sábado, 21 de janeiro de 2012

Corrigir um comunicador


Imagem de Destaque

No ardor do sucesso nem todos entendem este valor






Tarefa ingrata. Uma das tarefas mais ingratas da comunicação cristã é convencer um comunicador cristão que ele prega errado, sua doutrina tem graves desvios e lacunas e que ele deve mudar o conteúdo e a forma. Ele esperneará, estalará um muxoxo, dará de ombros, ignorará e, se ficar muito ofendido, não falará mais com você e jogará seus discípulos contra você. Se ele tem mais sucesso e reúne e agrada a mais gente que seu bispo e seus colegas padres juntos, ou, se for pastor, atinge mais fiéis do que atingem 100 pastores, por que haveria de mudar?

Saber criticar. Se o crítico tiver 50 anos de púlpito e mostrar realização semelhante à do pregador vitorioso, ainda assim o moderno e novo pregador alegará que atinge mais gente e que os tempos mudaram. Não aceitará orientações ou críticas de quem teve sucesso ontem, mas não teria hoje. Isso silencia qualquer professor de homilética ou de comunicação. Valem os novos instrumentos, os novos métodos, as novas alianças e os novos tempos. Equivaleria a dizer que médicos criadores de hospitais não têm o que ensinar ao novo médico inundado de aplausos e versado em novas técnicas. Além da técnica existe a ética, mas no ardor do sucesso nem todos entendem esses valores! O sucesso tende a pôr a realização acima dos valores.

Os fatos. Os fatos se encarregam de mostrar a realidade. Há tintas novas e brilhantes que chamam atenção, mas desbotam mais depressa do que as tintas não tão chamativas que, porém, duram décadas. Dirão que não é a mesma coisa. Os arquitetos e decoradores sabem que vai depender muito da tinta e não da ênfase das cores. Isso de durar mais tempo é algo inerente à tinta, às camadas e ao ato de pintar.

Comunicar dói. Aí entra, de novo, o crítico da comunicação de quem se comunica para multidões. Ir longe nem sempe é ir certo. Hitler e Fidel Castro empolgavam multidões. Reuniram milhões. É de se perguntar se pregaram a justiça. Elvis Presley, os Beatles e Michael Jackson empolgaram milhões de fãs, mas aquilo durou o tempo que durou, com enormes estragos para a sua personalidade. Tão poderosos e tão dependentes… Os Papas reúnem milhões de pessoas em virtude do cargo, mas olhemos o conteúdo deles e o dos comunicadores famosos que usam a mídia de agora. As chaves mestras são o conteúdo, a ética do comunicar e a representatividade do falar.

Correção fraterna. Quando, pois, algum irmão na fé chama a atenção para o conteúdo e a forma de catequese do outro é melhor que o crítico prove que tem este conteúdo e esta serenidade e que o criticado prove que também os tem.

Marketing danoso. Em matéria de púlpito há sempre o perigo do deslumbramento e do pouco vislumbre. O imediatismo é um grande inimigo dos que agora mergulham em cheio na mídia moderna. Abraçar o marketing sem reservas não é boa escolha. Talvez isso explique tantos milagres e curas, tantos novos demônios, tantas respostas rápidas e urgentes e tantas promessas de fé eficaz. O marketing da fé tem esse inconveniente. Por ser marketing tem pressa e precisa superlativar fatos, pessoas e igrejas, caso contrário não empolgará nem trará novos adeptos. Maquia-se o que não vai bem e acentua-se o que parece vitorioso. Por isso o microfone é facilmente colocado nas mãos do fiel que acaba de receber a cura de um tumor, ali mesmo, no templo. Mas o mesmo microfone não será posto nas mesmas mãos quando o fiel voltar dizendo que o tumor voltou… Atrapalharia o marketing daquele pregador e daquela igreja. Já vi este filme diversas vezes. Não havendo Procon da fé o fiel não curado não tem a quem recorrer. Ou teria?

Crítica construtiva. O crítico da comunicação religiosa há de admitir críticas à sua atuação, pedir perdão quando errar e aceitar corrigir seus textos e suas posturas. Se quiser ter autoridade começará por si mesmo. Mas não deve ter medo de falar claro com quem está na "crista da onda". Quem já surfou tem todo o direito de chamar a atenção dos novos surfistas, desde que aceite que os novos surfistas lhe mostrem as novas técnicas desse perigoso e bonito esporte.

Pregar não é esporte, mas é tão perigoso quanto surfar ondas em mar revolto. Os cursos de comunicação existem, não apenas para quem começa a surfar as ondas, mas também para quem domina pranchas e já ganhou prêmios internacionais. E daí? Até o Papa e os reis são orientados por assessores!

Cantei doante do beato João Paulo II duas vezes e lembro-me do cuidado com que preparava os papéis e os dois microfones antes de falar. E de comunicação ele entendia! Na enfermidade perdeu o brilho, mas não a mística. Vi-o pregar dias antes de sua morte. Passava credibilidade!

Hoje, quando vejo cantores e compositores se negando a corrigir textos errôneos, sem o menor desejo de corrigir suas celebrações, seguros de que o que fazem é o melhor para o povo de Deus, interrogo-me sobre as novas tintas, os novos métodos e as novas iluminuras. Parecem melhores e mais vistosas. Tomara que sejam. Uma igreja inteira está questionando nosso conteúdo, nossa maneira de pregar e presidir a Eucaristia, os holofotes e os protagonismos de agora. Outra vez, tomara que estejamos todos errados e que os que atingem multidões estejam certos. Afinal, é a eles que as multidões ouvem. Os mestres dessa gente são eles. Seus ouvintes não ouvem os professores universitários nem os bispos. Se eles se desviarem na doutrina e no testemunho, o estrago será maior. Pede-se mais daquele a quem mais foi concedido. Pelo volume de pessoas que tingem deveriam ler dez vezes mais que os outros colegas. Espero que o façam!

Padre Zezinho
Escritor, compositor e cantor. Congregação Dehonianos


Aprovação de Dilma supera a de Lula após primeiro ano


Mesmo com toda campanha contra ela feita pela imprensa corrupta

A presidenta Dilma Rousseff atingiu no fim do primeiro ano de seu governo um índice de aprovação recorde, maior que o alcançado nesse estágio por todos os presidentes que a antecederam desde a volta das eleições diretas, informa reportagem de Bernardo Mello Franco, publicada na Folha deste domingo.

Segundo pesquisa Datafolha, 59% dos brasileiros consideram sua gestão ótima ou boa, enquanto 33% classificam a gestão como regular e 6% como ruim ou péssima.

Ao completar um ano no Planalto, Fernando Collor tinha 23% de aprovação. Itamar Franco contava 12%. Fernando Henrique Cardoso teve 41% no primeiro mandato e 16% no segundo. Lula alcançou 42% e 50%, respectivamente.

O Datafolha ouviu 2.575 pessoas nos dias 18 e 19 de janeiro. A margem de erro do levantamento é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

FOLHA

Conheça a história da santa protetora dos olhos



Da Redação, com Agências



Santa Luzia (ou Santa Lúcia), cujo nome deriva do latim, é muito amada e invocada como a protetora dos olhos, janela da alma, canal de luz.

Conta-se que pertencia a uma família italiana e rica, que lhe deu ótima formação cristã, ao ponto de Luzia ter feito um voto de viver a virgindade perpétua. Com a morte do pai, Luzia soube que sua mãe queria vê-la casada com um jovem de distinta família, porém pagão. Ao pedir um tempo para o discernimento foi para uma romaria ao túmulo da mártir Santa Ágeda, de onde voltou com a certeza da vontade de Deus quanto à virgindade e quanto aos sofrimento por que passaria, como Santa Ágeda.

Vendeu tudo, deu aos pobres e logo foi acusada pelo jovem que a queria como esposa. Santa Luzia, não querendo oferecer sacrifício ao deuses e nem quebrar o seu santo voto, teve que enfrentar as autoridades perseguidoras e até a decapitação em 303, para assim testemunhar com a vida, ou morte o que disse: "Adoro a um só Deus verdadeiro, e a ele prometi amor e fidelidade".

Somente em 1894 o martírio da jovem Luzia, também chamada Lúcia, foi devidamente confirmado, quando se descobriu uma inscrição escrita em grego antigo sobre o seu sepulcro, em Siracusa, Ilha da Sicília. A inscrição trazia o nome da mártir e confirmava a tradição oral cristã sobre sua morte no início do século IV.

Mas a devoção à santa, cujo próprio nome está ligado à visão ("Luzia" deriva de "luz"), já era exaltada desde o século V. Além disso, o papa Gregório Magno, passado mais um século, a incluiu com todo respeito para ser citada no cânone da missa. Os milagres atribuídos à sua intercessão a transformaram numa das santas auxiliadoras da população, que a invocam, principalmente, nas orações para obter cura nas doenças dos olhos ou da cegueira.

Diz a antiga tradição oral que essa proteção, pedida a santa Luzia, se deve ao fato de que ela teria arrancado os próprios olhos, entregando-os ao carrasco, preferindo isso a renegar a fé em Cristo. A arte perpetuou seu ato extremo de fidelidade cristã através da pintura e da literatura. Foi enaltecida pelo magnífico escritor Dante Alighieri, na obra "A Divina Comédia", que atribuiu a santa Luzia a função da graça iluminadora. Assim, essa tradição se espalhou através dos séculos, ganhando o mundo inteiro, permanecendo até hoje.

Luzia pertencia a uma rica família de Siracusa. Sua mãe, Eutíquia, ao ficar viúva, prometeu dar a filha como esposa a um jovem da Corte local. Mas a moça havia feito voto de virgindade eterna e pediu que o matrimônio fosse adiado. Isso aconteceu porque uma terrível doença acometeu sua mãe. Luzia, então, conseguiu convencer Eutíquia a segui-la em peregrinação até o túmulo de santa Águeda ou Ágata. A mulher voltou curada da viagem e permitiu que a filha mantivesse sua castidade. Além disso, também consentiu que dividisse seu dote milionário com os pobres, como era seu desejo.

Entretanto quem não se conformou foi o ex-noivo. Cancelado o casamento, foi denunciar Luzia como cristã ao governador romano. Era o período da perseguição religiosa imposta pelo cruel imperador Diocleciano; assim, a jovem foi levada a julgamento. Como dava extrema importância à virgindade, o governante mandou que a carregassem à força a um prostíbulo, para servir à prostituição. Conta a tradição que, embora Luzia não movesse um dedo, nem dez homens juntos conseguiram levantá-la do chão. Foi, então, condenada a morrer ali mesmo. Os carrascos jogaram sobre seu corpo resina e azeite ferventes, mas ela continuava viva. Somente um golpe de espada em sua garganta conseguiu tirar-lhe a vida. Era o ano 304.

Para proteger as relíquias de santa Luzia dos invasores árabes muçulmanos, em 1039, um general bizantino as enviou para Constantinopla, atual território da Turquia. Elas voltaram ao Ocidente por obra de um rico veneziano, seu devoto, que pagou aos soldados da cruzada de 1204 para trazerem sua urna funerária. Santa Luzia é celebrada no dia 13 de dezembro e seu corpo está guardado na Catedral de Veneza, embora algumas pequenas relíquias tenham seguido para a igreja de Siracusa, que a venera no mês de maio também.

Gravidez de quadrigêmeas era farsa, confirma advogado


Maria Verônica Vieira  pode responder por falsidade ideológica e estelionato


Jornal do Brasil
O advogado Enilson de Castro, que representa a mulher que disse estar grávida de quadrigêmeos em Taubaté, caso que ganhou repercussão nacional nas últimas semanas, admitiu, na última sexta-feira, que a gestação era falsa. Ainda não foi informado o motivo de Maria Verônica Vieira ter inventado a gravidez. A polícia abriu um inquérito para apurar o caso. Ela, o marido e o médico serão chamados para prestar depoimento.
O caso está sendo apurado para saber se Maria Verônica, que chegou a receber doações de fraldas, berços e roupas, agiu de má fé para lucrar financeiramente. Ela pode responder por falsidade ideológica e estelionato.
Uma funcionária que trabalha na escola infantil de Maria Verônica, que não quis se identificar, contou à TV Vanguarda que recebeu uma ligação de um parente da suposta grávida. "Uma ligação de uma pessoa próxima da Verônica dizendo que não era para ir trabalhar mais, porque descobriram que ela não está grávida e era perigoso abrir a escola".

Maria Veronica pode responder por falsidade ideológica e estelionato
Maria Veronica pode responder por falsidade ideológica e estelionato

As portas da escola estavam fechadas. O aposentado Roberto Faria dos Santos, que mora no bairro há 57 anos, viu várias vezes a suposta grávida e disse que do dia para noite ela apareceu com o barrigão.
A reviravolta do caso aconteceu nesta semana, depois que o médico que atendeu Maria Verônica até o fim do ano passado levantou suspeitas sobre a gravidez. Desde então, o casal nunca mais foi visto e não atende às ligações.
A Polícia Civil de Taubaté até agora não conseguiu localizar Verônica. Por duas vezes eles tentaram entregar a intimação. Numa delas, o próprio advogado da mulher não quis receber o documento. 

Ministros técnicos no governo


A presidenta Dilma Rousseff deu início à reforma ministerial impondo um estilo técnico ao governo
 
A presidenta Dilma Rousseff deu início à reforma ministerial impondo um estilo técnico ao governo. Confirmou a saída do ministro da Educação, Fernando Haddad, que vai disputar em outubro a prefeitura de São Paulo pelo PT. Para o lugar dele, oficializou o também petista Aloizio Mercadante, que deixa o Ministério de Ciência e Tecnologia, mudanças que já eram conhecidas. A novidade foi a indicação de um cientista para o lugar de Mercadante. 

O novo titular da Ciência e Tecnologia será o atual presidente da Agência Espacial Brasileira, Marco Antonio Raupp. A indicação de um técnico, principalmente numa pasta estratégica como ciência e tecnologia, é uma ótima notícia para o país. 

Dilma sempre quis colocar um escalão técnico nos ministérios, mas sempre foi impedida pelos partidos que fazem jogo político. ?Segundo reportagem da Gazeta do Povo, O PSB, partido da base aliada de Dilma, sonhava em indicar um nome para a Ciência e Tecnologia e, assim, aumentar seu espaço na Esplanada. O nome do ex-ministro Ciro Gomes (PSB-CE) chegou a ser cogitado nos bastidores. 

Alas do PT também fizeram lobby pela indicação de um político para o cargo. Aliados da senadora Marta Suplicy (PT-SP) esperavam vê-la recompensada por ter aberto mão da candidatura à prefeitura de São Paulo em favor de Haddad. A escolha de Marco Antônio Raupp para o ministério, porém, foi bancada por Mercadante e pela própria Dilma. Há dez meses, Raupp ocupava a presidência da Agência Especial Brasileira (AEB), cargo no qual ganhou projeção. Buscou solucionar os atrasos no envio de satélites nacionais, além de aproximar a agência do setor privado. “Falta uma Embraer no setor espacial”, costumava dizer.
 
Um de seus objetivos era unir a AEB com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), entidade da qual foi pesquisador. Para Raupp, não faz sentido o país ter uma instituição para fazer pesquisa e projetar satélites (o Inpe) e outra para coordenar a política espacial (a AEB). Raupp, de 73 anos, é físico formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e PhD em Matemática pela Universidade de Chicago, além de livre-docente pela Universidade de São Paulo (USP). 

Nascido na cidade de Cachoeira do Sul, a 196 km de Por to Alegre (RS), a carreira acadêmica de Raupp tem passagem pela Universidade de Brasília (UnB), como professor-adjunto. Além do Inpe, foi ainda pesquisador titular do Laboratório Nacional de Computação Científica. Ocupou também o cargo de presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), principal entidade científica do país. E comandou a Sociedade Brasileira de Matemática Aplicada e Computacional. Também ocupou o cargo de diretor do Parque Tecnológico, em São José dos Campos (SP). É membro titular da Academia Internacional de Astronáutica (IAA, na sigla em inglês).
 
A posse de Raupp na Ciência e Tecnologia e de Mercadante na Educação será na próxima terça-feira. Que a presidenta consiga impor uma administração técnica em todos os ministérios.
 
Fonte: Jornal de Colombo
contato@jornaldecolombo.com.br

Evangelho (Marcos 3,20-21)


Sábado, 21 de Janeiro de 2012


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 20Jesus voltou para casa com os discípulos. E de novo se reuniu tanta gente que eles nem sequer podiam comer. 21Quando souberam disso, os parentes de Jesus saíram para agarrá-lo, porque diziam que estava fora de si.


- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

O projeto jovem de futuro no Colégio Alcebíades




As escolas que tiveram o que estão tendo a oportunidade de trabalhar o Projeto Jovem de futuro tem dado uma virada na qualidade do ensino.

A Escola Etelvina Gomes Bezerra, Pentecoste-Ceará, foi contemplada com este programa e está preparando toda uma reestruturação para que a mesma possa mudar radicalmente seus índices educacionais nos anos de 2012-2013.
Temos certeza que teremos surpresas agradáveis com implantação desse projeto que vem para sacudir a Escola. Aguarde!

Vejam este vídeos e tirem suas conclusões.




Instituto Unibanco

Fundado em 1982, o Instituto Unibanco é o responsável pelo investimento social do conglomerado Unibanco. Sua missão é a de contribuir para o desenvolvimento humano de jovens em situação de vulnerabilidade, por meio da concepção, validação e disseminação de princípios e tecnologias sociais capazes de aumentar a efetividade de políticas públicas, especialmente na área da educação.

Para atingir seus objetivos, o Instituto desenvolve projetos em parceria com governos estaduais e dezenas de organizações da sociedade civil, em todo o país. Em grande parte, esses projetos estão orientados para a melhoria do Ensino Médio oferecido por escolas públicas, considerada uma questão crucial para o futuro da juventude e para o desenvolvimento sustentável do país.
O Instituto Unibanco visa a reforçar no jovem o nexo entre educação e trabalho, por meio da Lei de Aprendizagem; despertar uma visão de futuro, para que ele desenvolva um senso de responsabilidade por suas ações nos campos econômico, social e ambiental; além de ampliar seu universo cultural.

Todas essas ações devem confluir para o jovem que está cursando o Ensino Médio em escolas públicas – foco de atuação do Instituto Unibanco. Seus principais projetos são o Jovem de Futuro e o Entre Jovens.

Missão: contribuir para o desenvolvimento humano de jovens em situação de vulnerabilidade.

Valores: transparência; responsabilidade e co-responsabilidade; excelência dos resultados; conhecimento; coragem de ousar; identidade como força e integração.

Objetivos estratégicos: incentivar e apoiar a formulação de políticas públicas voltadas à juventude; identificar, produzir e disseminar conhecimento sob forma de informações, estudos e tecnologias sociais; garantir padrões de eficiência, eficácia e efetividade para a obtenção de resultados.
O que é o Projeto Jovem de Futuro?

Trata-se de uma ação concebida pelo Instituto Unibanco, e desenvolvida em parceria com governos, para escolas públicas de Ensino Médio, com o objetivo de aumentar o desempenho escolar dos alunos e diminuir os índices de evasão. Para atingir esses objetivos, as escolas participantes recebem apoio técnico e financeiro para a concepção, implantação e avaliação de um Plano de Melhoria de Qualidade, com duração de três anos, ou seja, o ciclo das três séries do Ensino Médio.

As escolas públicas participantes recebem apoio técnico para a elaboração de um plano estratégico, utilizando a metodologia do Marco Lógico, assistência técnica para uma “gestão para resultados” e R$100,00 (cem reais) por aluno do Ensino Médio/ ano, para a implantação desse plano. Em contrapartida, comprometem-se a melhorar substancialmente o desempenho de seus alunos no SAEB - Sistema de Avaliação da Educação Básica – na 3ª série do Ensino Médio, em Língua Portuguesa e em Matemática e a diminuir seus índices de evasão.

Essas escolas têm autonomia para decidir sobre prioridades na alocação dos recursos - já que a comunidade escolar deve ser a protagonista das transformações que considera necessárias - desde que priorizem estratégias de incentivo a professores (fundo de apoio a projetos pedagógicos, capacitação, premiação por frequência e rendimento dos alunos), incentivos para alunos (programa de monitoria, fundo para atividades, premiação por desempenho, fundo para necessidades especiais, acesso à cultura) ou melhoria da infraestrutura.


O Projeto Jovem de Futuro: Melhoria da Qualidade do Ensino Médio baseia-se no princípio de que um pequeno investimento de recursos técnicos e financeiros, colocado à disposição de qualquer escola pública, o qual respeite a autonomia e o protagonismo da comunidade escolar, pode trazer um impacto significativo nos resultados, desde que esteja direcionado para que a comunidade escolar se mobilize em torno de metas e estratégias pactuadas; reforce a gestão para resultados e ofereça incentivos para professores e alunos.

São os seguintes os princípios e premissas do Projeto Jovem de Futuro:
I. Melhorar as condições humanas e materiais do ambiente escolar traz resultados positivos aos estudantes.
II. Todas as partes integrantes da unidade escolar devem estar envolvidas em torno do objetivo comum de transformar a realidade da escola.
III. Envolvimento e compromisso da comunidade escolar se conquistam com motivação.
IV. Indivíduos motivados são causas geradoras de transformação social.

Assim, o Projeto Jovem de Futuro estimula as escolas a implementarem:
• incentivos para professores, tais como premiação por pontualidade e assiduidade, acesso à capacitação, fundos para projetos pedagógicos;
• incentivos para alunos, como bolsas-monitoria, fundos para desenvolvimento de projetos/atividades, premiação por desempenho e , acesso a atividades culturais;
• melhorias no ambiente físico, por meio da aquisição de equipamentos, novos recursos didáticos, materiais pedagógicos e pela realização de pequenos reparos

A melhoria da qualidade da escola e do ensino depende de um processo que garanta a autonomia da comunidade escolar (direção, professores, alunos e pais) na identificação dos fatores que interferem nos resultados de sua ação educativa, além da concepção, implantação e avaliação de um Plano Estratégico de Melhoria de Qualidade.

O Projeto Jovem de Futuro também parte do pressuposto de que cada escola apresenta especificidades que devem ser apuradas e respeitadas, ou seja, que cada escola apresenta necessidades específicas, relacionadas ao clima escolar ou ao apoio e desenvolvimento de projetos pedagógicos. Considerando a pluralidade de circunstâncias das escolas, e as múltiplas dificuldades que encontram, o Projeto prevê a cuidadosa elaboração de um Plano Estratégico de Melhoria de Qualidade, cujo sucesso dependerá de uma análise preliminar e minuciosa das condições e deficiências de cada escola, passo necessário para a imaginação e a realização das soluções adequadas.

Metas

A execução do Projeto Jovem de Futuro está orientada para o alcance de algumas metas fundamentais:
• reduzir em 40% os índices de evasão/abandono escolar, desta etapa de escolaridade;
• aumentar a média da escola, do Ensino Médio em, no mínimo, 25 pontos;
• diminuir em 50% o percentual de alunos no padrão de desempenho “Baixo“, nas disciplinas avaliadas.

Como consequência, o projeto tem ainda como meta a melhoria do IDEB – Índice de Desenvolvimento da Educação Básica - das escolas envolvidas. Nesse passo, vale lembrar que o IDEB é constituído por indicadores de rendimento e fluxo escolar, em harmonia com as metas fundamentais do Projeto Jovem do Futuro.

Sabemos que essas metas, mensuráveis através de indicadores, só serão alcançadas por uma mudança mais ampla, e para melhor, de toda a escola. Por isso, o Projeto Jovem do Futuro abriga ainda a ambição de:

(a) fomentar a melhoria do clima escolar, no que se refere ao respeito, solidariedade, disciplina e diminuição da violência;

(b) oferecer condições para a melhoria da formação e das condições de trabalho dos profissionais da escola;

(c) promover uma cultura de avaliação como instrumento de aperfeiçoamento do processo ensino-aprendizagem;

(d) apoiar a gestão participativa e guiada por resultados;

(e) contribuir para a melhoria do ambiente físico escolar com relação a instalações e equipamentos.

[1] O IDEB é um indicador sintético adotado pelo MEC – Ministério da Educação – calculado a partir de dois componentes: taxa de aprovação e média de desempenho nos exames padronizados aplicados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais. Os índices de aprovação são obtidos a partir do Censo Escolar, realizado anualmente, e as médias de desempenho utilizadas são as do SAEB.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Artigo sobre o BBB* – Luís Fernando Veríssimo


Publicado a 24 Janeiro 2011 por Vitalves



big brother

Que me perdoem os ávidos telespectadores do Big Brother Brasil (BBB), produzido e organizado pela nossa distinta Rede Globo, mas conseguimos chegar ao fundo do poço. [...] Chega a ser difícil encontrar as palavras adequadas para qualificar tamanho atentado à nossa modesta inteligência. 

[...] Pergunto-me, por exemplo, como um jornalista, documentarista e escritor como Pedro Bial que, faça-se justiça, cobriu a Queda do Muro de Berlim, se submete a ser apresentador de um programa desse nível. Em um e-mail que recebi há pouco tempo, Bial escreve maravilhosamente bem sobre a perda do humorista Bussunda referindo-se à pena de se morrer tão cedo. Eu gostaria de perguntar se ele não pensa que esse programa é a morte da cultura, de valores e princípios, da moral, da ética e da dignidade. 

Outro dia, durante o intervalo de uma programação da Globo, um outro repórter acéfalo do BBB disse que, para ganhar o prêmio de um milhão e meio de reais, um Big Brother tem um caminho árduo pela frente, chamando-os de heróis. Caminho árduo? Heróis? São esses nossos exemplos de heróis? 

Caminho árduo para mim é aquele percorrido por milhões de brasileiros, profissionais da saúde, professores da rede pública (aliás, todos os professores) , carteiros, lixeiros e tantos outros trabalhadores incansáveis que, diariamente, passam horas exercendo suas funções com dedicação, competência e amor e quase sempre são mal remunerados. 

Heróis são milhares de brasileiros que sequer tem um prato de comida por dia e um colchão decente para dormir, e conseguem sobreviver a isso todo santo dia. 

Heróis são crianças e adultos que lutam contra doenças complicadíssimas porque não tiveram chance de ter uma vida mais saudável e digna. 

Heróis são inúmeras pessoas, entidades sociais e beneficentes, ONGs, voluntários, igrejas e hospitais que se dedicam ao cuidado de carentes, doentes e necessitados (vamos lembrar de nossa eterna heroína Zilda Arns). 

O Big Brother Brasil não é um programa cultural, nem educativo, não acrescenta informações e conhecimentos intelectuais aos telespectadores, nem aos participantes, e não há qualquer outro estímulo como, por exemplo, o incentivo ao esporte, à música, à criatividade ou ao ensino de conceitos como valor, ética, trabalho e moral. São apenas pessoas que se prestam a comer, beber, tomar sol, fofocar, dormir e agir estupidamente para que, ao final do programa, o “escolhido” receba um milhão e meio de reais. E ai vem algum psicólogo de vanguarda e me diz que o BBB ajuda a "entender o comportamento humano". Ah, tenha dó!!! 

Veja o que está por de tra$$$ do BBB: José Neumani da Rádio Jovem Pan, fez um cálculo de que se vinte e nove milhões de pessoas ligarem a cada paredão, com o custo da ligação a trinta centavos, a Rede Globo e a Telefônica arrecadam oito milhões e setecentos mil reais. Eu vou repetir: oito milhões e setecentos mil reais a cada paredão. 

Já imaginaram quanto poderia ser feito com essa quantia se fosse dedicada a programas de inclusão social, moradia, alimentação, ensino e saúde de muitos brasileiros? (Poderia ser feito mais de 520 casas populares; ou comprar mais de 5.000 computadores). Essas palavras não são de revolta ou protesto, mas de vergonha e indignação, por ver tamanha aberração ter milhões de telespectadores. 

Em vez de assistir ao BBB, que tal ler um livro, um poema de Mário Quintana ou de Neruda ou qualquer outra coisa..., ir ao cinema..., estudar... , ouvir boa música..., cuidar das flores e jardins... , telefonar para um amigo... , visitar os avós... , pescar..., brincar com as crianças... , namorar... ou simplesmente dormir. Assistir ao BBB é ajudar a Globo a ganhar rios de dinheiro e destruir o que ainda resta dos valores sobre os quais foi construído nossa sociedade. 

Obs.: BBB* - Big Brother Brasil

( Luís Fernando Veríssimo  )

DIA DE SÃO SEBASTIÃO

São Sebastião
O santo de hoje nasceu em Narbonne; os pais eram oriundos de Milão, na Itália, do século terceiro. São Sebastião, desde cedo, foi muito generoso e dado ao serviço. Recebeu a graça do santo batismo e zelou por ele em relação à sua vida e à dos irmãos.

Ao entrar para o serviço no Império como soldado, tinha muita saúde no físico, na mente e, principalmente, na alma. Não demorou muito, tornou-se o primeiro capitão da guarda do Império. Esse grande homem de Deus ficou conhecido por muitos cristãos, pois, sem que as autoridades soubessem – nesse tempo, no Império de Diocleciano, a Igreja e os cristãos eram duramente perseguidos –, porque o imperador adorava os deuses. Enquanto os cristãos não adoravam as coisas, mas as três Pessoas da Santíssima Trindade.

Esse mistério o levava a consolar os cristãos que eram presos de maneira secreta, mas muito sábia; uma evangelização eficaz pelo testemunho que não podia ser explícito.

São Sebastião tornou-se defensor da Igreja como soldado, como capitão e também como apóstolo dos confessores, daqueles que eram presos. Também foi apóstolo dos mártires, os que confessavam Jesus em todas as situações, renunciando à própria vida. O coração de São Sebastião tinha esse desejo: tornar-se mártir. E um apóstata denunciou-o para o Império e lá estava ele, diante do imperador, que estava muito decepcionado com ele por se sentir traído. Mas esse santo deixou claro, com muita sabedoria, auxiliado pelo Espírito Santo, que o melhor que ele fazia para o Império era esse serviço; denunciando o paganismo e a injustiça.

São Sebastião, defensor da verdade no amor apaixonado a Deus. O imperador, com o coração fechado, mandou prendê-lo num tronco e muitas flechadas sobre ele foram lançadas até o ponto de pensarem que estava morto. Mas uma mulher, esposa de um mártir, o conhecia, aproximou-se dele e percebeu que ele estava ainda vivo por graça. Ela cuidou das feridas dele. Ao recobrar sua saúde depois de um tempo, apresentou-se novamente para o imperador, pois queria o seu bem e o bem de todo o Império. Evangelizou, testemunhou, mas, dessa vez, no ano de 288 foi duramente martirizado.

São Sebastião, rogai por nós!


Fonte: Canção Nova

Enem: MEC cancela primeira edição de 2012 do exame


Na noite desta sexta-feira o Ministério da Educação (MEC) afirmou que a primeira edição do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste ano foi cancelada. 

De acordo com o ministério, a empresa Modulo Security, de gestão de risco, fez uma avaliação e concluiu que a realização de duas edições em 2012 sobrecarregaria as estruturas logísticas do exame.

O diagnóstico foi feito depois de consultar todas as entidades envolvidas na organização da prova: o consórcio Cespe-Cesgranrio, os Correios e a gráfica responsável pela impressão dos materiais. 
Diante disso, o governo decidiu abortar os planos de aplicar uma prova por semestre em 2012. Apenas uma edição será realizada neste ano, em novembro, nos dias 3 e 4.
Com informações do Portal TERRA

A má-fé da imprensa em relação ao Papa


Caro Internauta, observe a sujeira e a má-fé da imprensa de modo geral quando se trata da Igreja e do Papa Bento XVI. Leia este trecho da palavra do Santo Padre, discursando para os embaixadores dos países que têm relação com a Santa Sé, no último dia 9 de janeiro:

A educação é um tema crucial para todas as gerações, pois depende dela tanto o desenvolvimento saudável de cada pessoa como o futuro da sociedade inteira. Por isso mesmo, aquela constitui uma tarefa de primária grandeza num tempo difícil e delicado. Para além de um objetivo claro, como é o de levar os jovens a um pleno conhecimento da realidade e, consequentemente, da verdade, a educação tem necessidade de lugares. Dentre estes, conta-se em primeiro lugar a família, fundada sobre o matrimônio entre um homem e uma mulher; não se trata duma simples convenção social, mas antes da célula fundamental de toda a sociedade.

Por conseguinte, as políticas que atentam contra a família ameaçam a dignidade humana e o próprio futuro da humanidade. O quadro familiar é fundamental no percurso educativo e para o próprio desenvolvimento dos indivíduos e dos Estados; consequentemente, são necessárias políticas que o valorizem e colaborem para a sua coesão social e diálogo. É na família que a pessoa se abre ao mundo e à vida e, como tive ocasião de lembrar durante a minha viagem à Croácia, «a abertura à vida é um sinal da abertura ao futuro».

Mais em geral, visando sobretudo o mundo ocidental, estou convencido de que se opõem à educação dos jovens e, consequentemente, ao futuro da humanidade as medidas legislativas que permitem, quando não incentivam, o aborto por motivos de conveniência ou por razões médicas discutíveis.



Muito bem! Estas foram as palavras de Bento XVI. Nem mais nem menos. O que a Revista Veja que está nas bancas (edição 2252, 18/01/2012, na seção “Panorama”) afirmou, fazendo eco à imprensa internacional, seguindo a agência de notícias Reuters? Eis, as palavras da Veja, que se considera séria e imparcial: “Endureceu o discurso contra a união homossexual o papa Bento XVI. O pontífice disse para diplomatas de 180 países que o casamento gay é ‘uma ameaça para o futuro da humanidade’”.

Aqui está! Foi assim com o Discurso do Papa em Ratisbona, na passagem em que se referiu a Maomé; foi assim quando falou da “chaga” que é a situação dos casais em segunda união; aqui no Brasil se afirmou que o Papa dissera que os casais em segunda união seriam uma “praga”; foi assim com outras situações sérias, como a atitude do então Cardeal Ratzinger na questão dos pedófilos que estavam no meio do clero emporcalhando o nome de Cristo e da Igreja! Sempre um modo de denegrir, de truncar a verdade para tornar o Papa odioso.

Só para recordar: é claro que a Igreja e o Papa são contra a união homossexual com status de “casamento”. Ninguém é contrário a que duas pessoas do mesmo sexo, adultas e senhoras de si, livremente queiram viver juntas, inclusive com vida sexual ativa. É pecado? Certamente! É contra os preceitos cristãos? Sem dúvida nem apelação! A Igreja chamará de normal e moralmente positivo tal caminho? Nunca! Mas, ninguém pode impedir a relação entre duas pessoas homossexuais nem deve querer impor nada contra a liberdade de ninguém! A Igreja sequer é contra a que um parceiro tenha direitos de herança, benefício saúde e outros, derivados dessa união. O que os cristãos são contrários é que se dê a esta união um estatuto de matrimônio e de família, pois aí já não se trata de respeitar uma minoria, mas destruir o conceito de família próprio da maioria e no qual se estriba a própria civilização ocidental, já tão ferida e desmoralizada... O raciocínio é simples: se tudo é família; nada é família! É o conceito de família de toda a sociedade que fica prejudicado pela imposição de uma minoria que hoje é poderosíssima! Esta é a posição da Igreja, do Papa e de qualquer pessoa de bom senso.

Minha questão aqui é outra: trata-se da desonestidade da imprensa, que sempre procura, de modo capcioso, deturpar as palavras do Papa para torná-lo antipático e odioso ante a opinião pública. Não me preocupo se o Papa agrada ou não à mídia e aos “papas” da cultura secularizada atual; mas me indigna a sordidez dessa imprensa que se quer passar por isenta e honesta.

Uma sugestão? Escreva à Revista Veja protestando e pedindo uma correção! Envie a cópia do discurso do Papa. Está no site do Vaticano: www.vatican.va. É uma questão de justiça!

Evangelho (Marcos 3,13-19)


Sexta-feira, 20 de Janeiro de 2012

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 13Jesus subiu ao monte e chamou os que ele quis. E foram até ele.14Então Jesus designou Doze, para que ficassem com ele e para enviá-los a pregar,15com autoridade para expulsar os demônios. 16Designou, pois, os Doze: Simão, a quem deu o nome de Pedro; 17Tiago e João, filhos de Zebedeu, aos quais deu o nome de Boanerges, que quer dizer “Filhos do trovão”; 18André, Filipe, Bartolomeu, Mateus, Tomé, Tiago, filho de Alfeu, Tadeu, Simão, o cananeu, 19e Judas Iscariotes, aquele que depois o traiu.

Comentário do Evangelho com Valdeni Cruz




- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Projeto Jovem de Futuro


O Jovem de Futuro é um projeto de Gestão Escolar para Resultados da Secretaria de Educação do Ceará  (Seduc) em parceria com o Instituto Unibanco que oferece às escolas participantes apoio técnico e financeiro para, em um período de 3 anos (duração do Ensino Médio), melhorar substancialmente seu desempenho.

As escolas recebem capacitação e assessoria técnica para planejar, executar, acompanhar e avaliar uma proposta de melhoria de seus resultados e R$ 100/aluno/ano para financiar as ações estratégicas previstas neste plano.

O Jovem de Futuro é, portanto, uma proposta que visa mobilizar alunos, professores e famílias em torno de metas pactuadas para um mesmo objetivo: garantir que os jovens entrem, permaneçam, tenham um bom desempenho e terminem o Ensino Médio.


Os excelentes resultados que vêm sendo obtidos pelo projeto comprovam sua premissa inicial: se uma escola pública for desafiada a melhorar seus resultados e tiver as condições técnicas e financeiras para definir suas próprias estratégias de superação, ela responde positivamente a esse desafio. Ou seja, com integração de esforços, instrumentos técnicos e financeiros e autonomia com responsabilidade, qualquer escola pública é capaz de dar uma grande virada e superar seus principais pontos críticos.

Dilma vai influenciar eleições de 2012, diz analista


Agência Estado

A avaliação positiva do governo da presidente Dilma Rousseff (PT) na Região Metropolitana de Campinas (RMC), num porcentual mais elevado do que o do governo do Estado, administrado pelo tucano Geraldo Alckmin, conforme pesquisa divulgada nesta quinta-feira pelo Instituto Unidade de Pesquisa (UP), indica que a petista poderá ter influência nas eleições municipais do ano que vem. A avaliação é do presidente do UP, Sidney Kuntz, especialista em marketing político e analista de pesquisas eleitorais e administrativas.
De acordo com Kuntz, a mostra, realizada em 19 municípios da Região Metropolitana de Campinas, para o "Jornal Todo Dia", é um indicativo do peso político que a presidente terá nas eleições do ano que vem. "Isso porque a despeito da herança que a presidente Dilma recebeu do governo Lula, inclusive a pecha de afilhada política, a população vem identificando o seu governo com vida própria e sabe que os problemas que ela vem enfrentando, no tocante às denúncias envolvendo alguns ministros, são fatos remanescentes do governo anterior. Isso é muito significativo."
A sondagem aponta que a administração da presidente é avaliada como "ótima" ou "boa" por 51,8%, como "regular" por 28,8% e como "ruim" ou "péssima" por 16,5% dos entrevistados, sendo que 2,9% não souberam responder. A gestão do governador de São Paulo, por sua vez, é considerada "ótima" ou "boa" por 49,7%, "regular" por 33,1% e "ruim" ou "péssima" por 11,%, sendo que 5,6% não souberam responder. O levantamento foi promovido entre os meses de outubro e novembro, com mais de 7 mil entrevistados e tem margem de erro de 1,1 ponto porcentual, para mais ou para menos.
Kuntz destaca que a presidente Dilma Rousseff teve no Estado de São Paulo, nas eleições 2010, 45% dos votos. E hoje, tem de aprovação 51,8% na Região Metropolitana de Campinas. No entender do analista, essa avaliação é um indicativo que a força política de Dilma não pode ser desconsiderada pelos adversários, sobretudo pelos tucanos. "Até seis meses atrás, falava-se apenas na influência de Lula em alavancar as candidaturas do PT e aliados nas eleições 2012. Mas, a presidente vem demonstrando que pode também ocupar este cenário, pois se situa no meio termo entre o conservadorismo e o populismo", emendou.

LDB poderá ter limites ao número de alunos por turma


[Foto:]

As turmas de pré-escola e dos dois primeiros anos do ensino fundamental poderão contar com no máximo 25 alunos. Nos anos subsequentes do ensino fundamental e no ensino médio, poderão estar em cada sala de aula até 35 alunos. Os limites estão previstos no Projeto de Lei do Senado (PLS) 504/11, de autoria do senador Humberto Costa (PT-PE), que está pronto para votação na Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE), onde receberá decisão terminativa .

O projeto modifica o artigo 25 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), segundo o qual será "objetivo permanente" das autoridades responsáveis alcançar uma "relação adequada" entre o número de alunos e o professor. Segundo parágrafo que será acrescentado ao artigo, caberá a cada sistema de ensino, "à vista das condições disponíveis e das características regionais e locais", estabelecer como se dará essa relação adequada, assegurados os tetos máximos de 25 e 35 alunos por turma.

Segundo o autor da proposta, não se pode tolerar o funcionamento de turmas com quarenta ou mais alunos no ensino fundamental e sessenta ou mais no ensino médio, muitas vezes a partir do que chamou de motivações de falsa "economia" nas redes públicas e de "lucratividade acintosa" nas escolas privadas. Nem classes tão numerosas na pré-escola, que impediriam, a seu ver, o atendimento individualizado e a avaliação contínua do "delicado e artesanal processo de alfabetização".

"De fato, de que adianta obter um 'gasto por aluno' menor em rede pública se não se consegue a correspondente aprendizagem, e os estudantes precisam de muitos mais anos para concluir a etapa de ensino? E qual é o proveito de se reduzir o valor das mensalidades, se o preço é a deseducação dos adolescentes e jovens? - questiona Costa na justificação do projeto.

Em seu voto favorável, a relatora da proposta, senadora Maria do Carmo Alves (DEM-SE), pondera que, em média, o Brasil teria chegado ao teto sugerido de alunos por cada sala de aula. Mas os limites propostos não são respeitados em algumas regiões do país. O excesso de alunos por turma, em sua opinião, pode estar ligado ao baixo desempenho de estudantes nessas regiões.

- A medida proposta pode ser pertinente para o aperfeiçoamento e a qualificação do processo de ensino-aprendizagem. Ademais, ela poderia prestar-se à interrupção do ciclo de reprodução dessas desigualdades entre as diversas esferas administrativas no campo educacional, contribuindo, igualmente, para a redução da desigualdade de oportunidades educacionais nos diferentes espaços do país - conclui a senadora.

Marcos Magalhães / Agência Senado

(Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Dilma Rousseff sanciona Plano Plurianual 2012-2015

[Foto:]
Com ênfase na área social e tendo como prioridade o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e o programa Brasil Sem Miséria, o Plano Plurinual 2012-2015 (Lei 12.593/12) foi sancionado nesta quarta-feira (18) pela presidente Dilma Rousseff. O PPA, aprovado pelo Congresso Nacional em 20 de dezembro de 2011, corresponde ao planejamento de médio prazo do governo e define diretrizes e metas da administração pública federal para o próximo quadriênio.

O Plano prevê dispêndios totais de R$ 5,4 trilhões, além de R$ 102 bilhões em emendas, acrescentados durante a tramitação no Legislativo. A peça está estruturada em 65 programas temáticos divididos em quatro grandes áreas: Social, Infraestrutura, Desenvolvimento Produtivo e Ambiental e Especiais.

A área social aparece como destinação de maior parte dos recursos públicos (R$ 2,58 trilhões). O governo prevê, por exemplo, a inclusão de 495 mil domicílios rurais no Programa Luz para Todos; a expansão da internet banda larga para 40 milhões de domicílios; a inclusão de mais 800 mil famílias no Bolsa Família; a construção de 2 milhões de casas com o Minha Casa, Minha Vida e o investimento de R$ 18 bilhões em empreendimentos de mobilidade urbana nas grande cidades.

Economia

O PPA também leva em conta previsões macroeconômicas para os próximos anos. Segundo o texto analisado por deputados e senadores, o mínimo deve chegar, em em 2015, a R$ 817,97, um aumento de 31,5% em comparação com os atuais R$ 622, em vigor desde 1º de janeiro de 2012.
O método de reajuste do salário mínimo foi definido pela lei 12.382/11, segundo a qual o valor será reajustado, até 2015, com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) do ano anterior mais a variação do Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos antes.
A previsão é de que o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro chegue a R$ 6,1 trilhões em 2015, contra R$ 4,1 trilhões obtidos em 2011. Já a taxa básica de juros da economia (Selic) deve ter queda gradual, caindo a 8%, também em 2015.

Vetos

A presidente Dilma Rousseff vetou dispositivos dos anexos I e III da lei. Foram 17 iniciativas vetadas, incluídas em diferentes programas. Sobreposições de iniciativas, perda do objeto, custos fora dos valores de referência e até falta de estudos prévios de viabilidade técnica estão entra as razões dos vetos.

Revisão

Segundo o senador Walter Pinheiro (PT-BA), relator do PLN 29/11, que resultou na lei publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira (19), o Congresso Nacional receberá anualmente relatório de acompanhamento da execução do Plano, que poderá ser analisado não só pela Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização (CMO), como pelas comissões permanentes das duas Casas.
O PPA vige do segundo ano do mandado presidencial até o fim do primeiro ano do mandato seguinte.

Parâmetros macroeconômicos previstos no PPA 2012-2015:


                                         2012        2013      2014        2015
Salário mínimo          (R$)622,73*     676,18    741,94      817,97
PIB (em trilhões)                 4,51       5,00        5,53         6,08
IPCA acumulado                  6,00         4,5          4,5          4,5
Taxa Selic (%)                      10,5         11           9,5         8,00
Dólar (média)                      1,80       1,72         1,74        1,77

* Valor já revisto e incluído no Orçamento de 2012. Inicialmente o PPA previa R$ 619,21.
Pontos do PPA 2012-2015 vetados pela presidente:
Iniciativas:

* Construção da Ferrovia Transcontinental de Vilhena (RO) a Boqueirão da Esperança (AC);
* Implantação da rede de fibra ótica no trecho de Macapá a Oiapoque;
* Adequação da BR-040;
* Construção do Rodoanel Sul de Belo Horizonte (MG).

Razões do veto: As Iniciativas em questão se sobrepõem a outras já previstas no PPA, não se justificando serem tratadas de forma separada.
Iniciativas:

* Implantação de infraestrutura para realização da Universíade de Verão 2017 no Distrito Federal.
Razões do veto: A escolha de Brasília para a realização do evento não se concretizou, portanto houve perda do objeto da iniciativa.

Iniciativas:

* Construção de novo porto em águas profundas no Estado da Paraíba;
* Implantação do novo porto na Cidade de Natal (RN);
* Construção do Arco Rodoviário Norte - BR-369 (PR);
* Construção do 2o Anel Rodoviário no Estado do Ceará - BR-116, BR-020 e BR-222;
* Construção de ponte interligando a BR-319 à Rodovia AM-070 no Amazonas;
* Construção do ramal Paraíba da Ferrovia Nova Transnordestina (EF-232/116/225);
* Construção e adequação de ferrovia (Maringá-Cianorte-Umuarama-Guaíra- Cascavel);
* Construção de eclusas no complexo do Rio Madeira;
* Construção de eclusa no Acre;
* Implantação de adutoras para distribuição das águas provenientes do PISF (Eixo Leste) nas regiões do Cariri, Brejo e Seridó;
* Integração das bacias do São Francisco com as bacias da Fronteira Seca do Piauí;
* Implantação da usina hidrelétrica do Ribeirão no Rio Madeira.

Razões do veto: São empreendimentos de grande porte, que não possuem estudos prévios de viabilidade técnica, econômica, ambiental e social necessários à sua implementação. O início de obras nessas condições aumentaria significativamente o risco de pulverização de recursos, de dilatação dos prazos de execução e de paralisação das obras.

Iniciativas:

* Adequação da BR-153;
* Adequação de estruturas de acostagem e de operação de cargas no Porto de Santana (AP).
Razões do veto: O custo total dos empreendimentos é inferior ao valor de referência necessário para individualização como Iniciativa, o que contraria o art. 10 do PPA.

Anderson Vieira / Agência Senado

(Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Governo sério cumpre a Lei, não espera anúncio



A demora dos gestores estaduais e municipais em corrigir os vencimentos iniciais de carreira do magistério público da educação básica, à luz do piso salarial profissional nacional, não se justifica pelo fato de o MEC ainda não ter se pronunciado sobre o assunto. Na verdade, a atitude caracteriza o descumprimento de direito líquido e certo do magistério em ver atualizados seus vencimentos de carreira, a partir de janeiro de cada ano, e enseja a existência de categoria privilegiada na esfera do direito, o que é inconcebível diante do princípio de que ninguém pode escusar-se de cumprir a Lei alegando desconhecê-la.
Depois de terem sido derrotados no Supremo Tribunal Federal, governadores e prefeitos têm se rebelado contra a decisão de mérito proferida na ADIn 4.167, que ordena o cumprimento integral e imediato da Lei 11.738, não obstante pender o julgamento dos embargos de declaração interpostos pelos autores da ação de inconstitucionalidade.
Enquanto milhares de cidadãos comuns são obrigados a cumprir as decisões da justiça, o que acontece com prefeitos e governadores que insistem em desrespeitar as deliberações judiciais? Isso é o que veremos a partir da greve nacional da educação!
Sobre a atualização do piso nacional, o art. 5º da Lei 11.738 claramente vincula o índice do PSPN ao mesmo que reajusta o valor mínimo do Fundeb, ano a ano. Em lugar algum se exige o pronunciamento de órgão federal, tendo sido esta uma opção adotada pelo MEC para tentar unificar o cumprimento da Lei.
Para o ano de 2012, conforme defende a CNTE, o piso deve ser de R$ 1.937,65. Contudo, desde 2010, a maior parte dos estados e municípios tem optado em seguir as recomendações do MEC, que para este ano indicam um crescimento de 22,22% sobre o valor de 2011, atingindo assim a cifra de R$ 1.450,75.
Para quem não tem cumprido as regras do Piso, a CNTE recomenda a seus sindicatos filiados que ingressem com ações judiciais para cobrar o imediato e integral cumprimento da Lei 11.738, com destaque para o passivo do piso - contrapondo as orientações do MEC - e para a aplicação do percentual de 1/3 da jornada de hora-atividade, conquistado recentemente na justiça pela Apeoesp/SP e pela Fetems/MS.
Confira, abaixo, a memória de cálculo sobre as atualizações dos valores do PSPN, nas visões da CNTE e do MEC.
PSPN/CNTE
AnoValores PSPNReajustes Fundeb (base: ano a ano)Atos normativos que definiram valores mínimos do Fundeb
2008R$ 950,000%Valor de referência aprovado pelo Congresso Nacional
2009*R$ 1.132,6819,23%Portaria Interministerial nº 1.027/2008 - R$ 1.132,34
Portaria Interministerial nº 221/2009 - R$ 1.350,09
2010R$ 1.313,1215,93%Portaria Interministerial nº 788/2009 - R$ 1.221,34
Portaria Interministerial nº 1.227/2009 - R$ 1.415,97
2011R$ 1.598,2021,71%Portaria Interministerial nº 538-A/2010 - R$ 1.414,85
Portaria Interministerial nº 1.459/2010 - R$ 1.722,05
2012R$ 1.937,6521,24%Portaria Interministerial nº 1.721/2011 - R$ 1.729,28
Portaria Interministerial nº 1.809/2011 - R$ 2.096,68
(*) Mantido o valor mínimo do Fundeb, à época da crise mundial, o qual deveria ter sido assegurado através da complementação federal aos Fundos da Educação Básica e da compensação da União, a estados e municípios, por meio das Medidas Provisórias nº 484/2010 e nº 485/2010, que não resultaram em repasses para os salários dos educadores.
PSPN/MEC
AnoValores PSPNReajustes Fundeb
(base: 2 anos anteriores)
Atos normativos que definiram valores mínimos do Fundeb
2008R$ 950,000%Valor de referência aprovado pelo Congresso Nacional
2009R$ 950,000%Interpretação do MEC à liminar do STF na ADIn 4.167
2010*R$ 1.024,677,86%Portaria Interministerial nº 173/2008 - R$ 1.137,30
Portaria Interministerial nº 788/09 - R$ 1.221,34
2011R$ 1.187,0015,84%Portaria Interministerial nº 788/09 - R$ 1.221,34
Portaria Interministerial nº 538-A/10 - R$ 1.414,85
2012R$ 1.450,7522,22%Portaria Interministerial nº 538-A/10 - R$ 1.414,85
Portaria Interministerial nº 1.721/11 - R$ 1.729,28
2013*R$ 1.758,8921,24%Portaria Interministerial nº 1.721/11 - R$ 1.729,28
Portaria Interministerial nº 1.809/2012 - R$ 2.096,68

(*) Descontado o rebaixamento do valor mínimo do Fundeb decorrente da crise mundial.
(**) Previsão com base no parecer da AGU/MEC, à luz do valor mínimo divulgado para o ano de 2012.

http://www.cnte.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=9575:governo-serio-cumpre-a-lei-nao-espera-anuncio&catid=432:cnte-informa-606-19-de-janeiro-de-2012&Itemid=200319

Porque ultimamente tantos Prefeitos e Agentes Públicos têm sido afastados ou caçados de seus cargos?

Primeira coisa que a gente pensa é que coisas boas não fizeram. Certamente deve haver alguma irregularidade nas suas condutas enqu...