigações previdenciárias atrasadas.
O Palácio do Planalto contesta o cenário de crise nas finanças municipais. Segundo a ministra das Relações Institucionais (SRI), Ideli Salvatti, os repasses de programas sociais e outras medidas ajudam a impulsionar o comércio local. Os prefeitos também ganhariam politicamente, porque quando as obras estão prontas ganham crédito pelo projeto e, se der errado, a culpa é da União, completou Ideli.
"Para nós é uma questão estratégica. Desde o presidente Lula, e com a presidente Dilma, a maior parte dos programas é feita em parceria entre governos estaduais e prefeituras", disse a ministra. "A eficácia dos programas tem de ter a eficiência do ente federado lá na ponta."
A equipe de Ideli preparou um catálogo com os 220 programas do governo federal, mantidos pelos municípios. O material está no site da SRI, com publicações que orientam os atuais gestores sobre o que precisam fazer para deixar as contas em ordem e as exigências da Lei de Responsabilidade Fiscal. Outra cartilha orientará os eleitos sobre suas obrigações a partir de 2013.
Desonerações. Outro fator que pesa nas finanças dos municípios, mas dificilmente será alterado pelo governo federal, diz respeito a desonerações. Ao reduzir tributos para estimular a economia, o Ministério da Fazenda avança sobre impostos que compõem a base de cálculo do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), como o corte de IPI de automóveis.
Para a ministra Ideli Salvatti, no entanto, essa questão deve ser encarada como acessória. "O que mais afeta a população é emprego e renda. Com as desonerações, garantimos o emprego e aumentamos os investimentos das empresas, que também elevam os salários de seus funcionários", diz. Além disso, a política de aumentos consistentes do salário mínimo "tem fortalecido a economia. O Nordeste tem crescido a níveis chineses e não foi por causa do FPM", rebate Ideli.
O próximo prefeito de São Paulo herdará uma dívida projetada pela Prefeitura para 2013 em R$ 72 bilhões - atualmente ela está em torno de R$ 58 bilhões. Caso o valor se concretize, bem como o do Orçamento de R$ 42 bilhões previsto pela equipe econômica da administração municipal, a dívida chegará a 171% do total.
Pelas normas da Lei de Responsabilidade Fiscal, por causa do alto nível de endividamento, a Prefeitura de São Paulo não pode tomar novos empréstimos, o que prejudica o ritmo de investimentos públicos.
A administração tenta negociar com o governo federal uma mudança no índice de correção da dívida com a União, que é a maior parte da dívida - R$ 52 bilhões. Esse montante é corrigido pelo índice de inflação IGP-DI mais 9% de juros ao ano, o que atualmente corresponde a cerca de duas vezes a taxa Selic.

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Evangelho de hoje (Lucas 10,13-16)


Sexta-Feira, 5 de Outubro de 2012
São Benedito, o Negro


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus: 13“Ai de ti, Corazim! Ai de ti, Betsaida! Porque se em Tiro e Sidônia tivessem sido realizados os milagres que foram feitos no vosso meio, há muito tempo teriam feito penitência, vestindo-se de cilício e sentando-se sobre cinzas. 14Pois bem: no dia do julgamento, Tiro e Sidônia terão uma sentença menos dura do que vós.15Ai de ti, Carfanaum! Serás elevada até o céu? Não, tu serás atirada no inferno. 16Quem vos escuta a mim escuta; e quem vos rejeita a mim despreza; mas quem me rejeita, rejeita aquele que me enviou”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Dia de São Francisco de Assis


4 de Outubro


São Francisco de AssisFrancisco nasceu em Assis, na Úmbria (Itália) em 1182. Jovem orgulhoso, vaidoso e rico, que se tornou o mais italiano dos santos e o mais santo dos italianos.

Com 24 anos, renunciou a toda riqueza para desposar a "Senhora Pobreza". Aconteceu que Francisco foi para a guerra como cavaleiro, mas doente ouviu e obedeceu a voz do Patrão que lhe dizia: "Francisco, a quem é melhor servir, ao amo ou ao criado?". Ele respondeu que ao amo. "Porque, então, transformas o amo em criado?", replicou a voz. No início de sua conversão, foi como peregrino a Roma, vivendo como eremita e na solidão, quando recebeu a ordem do Santo Cristo na igrejinha de São Damião: "Vai restaurar minha igreja, que está em ruínas".

Partindo em missão de paz e bem, seguiu com perfeita alegria o Cristo pobre, casto e obediente. No campo de Assis havia uma ermida de Nossa Senhora chamada Porciúncula. Este foi o lugar predileto de Francisco e dos seus companheiros, pois na Primavera do ano de 1200 já não estava só; tinham-se unido a ele alguns valentes que pediam também esmola, trabalhavam no campo, pregavam, visitavam e consolavam os doentes.

A partir daí, Francisco dedica-se a viagens missionárias: Roma, Chipre, Egito, Síria... Peregrinando até aos Lugares Santos. Quando voltou à Itália, em 1220, encontrou a Fraternidade dividida. Parte dos Frades não compreendia a simplicidade do Evangelho. Em 1223, foi a Roma e obteve a aprovação mais solene da Regra, como ato culminante da sua vida.

Na última etapa de sua vida, recebeu no Monte Alverne os estigmas de Cristo, em 1224. Já enfraquecido por tanta penitência e cego por chorar pelo amor que não é amado, São Francisco de Assis, na igreja de São Damião, encontra-se rodeado pelos seus filhos espirituais e assim, recita ao mundo o cântico das criaturas.

O seráfico pai, São Francisco de Assis, retira-se então para a Porciúncula, onde morre deitado nas humildes cinzas a 3 de outubro de 1226. Passados dois anos incompletos, a 16 de julho de 1228, o Pobrezinho de Assis era canonizado por Gregório IX.

São Francisco de Assis, rogai por nós!

Fonte: Canção Nova

Evangelho de hoje (Lucas 10,1-12)


Quinta-Feira, 4 de Outubro de 2012
São Francisco de Assis


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 1o Senhor escolheu outros setenta e dois discípulos e os enviou dois a dois, na sua frente, a toda cidade e lugar aonde ele próprio devia ir.
2E dizia-lhes: “A messe é grande, mas os trabalhadores são poucos”. Por isso, pedi ao dono da messe que mande trabalhadores para a colheita. 3Eis que vos envio como cordeiros para o meio de lobos. 4Não leveis bolsa nem sacola nem sandálias, e não cumprimenteis ninguém pelo caminho! 5Em qualquer casa em que entrardes, dizei primeiro: ‘A paz esteja nesta casa!’ 6Se ali morar um amigo da paz, a vossa paz repousará sobre ele; se não, ela voltará para vós. 7Permanecei naquela mesma casa, comei e bebei do que tiverem, porque o trabalhador merece o seu salário. Não passeis de casa em casa.
8Quando entrardes numa cidade e fordes bem recebidos, comei do que vos servirem,9curai os doentes que nela houver e dizei ao povo: ‘O Reino de Deus está próximo de vós’.
10Mas, quando entrardes numa cidade e não fordes bem recebidos, saindo pelas ruas, dizei: 11‘Até a poeira de vossa cidade que se apegou aos nossos pés, sacudimos contra vós. No entanto, sabei que o Reino de Deus está próximo!’ 12Eu vos digo que, naquele dia, Sodoma será tratada com menos rigor do que essa cidade”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Propaganda Eleitoral, O que pode e até quando pode


Propaganda eleitoral - Eleições 2012

A propaganda eleitoral para as Eleições 2012 é regida pela Lei 9.504/97, art. 36 e seguintes, e disciplinada pela Resolução TSE nº 23.370/2011 (formato PDF).
As referidas normas tratam das formas permitidas e proibidas de propaganda eleitoral e impõem as sanções cabíveis no caso de seu descumprimento. Tratam, ainda, do horário eleitoral gratuito, transmitido por meio da cadeia de rádio e televisão em horários pré-determinados para os cargos em disputa, como também por meio de inserções de 30 ou 60 segundos, distribuídas durante a grade diária das emissoras.
As datas finais para as diversas modalidades de propaganda eleitoral estão destacadas no Calendário Eleitoral (Res. TSE 23.341/2011) , devendo ser observadas pelos candidatos que concorrem ao pleito, conforme cronograma abaixo:
Modalidade de PropagandaÚltimo dia
(1º Turno)
Último dia
(2º turno)
Comícios e Reuniões Públicas
4/10 (quinta)
(de 8 às 24 horas)
25/10 (quinta)
(de 8 às 24 horas)
Debates4/10 (quinta)
26/10 (sexta)
(até meia noite)
Horário Gratuito no rádio e TV4/10 (quinta)26/10 (sexta)
Imprensa Escrita5/10 (sexta)26/10 (sexta)
Caminhadas, Carreatas, Passeatas e Carros De Som6/10 (sábado)
(até 22 horas)
27/10 (sábado)
(até 22 horas)
Distribuição de Folhetos, Volantes e Outros Impressos6/10 (sábado)
(até 22 horas)
27/10 (sábado)
(até 22 horas)

MENSALÃO - JOAQUIM BARBOSA É DESTAQUE MAIS UMA VEZ


MENSALÃO: ao condenar por corrupção ativa os outrora poderosos Dirceu, Genoino e Delúbio, Joaquim Barbosa entra para a História e lava a alma dos brasileiros de bem

Com seu voto de hoje, ministro Joaquim Barbosa entra para a história (Foto: Nelson Jr. / STF)
Ministro Joaquim Barbosa: pela primeira vez, condenando graúdos do poder (Foto: Nelson Jr. / STF)
Amigas e amigos do blog, independentemente do que ocorra no restante do julgamento do escândalo do mensalão pelo Supremo Tribunal Federal, o ministro relator do processo, Joaquim Barbosa, no Supremo desde 2003, acaba de entrar para a História da República.
Foi o relator de um processo que, pela primeira vez, condenou, por corrupção ativa, dois políticos de alta catadura e graúda condição: o ex-todo-poderoso chefe da Casa Civil do lulalato, José Dirceu, que pretendia chegar um dia à Presidência da República, e 0 ex-deputado e ex-presidente do PT, o partido do governo, José Genoino, também ex-candidato muito bem votado a governador de São Paulo em 2006.
Nunca, nos quase 123 anos de história do regime proclamado em novembro de 1889, figuras que foram chave no exercício do poder estiveram, como estão Dirceu e Genoino — além de Delúbio Soares, integrante algo apagado do PT, mas fundamental para a bandalheira do mensalão –, tão próximos das grades de uma cadeia.
A coragem, a tenacidade e o trabalho árduo, quase desumano, do ministro Joaquim Barbosa, recuperam a imagem dos homens públicos no Brasil e dão esperanças, aos brasileiros decentes, de que a violação da lei ”neztepaiz” por parte dos que muito podem não continue a ser como sempre, vergonhosamente, foi: impune.

Evangelho de hoje (Lucas 9,57-62)


Quarta-Feira, 3 de Outubro de 2012
BVs. André de Soveral, Ambrósio e Comps.

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 57enquanto Jesus e seus discípulos caminhavam, alguém na estrada disse a Jesus: “Eu te seguirei para onde quer que fores”.
58Jesus lhe respondeu: “As raposas têm tocas e os pássaros têm ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde repousar a cabeça”. 59Jesus disse a outro: “Segue-me”. Este respondeu: “Deixa-me primeiro ir enterrar meu pai”. 60Jesus respondeu: “Deixa que os mortos enterrem os seus mortos; mas tu, vai anunciar o Reino de Deus”. 61Um outro ainda lhe disse: “Eu te seguirei, Senhor, mas deixa-me primeiro despedir-me dos meus familiares”. 62Jesus, porém, respondeu-lhe: “Quem põe a mão no arado e olha para trás não está apto para o Reino de Deus”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Relator deve condenar nesta quarta-feira corruptores do mensalão


O revisor do processo, Ricardo Lewandowski, deve usar toda a sessão de amanhã, a última da semana, para votar. Os votos dos outros oito ministros devem começar só na terça-feira da próxima semana.
Em dois meses de julgamento do mensalão, Delúbio foi o nome mais citado do núcleo político. Vários ministros - em especial, o relator - afirmaram que cabia ao petista indicar ao operador do esquema, Marcos Valério, o nome dos beneficiados com os saques no Banco Rural. Dirceu e Genoino foram citados por ministros timidamente até agora.
- No curso da ação penal, comprovou-se que os recursos foram destinados ao pagamento de parlamentares indicados, diretamente, pelo senhor Delúbio Soares - disse Barbosa ao analisar os desvios de dinheiro do Banco do Brasil para alimentar o valerioduto, um dos primeiros temas examinados pelo STF no julgamento do mensalão.
Mais adiante, o ministro reforçou seu ponto de vista a respeito do réu:
- As transferências realizadas à DNA Propaganda, antecipadamente à prestação de qualquer serviço, viabilizaram, nos anos de 2003 e 2004, os repasses de dinheiro em espécie para parlamentares e para membros do PT e de partidos aliados, conforme vinha sendo indicado pelo senhor Delúbio.
Além dos integrantes do núcleo político, foram acusados do pagamento de propina Valério, seus sócios Cristiano Paz e Ramon Hollerbach, o advogado da SMP&B Rogério Tolentino, a ex-diretora financeira da agência de publicidade Simone Vasconcelos, a ex-gerente financeira da empresa Geiza Dias e o ex-ministro dos Transportes Anderson Adauto (PL).
Em 2007, quando o STF abriu a ação penal para investigar os escândalos, Barbosa responsabilizou Dirceu pelos pagamentos de propina. Segundo o ministro, era ele quem dava o aval para os repasses aos partidos beneficiados:
- Com efeito, os elementos coligidos na fase investigatória estão a indicar que o modus operandi do repasse de recursos avençado entre PT e PP, PL e PTB não prescindia da ciência e do aval do denunciado José Dirceu. Há indícios no sentido de que as grandes decisões políticas do PT eram todas avalizadas pelo denunciado José Dirceu, inclusive no que concerne a acordos político-financeiros com outros partidos.
Na mesma ocasião, o relator afirmou que houve uma ação combinada entre o núcleo político, liderado por Dirceu, e o núcleo publicitário, de Valério, para corromper parlamentares. Na denúncia apresentada em 2006, o então secretário-geral do PT, Sílvio Pereira, também integrava o núcleo político. No entanto, fez acordo com o Ministério Público para prestar serviços à comunidade em troca de ficar livre de responder ao processo.
- Eles (núcleo político) ofereceram e, posteriormente, pagaram vultosas quantias a diversos parlamentares federais, principalmente os dirigentes partidários, para receber apoio político do PP, PL, PTB e parte do PMDB. Para a execução dos pagamentos de propina, José Dirceu, Delúbio Soares, José Genoino e Sílvio Pereira valeram-se dos serviços criminosos prestados por Marcos Valério, Ramon Hollerbach, Cristiano Paz, Rogério Tolentino, Simone Vasconcelos e Geiza Dias - declarou Barbosa, em 2007.
Os ministros que condenaram parlamentares por corrupção passiva - ou seja, o recebimento do dinheiro em troca de ato de ofício - não defenderão necessariamente a culpa dos acusados por corrupção ativa. Isso porque os crimes são independentes: os ministros podem considerar a existência de prova de que o deputado recebeu vantagem indevida e a ausência de comprovação do pagamento por parte dos corruptores.
- Em princípio, tem bilateralidades (entre os crimes). Mas é preciso examinar as situações concretas - explicou, nesta terça-feira, Gilmar Mendes.

Condenações do STF no julgamento do mensalão tiram réus da política até 2022

Alguns já sofreram condenações anteriores, o que aumenta o período inelegibilidade; Roberto Jefferson, delator do esquema, deve ficar fora da política até 2026

Wilson Lima - iG Brasília

Os políticos condenados pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha durante o julgamento do mensalão sofrerão um exílio político de pelo menos 10 anos, com base no cumprimento da pena e também na Lei da Ficha Limpa. Mas alguns deles já cumprem períodos de inelegibilidade e isso aumenta o tempo em que ficarão fora da política. Roberto Jefferson, por exemplo, não poderá se candidatar a cargo eletivo até 2026, pelo menos.


Reprodução
Jefferson, que teve seu mandato cassado pela Câmara, já estava inelegível até 2013. Agora, esse prazo deve se estender até 2026
Nesta segunda-feira, o Supremo Tribunal Federal (STF) condenou o deputado federal Valdemar Costa Neto (PR-SP); o deputado federal Pedro Henry (PP-MT); o presidente do PTB, Roberto Jefferson (PTB-SP); o ex-deputado federal e estadual de Minas, Romeu Queiroz (PSD) e o ex-deputado federal e o ex-deputado federal Pedro Corrêa (PP-PE) pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Além disso, Costa Neto e Pedro Corrêa também foram condenados pelo crime de formação de quadrilha e o prefeito de Jandaia do Sul, cidade paranaense distante 393 quilômetros de Curitiba, José Borba (PP), por corrupção passiva. Ainda há dúvidas se Borba também será condenado pelo crime de lavagem de dinheiro já que deu empate na votação dos ministros do STF.
O crime de lavagem de dinheiro tem pena mínima de três anos e corrupção passiva dois anos. Além de cumprir esses cinco anos de prisão, pelo menos, os políticos condenados ainda terão como sanção mais oito anos de inelegibilidade por causa da Lei Complementar 135/2010.
O deputado federal Valdemar Costa Neto, por exemplo, deve perder automaticamente o mandato que iria até 2014. Sua condenação mínima é de pelo menos seis anos pelos três crimes a que foi condenado no STF. Dessa forma, fica inelegível por, pelo menos, até 2028, quando terá 79 anos.
Pedro Henry (PP-MT) é outro que deve perder automaticamente o mandato. Terá de cumprir dois anos pelo crime de corrupção passiva, três anos por lavagem de dinheiro e mais oito anos de inelegibilidade pela Ficha Limpa. Assim, ele está fora da política até pelo menos 2022.
Em alguns casos, o período de inelegibilidade mínima deve ser ainda pior. O ex-deputado federal Roberto Jefferson, que teve seu mandato cassado pela Câmara, já estava inelegível até 2013. Após a sua condenação no Supremo, soma-se a esse período, pelo menos, mais 13 anos de inelegibilidade.
Na prática, o homem que delatou o mensalão está fora da política até o ano de 2026, no mínimo. Hoje, Roberto Jefferson tem 59 anos de idade e, com as condenações desta quinta-feira, somente teria condições de se candidatar a outro cargo eletivo quando atingir 73 anos de idade.
O ex-deputado José Borba (PP) já estava inelegível até 2015. Agora, soma-se a isso mais 10 anos de inelegibilidade. Pedro Corrêa já estava inelegível até 2014 e agora fica sem poder concorrer a mandato eletivo até 2028 já que para ele também houve a condenação pelo crime de formação de quadrilha.
Romeu Queiroz ainda não sofreu sanções eleitorais por envolvimento no mensalão ou outro tipo de ilícito. Por isso, contra ele pesa apenas o período de 13 anos de inelegibilidade por sua condenação nos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.
No entanto, essas penas podem ser ainda maiores. Isso porque alguns políticos respondem pelo mesmo crime mais de uma vez, o que pode aumentar a pena no momento da dosimetria. Pedro Corrêa, por exemplo, responde 15 vezes pelo crime de lavagem de dinheiro; Valdemar Costa Neto, 41 vezes também por lavagem de dinheiro e Roberto Jefferson, sete acusações pelo mesmo crime.

Evangelho de hoje (Mateus 18,1-5.10)


Terça-Feira, 2 de Outubro de 2012
Santos Anjos da Guarda


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

Naquela hora, 1os discípulos aproximaram-se de Jesus e perguntaram: “Quem é o maior no Reino dos Céus?” 2Jesus chamou uma criança, colocou-a no meio deles 3e disse: “Em verdade vos digo, se não vos converterdes, e não vos tornardes como crianças, não entrareis no Reino dos Céus. 4Quem se faz pequeno como esta criança, esse é o maior no Reino dos Céus. 5E quem recebe em meu nome uma criança como esta, é a mim que recebe. 10Não desprezeis nenhum desses pequeninos, pois eu vos digo que os seus anjos nos céus veem sem cessar a face do meu Pai que está nos céus”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

A carapuça só cai na cabeça de quem tem que cair

Professor Valdeni Cruz

Nesta manhã recebi o telefonema de uma pessoa muito querida preocupada com uma situação que para qualquer pessoa seria inusitada.


Saiu por ai uma carta como sendo de Luiza, candidata a Prefeitura de Pentecoste, onde a mesma se intitula como: BOATO É DESRESPEITO E MENTIRA É DESPEITO. 

A pessoa chegou a casa desta minha amiga e gente do bem, zangada
e com a carta na mão. Ao deparar-se com sua filha a mulher viu que ela estava em posse de uma bandeira grande do partido verde. Esta mulher já veio em tom de raiva dizendo pra pessoa: você viu o que está escrito nesta carta? Tranquilamente a pessoa disse: li sim. Por quê? Ora, porque esta carta está difamado a imagem da pessoa tal. Ai, mais tranquila ainda ela pegou a carta e começo a ler pra ela. Ao ler um pouco da carta, disse: irmã, aqui não tem nada demais. Alias, a pessoa só está reclamando uma defesa de seu nome. É quem é Dona maldade? A mulher sem querer mais conversa foi embora muito zangada.


Eu mesmo fui ler a carta e o que tem chamado à atenção de alguns poucos que se consideram puritanos, é o fato da carta referir-se ao inferno e a satanás-diabo. Ora meus caros puritanos, a senhora maldade não tem nome. Pode ser qualquer um que minta e que invente histórias que não sejam verdades. Eu, você... Se mentirmos ou levantarmos falso a alguém difamando sua imagem, estamos trabalhando para o diabo, pois é ele que mente desde o princípio. É ele o pai da mentira e todos sabem que seu lugar é no inferno. E agora o que vai dizer? Qual é o crime da carta? A quem esta carta se refere? A DONA MALDADE, QUEM É? Quem não inventa mentira, não disse nada contra alguém, porque esta carta o incomodaria? Parece-me um pouco estranho a alguém querer fazer referencia a esta ou aquela pessoa. Não seria querer culpar alguém por isso. Quem inventou isso que está na carta? Você ouviu alguém dizendo tais mentiras a repeito da candidata em questão? Não? Então qual é o problema? 

Eu tenho uma resposta mais rápida para se acabar com a questão. A carapuça só cai cabeça de quem tem que cair. Se ela não cabe na minha cabeça, na sua cabeça nem na cabeça de quem as pessoas supõem para quem a carta possa esteja sendo dirigida, então porque o drama? 

Se ela não diz repeito a ninguém, simplesmente de nada vale. Se ninguém disse nada do que está sendo dito na carta como mentira, então a carta é vã. Nenhum valor terá.
Meu povo existe coisa pior para gente ficar alarmado. O mundo todo está desabando e vocês dando uma de puritano, de santo. Deixemos de hipocrisia. Sobre fé, eu entendo um pouco. Sobre coisas do capeta eu também entendo um pouco. Sei como é que as pessoas tramam o mal. Pra onde vão pra fazer o mal, quais são as práticas, etc. Isso ninguém fala, por quê?


A Dona Maldade pode ser qualquer pessoa. SE ESTA MENTE OU LEVANTA FALSO SOBRE AS PESSOAS DIZENDO COISAS QUE NÃO SÃO VERDADES, PODE SER CONSIDERADA SIM COISA DO DIABO.


segunda-feira, 1 de outubro de 2012

MENSALÃO: Não é exagero imaginar que Dirceu já treme na base



Dirceu: "Esse comportamento (compra de votos) na política dá cadeia, sim", disse o procurador-geral da República, para quem é "torrencial" a prova contra o ex-chefe da Casa Civil (Foto: veja.abril.com.br)
Amigas e amigos do blog, não sei o que vocês acham, mas o teor de alguns votos expedidos hoje durante mais uma sessão de julgamento do processo do mensalão no Supremo Tribunal Federal e a reiteração, em votos e apartes de ministros, de que o mensalão abrangeu entre seus crimes o de quadrilha ou bando (artigo 288 do Código Penal) deve estar preocupando o ex-chefe da Casa Civil José Dirceu.
Como se sabe, o Ministério Público, na denúncia aceita pelo Supremo em 2007, qualifica Dirceu como “o chefe da quadrilha” do mensalão.
Das longas intervenções dos vários ministros que votaram por sucessivas condenações de hoje, me impressionou a veemência com que o decano do Supremo — o ministro que há mais tempo enverga a toga entre os 11 que constituem a Corte –, Celso de Mello, no Supremo desde 1989, referiu-se aos altos escalões do poder em uma das votações de hoje à tarde.
“Esses vergonhosos atos de corrupção parlamentar, lesivos à respeitabilidade do Congresso Nacional, atos de corrupção alimentados por transações obscuras arquitetadas em altos patamares governamentais, devem ser condenados e punidos com todo o rigor da lei”, sentenciou o ministro.
Posso estar enganado, mas acho que Celso de Mello, com o peso moral de sua intervenção, parece já estar antecipando que fará recair sobre Dirceu o peso da lei. “Altos patamares governamentais”, como diz o ministro, seria quem, senão ele?
Não parece exagero imaginar que Dirceu, a esta altura, treme na base.
Para não deixar dúvida sobre a reiterada posição do Ministério Público, o procurador-geral Roberto Gurgel voltou a dizer hoje que “José Dirceu era o grande mentor, o grande líder” da “organização criminosa” que constituiu o mensalão para comprar apoio parlamentar para o governo Lula no Congresso.
“Continuo absolutamente convencido da participação dele, a prova é mais que abundante, é torrencial em relação ao ministro José Dirceu”, enfatizou o chefe do Ministério Público Federal, para o qual a condenação dos réus, ao final do julgamento, será “um marco” para a mudança das práticas políticas no país.
“Esse comportamento na política dá cadeia, sim”, bradou Gurgel. “Acredito firmemente que vai ter cadeia, em número bem significativo.”

Saiba quais são as responsabilidades reais de um prefeito


No próximo domingo, os eleitores do Brasil vão escolher prefeitos de mais de 5,5 mil municípios.


No próximo domingo, os eleitores do Brasil vão escolher prefeitos de mais de 5,5 mil municípios. O Jornal Nacional relembra as responsabilidades e as obrigações de quem for ocupar essas cadeiras.
Administrar uma cidade é uma trabalheira danada. E o prefeito...
“Ele é poderoso. Tem o poder de decisão”, define um homem.
"O prefeito pode modificar uma cidade”, acrescenta uma mulher.
Ele ou ela é responsável pelo lixo e pelos aterros sanitários. Tem que investir em creches, ensino fundamental e atendimento básico de saúde. E responde, junto com União e estado, por saneamento e habitação.
“Colocar mais policiais nas ruas, nos bairros que estão abandonados”, opina o jardineiro José Roberto Araújo.
O prefeito pode ajudar, mas, pela Constituição, segurança pública é atribuição de governo federal e, principalmente, dos estados. As cidades decidem se mantêm ou não uma guarda municipal.
Prefeito tem que botar ordem no trânsito. Mas, em regiões metropolitanas, divide com o governador a responsabilidade pelo transporte urbano. Qualquer promessa, em qualquer área, só com dinheiro em caixa.
“Os eleitores têm que olhar para os candidatos e perguntar: é viável financeiramente aquela proposta? A proposta não é maluca ou absurda? O candidato que disser que sozinho vai resolver seus problemas normalmente está mentindo para os seus eleitores”, ressalta Fernando Abrucio, cientista político da FGV.
A secretária atenta, Darci Santiago Vilela, sabe disso: “Eu acho que o parecer final não depende só, unicamente, dele.”
Por melhor que pareça uma proposta de campanha, ainda que o candidato seja eleito, ela precisa ser discutida e pode ser alterada pela Câmara Municipal. Funciona assim nos mais de cinco mil municípios brasileiros. Vereadores têm participação ativa na elaboração do orçamento e fazem leis que têm o poder de mudar os rumos da cidade. Ainda assim, tem eleitor que sai de casa no dia da eleição sem saber em quem votar para vereador.
“Os eleitores só lembram do candidato a prefeito. Na última hora, lembram do candidato a vereador que é amigo do amigo do amigo, ou que é do seu bairro. Escolham vereadores que tenham projetos para a cidade”, recomenda o cientista político.
Vereadores também fiscalizam o prefeito. O eleitor pode fiscalizar todos eles.
“O cara tem que ser bem responsável. Tem que trabalhar e fazer as coisas certas”, ensina o jardineiro José Roberto Araújo.

Maioria no STF condena Jefferson também por lavagem de dinheiro

Delator do mensalão já havia sido condenado por corrupção passiva. Dos 37 réus do processo, 21 já foram condenados pelos ministros da corte. 

Márcia Sousa
www.g1.com 


Com o voto de Dias Toffoli durante o julgamento do processo do mensalão nesta segunda-feira (1º), a maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) condenou o ex-deputado federal e presidente do PTB, Roberto Jefferson, delator do suposto esquema de compra de votos no Congresso, também pelo crime de lavagem de dinheiro. Ele já havia sido condenado na semana passada por corrupção passiva (receber vantagem indevida).

O voto de Toffoli também formou maioria para a condenação do ex-deputado Romeu Queiroz pelo crime de lavagem de dinheiro - veja como votou cada ministro sobre cada réu. Confira também o que diz a acusação e a defesa sobre cada um dos 37 acusados no processo.

Dias Toffoli concluiu o voto iniciado na última quinta (27), quando analisou a conduta de 4 dos 13 acusados nesse item do processo, que aborda corrupção entre partidos da base aliada - o extinto PL (atual PR), PP, PTB e PMDB.

Depois dele, votaram os ministros Marco Aurélio e Celso de Mello. Com os votos dos dois, 11 dos 13 réus do tópico já foram condenados por crimes como corrupção passiva, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro.

Ao todo, 21 dos 37 réus do processo do mensalão foram condenados pelo Supremo na análise de quatro tópicos da denúncia: desvio de recursos públicos, gestão fraudulenta, lavagem de dinheiro e corrupção entre partidos da base.

As penas (de prisão ou prestação de serviços, por exemplo) para cada um dos réus condenados só serão definidas ao final. A expectativa é que o julgamento termine, pelo menos, até o fim de outubro. As penas só serão discutidas após a conclusão do julgamento. Até a promulgação do resultado os ministros podem mudar o voto, embora isso seja improvável.

Argumentação de Toffoli

Para Toffoli, Roberto Jefferson utilizou-se de “astúcia” para dissimular o dinheiro recebido do PT. “Quanto a Roberto Jefferson utilizou-se de astúcia visando ocultar ou dissimular o recebimento de R$ 4 milhões”, afirmou.

Toffoli entendeu, assim como a maioria dos ministros, que Roberto Jefferson e Romeu Queiroz também são culpados de corrupção passiva. Segundo ele, o crime foi comprovado pelo próprio depoimento de Roberto Jefferson.

“A materialidade [do crime de corrupção passiva] encontra-se embasada nas declarações do próprio Roberto Jefferson e dos co-réus Marcos Valério e Romeu Queiroz”

Formação de quadrilha

O ministro acompanhou a divergência iniciada pela ministra Rosa Weber e acompanhada por Cármen Lúcia para absolver os oito acusados de formação de formação de quadrilha - cinco réus ligados ao PP e três ligados ao extinto PL.

"Absolvo no sentido de não verificar que houve associação com propósito específico da prática de crimes", disse Toffoli, ao se referir aos cinco réus ligados ao PP: o deputado federal Pedro Henry, o ex-deputado Pedro Corrêa, o ex-assessor do PP João Cláudio Genú e os empresários Breno Fischberg e Enivaldo Quadrado, da corretora Bônus-Banval, acusados de lavar o dinheiro recebido de Marcos Valério antes de repassar aos políticos do PP.

Corrupção passiva

Dias Toffoli acompanhou o revisor do processo, ministro Ricardo Lewandowski, para absolver o ex-primeiro-secretário do PTB Emerson Palmieri do crime de corrupção passiva por considerar que não há provas da participação do réu. Palmieri também foi absolvido pelo ministro da outra acusação à qual respondia, lavagem de dinheiro.

“Não se colheu provas de que o acusado contribuiu para a prática do crime [corrupção passiva]”, argumentou. Para o ministro, não há elementos que comprovem a “ciência” por Emerson Palmieri da “finalidade dos R$ 4 milhões recebidos por Roberto Jefferson”.

Ao iniciar seu voto, ele afirmou considerar que o fato do recebimento do dinheiro já configura corrupção passiva (recebimento de vantagem indevida), independente da comprovação de que houve ato de ofício (atitude no exercício da função em troca da vantagem), assim como têm entendido os outros magistrados da corte. Vários advogados de defesa argumentaram que não havia comprovação do ato de ofício e que, portanto, os clientes não poderiam ser condenados.

Lavagem de dinheiro

O ministro absolveu dois réus acusados de lavagem de dinheiro: João Cláudio Genú e Breno Fischberg. Para o magistrado, houve o crime de receptação, mas não de ocultação de valores.

"Foram configurados elementos do crime de receptação. Portanto, em razão de elementos, nao se poder imputar aos réus, funcionários subalternos, como Genú, e de designação mandatária, no caso de Breno, conhecimento de que os recursos viessem de fonte ilícita de modo a configurar branqueamento de dinheiro."

Dilma: governo quer incentivar brasileiros a mudar comportamento no trânsito


A presidenta Dilma Rousseff disse nesta segunda-feira (1º) que o governo pretende incentivar os brasileiros a mudar o comportamento no trânsito. Segundo ela, a campanha 'Pela Consciência no Trânsito', lançada no último dia 21, tem como objetivo reduzir o número de acidentes nas estradas e também dentro das cidades.
No programa semanal Café com a Presidenta, Dilma lembrou que 42 mil pessoas perdem a vida todos os anos em acidentes de trânsito no Brasil. “É um número devastador”, avaliou. O assunto, segundo ela, foi abordado durante conversa com o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, na semana passada.
“A ONU lançou a Década Mundial de Ação pela Segurança no Trânsito. Sabe qual é o objetivo? É tentar reduzir pela metade as mortes no trânsito em todos os países até 2020. Aqui no Brasil, vamos participar desse esforço mundial pela redução das mortes no trânsito”, destacou.
Epidemia
Para a presidenta, os acidentes de trânsito se tornaram uma epidemia e, no Brasil, metade das vítimas é formada por jovens com idade entre 15 e 39 anos. “São perdas irreparáveis para as famílias, para os amigos e para o país”, disse. “Temos que evitar que o motorista dirija em alta velocidade, pegue o volante depois de beber. Sempre lembrando também que todos precisam usar o cinto de segurança”, completou.
Segundo Dilma, o governo vai investir R$ 42 bilhões em obras de infraestrutura para melhorar a qualidade das rodovias no país. Ao todo, mais de 7,5 mil quilômetros (km) devem ser duplicados e modernizados. Também serão investidos quase R$ 40 bilhões em transporte coletivo nos grandes centros urbanos. Além disso, até o final do ano, o governo começa a distribuir 1 milhão de bafômetros para ajudar nas ações de fiscalização.
“Precisamos ainda adaptar a legislação para punir com mais rigor quem adota comportamentos de risco no trânsito. Quem comete uma imprudência no trânsito não está colocando em risco só a própria vida, mas também está colocando em risco a vida dos outros”, concluiu.
FONTE: DIÁRIO DO NORDESTE

Evangelho de hoje (Lucas 9,46-50)


Segunda-Feira, 1 de Outubro de 2012
Santa Teresinha do Menino Jesus


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 46houve entre os discípulos uma discussão, para saber qual deles seria o maior. 47Jesus sabia o que estavam pensando, pegou então uma criança, colocou-a junto de si 48e disse-lhes: “Quem receber esta criança em meu nome, estará recebendo a mim. E quem me receber, estará recebendo aquele que me enviou. Pois aquele que entre todos vós for o menor, esse é o maior”.
49João disse a Jesus: “Mestre, vimos um homem que expulsa demônios em teu nome. Mas nós lho proibimos, porque não anda conosco”. 50Jesus disse-lhe: “Não o proibais, pois quem não está contra vós, está a vosso favor”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

domingo, 30 de setembro de 2012

Eleitorado precisa saber quem deve à Justiça


CANDIDATOS SUB JÚDICE

Fax-símile da matéria publicada no dia 5 de agosto, advertindo para a necessidade de se propagar os nomes dos candidatos com pendência na Justiça

O Ministério Público eleitoral elabora uma relação, para conhecimento do eleitorado cearense, nos próximos dias, dos candidatos que estão na disputa eleitoral ainda dependendo de decisão judicial, agora, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), para saber se poderão ser ou não votados, no próximo domingo.

E como até lá, a Corte maior da Justiça Eleitoral não terá decidido todos os casos, é possível que algumas dessas figuras (candidatos) venham a ser votadas e os sufrágios a elas consignados sejam considerados nulos, exatamente por terem sido julgados inelegíveis é uma boa ideia que todos saibam do risco de literalmente perderem os seus votos, tanto na eleição majoritária quanto na proporcional.

A elaboração da lista com os nomes desses políticos, segundo afirmação do procurador Márcio Torres, chefe da Procuradoria Regional Eleitoral no Ceará, tem a finalidade de advertir ao eleitorado do nosso Estado, não apenas sobre a possibilidade de o cearense estar dando um voto não válido, mas, também, da necessidade de adverti-lo para escolher nomes sem pendência obstaculizadora do registro de sua candidatura, quer a prefeito ou a vereador de qualquer dos 184 municípios cearenses.

Ficha Limpa

A lista não dirá se aquele pretenso candidato está ou não incluído no rol dos alcançados pela Lei da Ficha Limpa, ou por qual razão outra o fez figurar nela, mas isso não diminuirá sua importância na avaliação a ser feita, por quem dela faça uso. Afinal, quem quer que pretenda ser representante do povo precisa estar plenamente quites com as obrigações legais e morais para o exercício da cidadania.

No dia 5 de agosto último, sob o título de "Eleitorado precisa saber quem deve à Justiça", tratamos exatamente dessa situação, por entender estar prestando um serviço à democracia. O eleitor, sabendo que a Justiça Eleitoral questiona a legalidade dessas candidaturas, por conta da vida pregressa dos pretensos postulantes, melhor condição terá de avaliar em quem deve votar.

Essa manifestação do Ministério Público não só é bem-vinda, como reclama apoio de todos os diversos outros segmentos da sociedade defensora de atuação limpa dos detentores de mandatos nas três esferas de Governo.

Ética

Vale aqui destacar uma parte da manifestação da ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), quando votava, na última quinta-feira, pela condenação de réus envolvidos no processo do mensalão, uma das grandes excrescências da política brasileira, nos últimos anos.

"Eu não gostaria , a dez dias de uma eleição, que os jovens, principalmente, desacreditassem da política pelo erro de um ou outro. A melhor política deverá ser sempre exercida com a ética, pois em nossa sociedade a alternativa à ética é o caos, e não discutimos mais se precisamos de ética. Quem exerce cargo político deve exercê-lo com mais rigor", disse a ministra.

A ministra enfatizou que o voto "pela condenação, principalmente desses réus que receberam a confiança dos eleitores, tivesse a característica de uma forma de descrença na política, Porque eu sei que ela é necessária e a ética é a única forma possível de vivermos em sociedade".

EDISON SILVAEDITOR DE POLÍTICA 
FONTE: DIÁRIO DO NORDESTE

INFORMAÇÕES DO TCE - MUNICÍPIO DE PENTECOSTE

PARA OS QUE GOSTAM DE FICAR INFORMADOS E SABER DE DADOS VERDADEIROS, DISPONHAM LEIA TUDO E SE INFORME. ESSES SÃO DADOS OFICIAIS. NÃO ES...