sábado, 15 de outubro de 2011

professor Valdeni Cruz

Quem sou eu

Minha foto
Ola!!! Sou professor, Licenciado em pedagogia e cursando o Bacharelado em Teologia com Habilitação em História. Apaixonado por essa missão do ensino e encantado pela vida. Dependente de Deus em tudo. Tenho uma consciência profunda de que sem Ele nada posso e se fizer alguma coisa sem a aprovação dEle esterei sujeito as consequências. Sou cidadão brasileiro. Amo esse País e a essa cidade em particular. Foi nessa cidade que cresci como pessoa e, mesmo não sendo nada, sou o que sou. Amo esse país de beleza sem igual, capaz de encantar os olhos dos intelectuais e dos simples. Brasil De um povo extraordinário e de uma cultura jamais vista em nenhum outro lugar do mundo. Rica em seus detalhes e sutilezas. Sou um defensor da liberdade de expressão, onde as pessoas podem dizer o que quiser sem ter medo de nada. Também sou um ferrenho defensor de que se deva dizer aquilo que constrói e muda o mundo. Esse sou eu: Nada além daquilo que posso ser. Sou gente, com defeitos e qualidades como qualquer outro. Porém, decidido por querer um mundo mais justo e mais fraterno para todos.

PROGRAMA A VOZ DO SINDSEP

LOGO MAIS AO MEIO DIA, PELA 98,7, MAIS UM PROGRAMA A VOZ DO SINDSEP.
HOJE SERÁ UM PROGRAMA TODO ESPECIAL EM HOMENAGEM AO DIA DO PROFESSOR.
NAO PERCA! TEREMOS O SORTEIO DE BRINDES PARA OS PROFESSORES QUE PARTICIPAREM DO PROGRAMA.
TEREMOS A PRESENÇA DA CLAUDIA MELO E DE OUTRAS PESSOAS.

APRESENTAÇÃO DO PROFESSOR VALDENI CRUZ

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Carência de professores



Como melhorar a qualidade do ensino no Brasil se faltam professores? E o número é simplesmente assustador e foi divulgado por uma estimativa feita pelo próprio Ministério da Educação. Segundo o Ministério, faltam 710 mil professores no país, 235 mil só no ensino médio. Já de quinta a oitava série o número dobra, vai para 475 mil.

Não existe educação sem professor. Algumas escolas públicas têm professores, ainda cursando faculdade, e muitos só com o ensino médio, lecionando ao mesmo tempo matemática, geografia, história, biologia. Como chamar de educação uma prática baseada no improviso, não no planejamento cuidadoso, visando à formação da criança e do adolescente?

Falar em educar é muito fácil. Pôr em prática um projeto de educação exige seriedade, profissionais competentes e bem remunerados. Há muitas vagas para professores, mas os baixos salários e a falta de segurança em muitas escolas públicas acabam fazendo com que profissionais que gostariam de exercer a profissão, porque têm vocação para isso, partam para atividades distantes da escola.

Já encontrei professores de matemática e língua portuguesa trabalhando como taxistas, vendedores, radialistas.

Queriam continuar lecionando, mas não conseguiam sobreviver com os baixos salários e também viviam conflitos intransponíveis como ameaças e falta de material básico para trabalhar em sala de aula como giz e papel sulfite.

E um país que não leva a sério a educação, isso é mais do que sabido, não se desenvolve, não cresce como deveria, e abre espaço para que a violência cresça de forma cada vez mais acelerada.

As promessas dos políticos esbarram nos próprios números fornecidos por eles. O Ministério da Educação, ao revelar que faltam 710 mil professores na rede pública, deveria em seguida apresentar um plano para que esses números sejam reduzidos drasticamente num período de quatro anos. Mas não, os números continuam lá em cima e qualidade da educação lá embaixo.


http://www.duplipensar.net/artigos/2006-Q4/educacao-carencia-de-professores.html

NÃO PRECISAMOS DE EDUCAÇÃO NÃO PRECISAMOS DE PROFESSORES AFINAL...



PARA QUE SER UM PAÍS DE 1° MUNDO SE ESTÁ BOM ASSIM.
Ronaldinho Gaúcho: R$ 1.400.000,00 por mês.
"Homenageado na Academia Brasileira de Letras"... LETRADO ELE
 Tiririca: R$ 36.000,00 por mês, fora os auxílios e mordomias;
"Membro da Comissão de Educação e Cultura do Congresso”... COMO DIZ OS GAUCHOS
- TCHÊ...  QUE TAL?
TRADUZINDO, O SALÁRIO DO PALHAÇO AI, PAGA SÓ 30 PROFESSORES, E PARA AQUELES QUE ACHAM QUE EDUCAÇÃO NÃO É IMPORTANTE, CONTRATA O TIRIRICA PARA DAR AULA PARA SEU FILHO.

Um funcionário da Sadia (nada contra) ganha hoje o mesmo salário de um ACT ou um professor iniciante, levando em consideração para trabalhar na empresa você precisa ter o fundamental, ou seja, de que adianta estudar, fazer pós e mestrado?

Piso Nacional dos professores: R$ 1.187,00...
Moral da História:
Os professores ganham pouco, porque só servem para nos ensinar coisas inúteis como:
Ler, escrever e pensar.
Sugestão:
Mudar a grade curricular das escolas, que passaria a ter as seguintes matérias:
- Educação Física: Futebol
- Música: Punk, Pagode, Axé
- História: Grandes Personagens da Corrupção Brasileira
                 Biografia dos Heróis do Big Brother
             Evolução do Pensamento das "Celebridades"
- História da Arte: De Carla Perez a Faustão
- Matemática: Multiplicação Fraudulenta do Dinheiro de Campanha
Cálculo Percentual de Comissões e Propinas
- Português e Literatura? Para quê?
- Biologia, Física e Química:
 Excluídas por excesso de complexidade

Está bom ou quer MAIS!
ESSE É O NOSSO BRASIL! 
PASSEM ESTA MENSAGEM A TODOS


>> ** Natália Bortolotti ** <<
Olha o absurdo no Rio de Janeiro (que não é diferente no resto do Brasil)
BOPE R$ 2.260,00... Para Arriscar a vida;
Bombeiro R$ 960,00... Para Salvar vidas;
Professor R$ 728,00... Para Preparar para a vida;
Médico R$ 1.260,00... Para Manter a vida;
E o Deputado Federal?
Ganha R$ 26.700,00 para FERRAR a vida de todo mundo!
(Envie, e faça parte desta campanha conscientizadora)  
   

Quais são os limites do professor?



Por Cybele Russi



O que os pais nunca deveriam fazer na presença dos filhos são críticas à escola e aos professores, pois eles levam muito a sério a opinião dos pais. Fazer críticas negativas à escola e aos professores só gera insegurança nos filhos, que afinal, acreditam nas escolhas dos pais. Se o próprio pai escolhe a escola e depois critica, o que a criança não irá pensar? Que tudo o que acontece lá dentro é passível de dúvida e de questionamento, desde a segurança até o conhecimento do professor.
Esta foi uma das afirmações que fiz em meu último artigo e aproveito o ensejo para retomar o tema, até porque recebi vários e-mails me questionando a respeito.
É evidente que os pais não só podem como devem questionar todas as autoridades e instituições, até porque isto desenvolve na criança o espírito crítico e a capacidade de escolha. Acontece que no Brasil, de alguns anos para cá, criou-se o hábito de desqualificar a escola e o professor. Este, passou a ser tratado como uma praga da sociedade, virou saco de pancadas; passou a ser visto como o causador e responsável por quase tudo de errado que ocorre na vida do aluno, talvez porque seu papel vá muito além de mediador do conhecimento, pois abrange praticamente todos os níveis da vida do aluno, desde ensinar a ler e escrever até dar remédio na hora certa, pagar o lanche, ficar além do horário quando a família, literalmente, esquece o aluno na escola, examinar as orelhas, cuidar das lições, da alimentação, da educação, da postura, encaminhar para o médico, e ainda resolver questões de ordem conjugal e familiar. Ou seja, sobraram para o professor quase todas as funções que até há alguns anos eram divididas com a família.
Como a família quase já não tem mais tempo para cuidar de seus filhos, o professor acabou se assoberbando de tarefas que, na realidade, não são suas. E é aqui que se situa o ponto nevrálgico da relação família/escola, pois que, uma vez que o professor desempenha papéis que, teoricamente, não seriam seus, deveria ter igualmente, autonomia e autoridade para punir e cobrar deveres e obrigações e exigir respeito e responsabilidade. Mas não é o que ocorre na prática. Na prática ele é um chinesinho equilibrista tentando manter todos os pratinhos rodopiando no ar sem deixar que nenhum caia. Mas se por azar um dos pratinhos cai, pronto! coidato do nosso malabarista improvisado, fogueira para ele.
É verdade que o nível do ensino brasileiro caiu demais nos últimos tempos, assim como é igualmente verdade que os professores já não são tão qualificados como no passado; mas também é verdadeiro que o nível dos alunos decaiu enormemente, tanto no que diz respeito à aprendizagem como no que tange a postura e os bons modos. Mas nada disso justifica o desrespeito que se vê hoje nas salas de aula.
A tudo isso que se vê hoje, e é quase uma regra em todas as escolas, dá-se o nome de inversão de papéis. A escola perdeu seus parâmetros e a família deixou de ser o modelo ou referencial social para a criança. Professores e professoras desempenham papéis de amigos, de conselheiros, de psicólogos, de bons camaradas e de pais; fazem as vezes destes em sua ausência. Pais e mães são professores dentro de casa, acompanhando lições até a meia-noite, verificando tarefas, corrigindo cadernos, tentando aprender conteúdos que já não fazem parte de suas rotinas há muitos e muitos anos. Imobilizados pela culpa das longas e constantes ausências, são incapazes de uma atitude firme em relação à educação de seus filhos; não sabem como agir. Jogam para a escola responsabilidades que são suas, mas não admitem que a escola, personificada na pessoa do professor, exija e faça valer seus direitos. Então, quando o professor exige respeito, fica bravo, perde a paciência, abusa da autoridade e age como uma mãe nervosa e descontrolada, tome-lhe paulada.
É muito comum ouvirmos queixas de pais que afirmam que seus filhos foram humilhados e ofendidos dentro da sala pelo professor, o que por si é um absurdo inadmissível, pois queira ou não, o professor é modelo. Seja de vida, de comportamento, de postura, de educação ou seja lá do que for, ele é um modelo, um referencial para o aluno e mais ainda para a criança. E modelos, pelo menos em tese, não podem errar, e portanto, não podem perder a paciência, nem ofender, nem perder a linha.
No entanto, quando os papéis estão confusos, quando ninguém mais sabe quem é quem, e menos ainda, qual é a função social de cada um, a vida vira uma miscelânea, um vale-tudo, um bang-bang educacional com tiros e ofensas dirigidos para todos os lados, e a educação vira esta coisa que todos estão vendo hoje: um cego perdido no meio do tiroteio entre pais, escola e filhos.
O momento que vive a educação hoje é indefensável, porque não há certos nem errados. Todos estão tentando acertar, e quanto mais tentam, mais erros cometem.
É simplesmente inadmissível o comportamento da grande maioria dos alunos nas escolas brasileiras. A indisciplina, o desrespeito e o desacato ao professor virou regra nas escolas. É rara a escola que não tenha problemas de indisciplina e de desrespeito. O professor sofre constrangimentos diariamente dentro da sala de aula. E está absolutamente só nesta situação. Ele sofre constrangimentos por parte dos alunos, dos pais, da direção e da coordenadoria de ensino e qualquer palavra sua, gesto ou olhar, é suficiente para que seja ameaçado ou coagido. No entanto, espera-se que, como um santo milagroso, ele eduque e dê conta dos problemas que ninguém está conseguindo resolver.
Já que nenhuma das partes está mesmo conseguindo resolver um problema que está quase virando um assunto de ordem pública, não seria o caso de família e escola se darem as mãos de uma vez por todas e tentarem resolver juntas, em vez de uma jogar para outra culpas e responsabilidades?
A educação poderia ser comparada a uma moeda, que tem duas faces, e em cada face se pode imprimir o que se quiser, mas não dá para ter uma moeda redonda de um lado e quadrada do outro. Antes de se pensar o que se vai imprimir em cada uma das faces, é preciso que ambas estejam perfeitamente ajustadas e alinhadas. Assim deveria ser a união entre escola e família.
Educar uma criança não deveria ser algo tão complexo assim, se houvesse um mínimo de coerência entre as partes envolvidas. Ou seja: se um endossasse e referendasse a palavra do outro, a educação acabaria acontecendo, de alguma maneira. Mas quando há um tiroteio entre as partes envolvidas em que um lado desqualifica e desautoriza o outro lado, nem a melhor família, nem o melhor colégio do mundo conseguem educar ninguém, apenas porque educar exige, antes de mais nada, coerência de princípios e clareza na definição de papéis.

http://www2.uol.com.br/vyaestelar/familia_escola.htm

Dilma: convívio com movimento social deve ser tolerante

A presidente Dilma Rousseff afirmou hoje, em Porto Alegre, que o convívio dos governantes com os movimentos sociais "tem que ser de absoluta tolerância", referindo-se aos recentes protestos contra corrupção em diversas cidades do País e também a manifestações de funcionários públicos por melhores salários.
Dois desses protestos ocorreram durante a visita de Dilma à capital gaúcha. Um, de trabalhadores da área de energia, bloqueou a BR-290 por duas horas para reclamar da exclusão do carvão mineral das fontes que participarão do próximo leilão de energia, em dezembro. O segundo, de algumas dezenas de servidores públicos, tentou mostrar para Dilma o descontentamento da categoria com os vencimentos atuais na praça Marechal Floriano, entre a Assembleia Legislativa e o Palácio Piratini.
A presidente, que teria de passar perto do grupo para ir de um prédio a outro para cumprir sua agenda, optou por percorrer de carro o trajeto de 50 metros. "É absolutamente correto que os movimentos sociais tenham reivindicações e que nós tenhamos posições que às vezes contemplam tudo o que as reivindicações propõem ou só parte", comentou Dilma. "Esse é um País diferenciado, a gente não convive com manifestações como se fossem atitudes incorretas", prosseguiu, para sustentar que o convívio dos direitos de manifestação, de greve e de falar "é uma das coisas mais importantes da nossa democracia".
Dilma esteve em Porto Alegre para assinar acordo de participação dos Estados do Sul no Programa Brasil Sem Miséria e anunciar recursos para obras de infraestrutura urbana. A presidente permanece na capital gaúcha amanhã, quando troca a agenda oficial por encontros familiares.

José Airton anuncia fábrica em Pentecoste com geração de 1100 empregos



O grupo Sóconstroi ficará responsável pela instalação da obra, que também deve gerar empregos indiretos.
Por: Márcio Dornelles
O município de Pentecoste, no Vale do Curu, deve ganhar um empreendimento com geração de 1100 empregos diretos. O projeto é para breve. O anúncio foi feito pelo deputado federal José Airton Cirilo, em entrevista ao jornal Alerta Geral desta sexta-feira (14).
A construção foi o resultado de uma negociação com o grupo português Sóconstroi. Desde o início das conversas, o objetivo era levantar a obra na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), em um raio de cem quilômetros da capital. A cidade de Pentecoste foi priorizada, com pronto atendimento do prefeito João Bosco Pessoa Tabosa, que se comprometeu em ceder terras para a instalação do empreendimento.
José Airton afirma que o projeto dará muitos frutos. "Vai dar uma contribuição muito decisiva para o progresso e desenvolvimento de Pentecoste, porque vai gerar 1100 empregos diretamente no município, e isso não é pouca coisa, além de outros empreendidos que serão gerados a partir de um investimento dessa natureza", disse.
O petista também prevê a duplicação da BR-222, com expansão até Croatá, melhorando o acesso ao Vale do Curu. Ouça a entrevista completa no player abaixo, com apresentação do jornalista Luzenor de Oliveira
 Fonte:Ceará Agora

AL debate afastamento de prefeitos

Deputados reclamam da Justiça, por conta do julgamento diferenciado de processos, e criticam as compras de votos
A manchete de ontem, do Diário do Nordeste, "18 prefeitos do Ceará estão com mandato cassado", chamou a atenção dos parlamentares na Assembleia Legislativa. O deputado Fernando Hugo (PSDB) argumentou ser necessária uma reflexão sobre a quantidade de prefeitos cassados, lembrando que esses 18 gestores citados são de cidades de pequeno porte.

"Só tem ladrão em prefeituras pequenas? É uma coisa que nos deixa inquietos", pontuou. Para o tucano, os crimes eleitorais não estão presentes apenas em prefeituras de pequeno porte. Gestores que administram cidades de médio e grande porte também cometem irregularidades, mas contam com escritórios de advocacia que lhes protegem de cassação.

Além dos que não chegam a ser cassados, há aqueles administradores, destaca o parlamentar, que afastados de suas funções por crimes contra o erário, acabam voltando aos cargos em menos de 24 horas por decisões secundárias da Justiça.

Fernando Hugo lembrou que em duas ocasiões apresentou projeto de indicação pedindo ao Tribunal de Justiça do Ceará (TJ) uma vara especial para tratar de crimes contra a administração pública, mas o TJ não acatou a sua sugestão. "No Rio Grande do Sul, essa Câmara que trata de crimes contra a administração pública leva, em média, cinco meses para analisar e dar a sentença final, afastando prefeito ainda no evoluir de seus mandatos", observou.

Mas no Ceará, destaca, a realidade é bem diferente. Conforme Fernando Hugo muitos prefeitos cometem crimes contra o erário público, terminam seus mandatos, se reelegem e não são julgados.

Fraudes
Segundo a matéria publicada, o Ceará aumentou em 450% o número de prefeitos com mandatos cassados na atual quadra administrativa, em comparação com a anterior. Pelo menos 18 prefeitos cearenses eleitos no último pleito municipal foram afastados de seus cargos por decisões judiciais, desde 2009. Os motivos estão relacionados, principalmente, ao envolvimento dos gestores em fraudes nas eleições e crimes contra o patrimônio público.

O deputado estadual Perboyre Diógenes (PSL) alega que alguns prefeitos não são cassados porque existem juizes com influência política forte e que analisam cada caso de uma forma diferente. Já Silvana Oliveira (PMDB) diz que a população tem culpa, pois deveria ter mais cuidado na hora de depositar seu voto, entendendo que a primeira medida s ser tomada é rejeitar a compra de votos.



Diário do Nordeste

Novas práticas podem reduzir conta de luz



Clique para Ampliar
Conforme a Coopercon, técnica leva em conta a concepção do projeto até a pós-venda do empreendimento 
NATINHO RODRIGUES

Com introdução de nova tecnologia, edificações poderão economizar o uso de energia no Estado
Qualquer pequeno abatimento na tarifa de energia é sempre bem-vindo ao bolso do consumidor. Agora, imagine um desconto mensal (e considerável) entre 20% e 30%. É algo parecido como se, a cada quatro ou cinco contas de luz, você economizasse o valor de mais uma.

É justamente essa economia significativa, na opinião do presidente da Cooperativa da Construção Civil do Ceará (Coopercon), Marcos Novaes, que deve acontecer em edificações, no Estado, após a introdução de uma nova tecnologia, em parceria com o Instituto Inovacon, que leva em conta todo o processo construtivo (desde a concepção do projeto até o benefício pós-venda do empreendimento).

"O programa vai dar um retorno para a sociedade. Cada unidade residencial de um condomínio poderá economizar entre e 20% e 30% de energia, por exemplo. A ideia é fazer como nos eletrodomésticos, que têm o selo Procel de eficiência energética. No caso dos prédios, seria colado um adesivo semelhante para mostrar a preocupação de 75 construtoras associadas à Coopercon na tratativa do uso correto de energias não renováveis", explicou Marcos.

Menor desperdício
Segundo o presidente da Coopercon, serão quatro módulos a cada dois anos para apresentar práticas inovadoras de sustentabilidade e preservação do meio ambiente. "Ainda em novembro daremos início aos dois primeiros módulos: eficiência energética e construção sustentável. Contamos com a parceria das universidades e também do governo do Estado", conta.

O programa Inovacon / Coopercon conta com a parceria de diversas entidades, tais como: Unifor, UFC, IFCE e CVT Portuário, além do Núcleo de Tecnologia Industrial do Ceará. Ontem, a iniciativa foi oficializada com o lançamento do programa de cooperação técnico-científica, no CVT Portuário, em Fortaleza. Na ocasião, o líder da Mercedes Benz no Brasil por 40 anos, Luiz Tavares de Carvalho, foi convidado para ministrar a palestra "Lean Management" ou "Gestão Enxuta". Ele apresentou técnicas de racionalização de processos para aumento da produtividade e diminuição dos desperdícios.

Conforme o presidente da Coopercon, estão abertas as inscrições para participar da capacitação.

"O público-alvo é formado por engenheiros, projetistas, construtores e toda a sua equipe técnica. As aulas serão ministradas por consultores de nível internacional e regional e professores dos centros de ensino que estão participando da iniciativa", afirmou Marcos.

ILO SANTIAGO JR.REPÓRTER

Diário DO nordeste

Interior passa por auditorias do TCM

Um novo tipo de auditoria está sendo realizada pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM). Trata-se da auditoria operacional, iniciada ontem em três municípios cearenses. Esse processo tem o propósito de aferir a relação custo-benefício de programas realizados pelos municípios.

Esse tipo de auditoria foi anunciado no início do ano e, segundo o presidente do TCM,Manoel Veras, nas inspeções ordinárias do Tribunal alguma coisa já vinha sendo feita, mas ainda em fase de experiência.

Agora, a auditoria operacional será feita independentemente das auditorias ordinárias que procuram observar aspectos sobre a aplicação dos recursos e procedimentos exigidos por lei, como em licitações e contratos.

Nesta fase inicial, as equipes do TCM dão ênfase à avaliação do desempenho das prefeituras na área de educação colhendo informações para estabelecer um diagnóstico sobre o funcionamento do Programa Brasil Alfabetizado.

Trabalho
Embora se trate de um trabalho diferenciado, explica Manoel Veras que nesse tipo de fiscalização o Tribunal não tem o que esconder e, a exemplo do que ocorre com as inspeções ordinárias, o Tribunal, a cada sexta-feira, divulgará, em sua página na internet, as auditorias a serem realizadas na semana seguinte.

Ontem o trabalho do Tribunal foi iniciado com auditorias nas prefeituras de Granja, Uruoca e Juazeiro do Norte.



Diário do Nodeste

“Sim, nós nos importamos com os 16 milhões de brasileiros que vivem na miséria, e vamos juntos superá-la”


Ao pactuar o Plano Brasil sem Miséria com os governadores da região Sul, em cerimônia realizada hoje (14/10) em Porto Alegre, a presidenta Dilma Rousseff afirmou que incluir socialmente os 16,2 milhões de brasileiros que vivem na extrema pobreza é mais que um compromisso moral e ético, é um imperativo econômico para o país. E lembrou que os 40 milhões que ingressaram na classe média nos últimos anos foram decisivos para o fortalecimento do mercado interno e resistência à crise econômica internacional.
Dilma Rousseff explicou que o Estado brasileiro não quer a tutela das pessoas que ainda vivem à margem dos serviços públicos e que necessitam de programas sociais para sobreviver. Ela foi enfática ao dizer que o Estado quer e luta para promover a cidadania desses brasileiros. A fórmula, segundo a presidenta, é combinar a transferência de benefícios, que deve ser impessoal, com a inclusão produtiva, geração de emprego, profissionalização e expansão do acesso à tecnologia.
“O Brasil sem Miséria faz parte de um processo fundamental de valorizar nossa principal riqueza, que é a população (…). A tutela seria se nós fossemos vincular benefícios sociais a indivíduos, e isso seria regredir diante da historia. O que estamos fazendo através do Bolsa Família, absolutamente impessoal, é reconhecer direitos da população brasileira”, argumentou.
Em seu discurso, a presidenta manteve a posição de que o Brasil está economicamente maduro para resistir aos efeitos da crise e foi firme ao dizer que o governo não irá permitir que os brasileiros paguem por uma crise que não é deles. Ainda assim, ela garantiu que o Brasil se preocupa com os países que sofrem com mais gravidade os problemas do desequilíbrio econômico e que está solidário com a comunidade internacional.
“Ao longo da nossa história, nunca ficou tão claro como nos últimos anos que a nossa força não se encontrava em nenhum país lá fora, mas aqui dentro, em nós mesmos e na nossa capacidade de produzir, consumir, trabalhar, criar e virar cidadãos.”

Blog do Planalto-Governo Federal

Brasil quer educação de país desenvolvido em 2022


CARMEN POMPEU - Agência Estado
O Brasil quer chegar a 2022 com o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) igual ao de países desenvolvidos, com o analfabetismo erradicado e com oportunidade para todos. Foi o que disse a assessora especial do Ministério da Educação, Linda Goulart. Ela coordena o 1ª Seminário Internacional de Mobilização Social pela Educação, que acontece até amanhã, em Fortaleza, reunindo 500 participantes de todo o País. Entre os palestrantes, estão renomados estudiosos como os colombianos Bernardo Toro e Bernardo Nieto, especialistas em mobilização e reformas educacionais, e Heather Weiss, diretora do Havard Family Research.
De acordo com Linda Goulart, o diálogo pela educação deve ser estendido à sociedade. "É por esse motivo que o MEC está se dedicando a repassar para os agentes que atuam no setor técnicas e experiências de mobilização no sentido de promover a interação entre família, escola e comunidade", explicou.
Segundo ela, o seminário tem como objetivo proporcionar espaço para discussões sobre a importância da participação das famílias na vida escolar dos filhos, bem como de que maneira a colaboração de segmentos organizados da sociedade e os órgãos públicos de áreas correlatas à educação, além das lideranças sociais e religiosas, podem contribuir no processo de melhoria da qualidade da educação.
Hoje, os palestrantes Bernardo Nieto e Márcio Simeone Henriques falaram sobre o tema Comunicação e Mobilização. Nieto definiu e apontou as implicações dos processos de trocas sociais que buscam a mobilização. "A comunicação é fundamental para estabelecermos essas mudanças, porém não pode fazer milagre", comentou. Segundo ele, o "motor fundamental é o impulso criador dos dirigentes". Ele lançou a seguinte pergunta para a plateia, formada por gestores em sua maioria: "Somos impulsionadores ou obstáculos para essas mudanças?".
Já Henriques, professor do Departamento de Comunicação Social da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, da Universidade Federal de Minas Gerais, perguntou: "Que estratégia de comunicação é necessária para envolver o público em temas relativos à Educação?". Segundo ele, a resposta é dada pelo educador brasileiro Paulo Freire: a da coparticipação. 

Computador chega sem preparo dos docentes


Bruno Boghossian, de O Estado de S.Paulo
 RIO - Embora ainda sob avaliação do governo federal, o programa Um Computador por Aluno (UCA) já recebeu adesão de 220 municípios e Estados interessados em comprar 204 mil máquinas.
Para aproveitar a isenção fiscal que reduz o preço de cada equipamento para até R$ 344, parte das secretarias de Educação comprou os netbooks antes de capacitar professores. Pesquisa do Instituto de Economia da UFRJ mostra que a preparação dos docentes é uma barreira para o sucesso do programa.
Em seis municípios que integraram o projeto-piloto, foi relatada preocupação dos professores com a “falta de planejamento”, a “chegada brusca” dos netbooks e a falta de estrutura física e elétrica. Mas docente reconheceram os benefícios do uso dos equipamentos, como a inclusão digital dos alunos e das famílias.
Na primeira fase , o governo distribuiu 150 mil computadores a 300 escolas. Na etapa atual, lançada em dezembro passado, foi feito registro de preços para 600 mil netbooks, que custam R$ 344,18 no Centro-Oeste, no Norte e no Sudeste e R$ 376,94 no Nordeste e no Sul. Cada Estado ou município decide se adere ou não, pagando com recursos próprios ou a partir de linha de financiamento do BNDES.
Para o Ministério da Educação, os efeitos concretos só poderão ser percebidos a longo prazo. “Pode levar até cinco anos para conseguirmos provar se aquela ferramenta melhorou a capacidade de aprendizagem”, afirma Mauro Moura, coordenador de Tecnologia do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, que gerencia o UCA.
Experiência. A prefeitura de Maricá (RJ) decidiu comprar computadores para os 14 mil alunos da rede municipal, por R$ 4,8 milhões. Cerca de 70% dessa verba vem de royalties do petróleo. Além de usar os computadores em sala, os alunos poderão levar as máquinas para casa, mesmo nas férias.
Mas no município também a distribuição das máquinas começou a ser feita antes da formação dos docentes. “Os professores estão incluídos na segunda etapa do projeto e vão receber capacitação a partir de novembro, embora alguns já estejam familiarizando os alunos”, informou a prefeitura, em nota.
Para o Sindicato dos Profissionais em Educação de Maricá, a compra dos computadores é uma “inversão de prioridades”. “É mais importante investir na base, abrir mais vagas, suprir a carência de professores e valorizar os profissionais”, avalia o diretor de imprensa da entidade, Luciano Vasconcelos. “E se não souberem usar o equipamento, eles serão subutilizados.” 

SINDSEP APUIARÉS DENUNCIA AO MINISTÉRIO PÚBLICO


O Sindsep-Apuiarés denunciou junto ao Ministério Público local, uma das maiores irregularidades cometidas contra os servidores e que vem se estendendo ao longo dos anos. Ou seja, servidores que ganham abaixo do mínimo. A Promotoria local, acatando denuncia do sindicato dos servidores, impetrou ação contra o Municipio exigindo que este sane esta ilegalidade. O Sindsep tem dito e reafirmado a confiança de que esta situação ilegal e danosa pela qual alguns servidores de Apuiarés estão passando está com os seus dias contados. Salário minimo integral vai ser uma realidade para todos estes servidores. Acreditamos nas leis e na justiça.


Pecado Original


Que é pecado original originante e pecado original originado? Nós podemos carregar os pecados de nossos pais ou avós? Como pode ser possível pagar pelo pecado dos nossos primeiros pais? (Laerte) 
Comecemos pela situação da humanidade hoje: é uma humanidade  quebrada, dividida interiormente. Todos podemos repetir como São Paulo "Não faço o bem que quero e faço o mal que não quero" (Rm 7,19). Somos uma humanidade num enorme atoleiro, numa situação de pecado... Reconhecemos em nós uma quebradura interior, uma tendência para o mal... Desta situação somente Cristo nos liberta! (cf. Rm 5,12-21)
Mas, de onde vem tudo isso? A Escritura ensina que Deus não pensou o mundo nem a humanidade assim. O homem, desde os seus primórdios, disse “não” a Deus. Não sabemos como nem quando isso aconteceu. Sabemos somente isso: desde o primeiro momento em que a humanidade teve consciência de existir, foi fazendo a vida do seu jeito, fechada para a voz de Deus que fala na nossa consciência. Este primeiro momento no início da história humana é o que chamamos de pecado original originante - isto é, aquele primeiro fechamento da humanidade, que deu início a uma cadeia de pecado, isto é, àquele atoleiro do qual falei acima. Esta situação de atoleiro na qual nos encontramos e na qual já nascemos é o pecado original originado, porque o pontapé inicial foi lá trás (no pecado original originante).
Então, quando falamos em pecado original, mais importante que pensar no primeiro pecado lá no início (pecado original originante), é mais importante pensar na situação de pecado na qual nascemos (pecado original originado), situação exterior e interior a nós e que vem de uma cadeia ininterrupta de uma humanidade desarrumada e fechada para Deus
Dizer que nascemos com o pecado original é dizer que não nascemos do zero: somos herdeiros de nossa cultura, de nossa família, da dívida externa brasileira, das opções corretas e erradas dos nossos antepassados... Ou seja, somos solidários uns com os outros... no bom e no ruim, influenciamos uns aos outros, interagimos... Pois bem, toda a humanidade já nasce ferida, com a tendência de fechar-se para Deus, porque troncha, herdeira dessa cadeia de pecado que, por nosso lado, vamos aprofundando ainda mais com nossos pecados pessoais.
Não é Deus que imputa arbitrariamente o pecado em nós... Não é Deus quem diz: “Já que os primeiros humanos pecaram, todos vão nascer pecadores!” Nada disso! É a própria dinâmica perversa que nós começamos, que vai nos afetando e desarticulando a humanidade, fazendo-nos membros de uma raça ferida e desordenada...
Somente Cristo nos liberta dessa situação: "Quem me livrará desse corpo de morte (= dessa situação de pecado? Graças sejam dadas a Deus por Cristo Jesus" (Rm 7,24).
Dom Henrique

Ilumina-me, minha Luz


Das Instruções de São Columbano (sec. VI), abade:

Que felizes, que ditosos aqueles servos que o Senhor ao voltar encontrar vigilantes! (Lc 12,37). Preciosa vigília pela qual se mantém alerta para Deus, criador do universo, que tudo penetra e tudo supera!
Oxalá também a mim, embora vil, mas, seu mínimo servo, se digne de tal forma sacudir-me do sono da inércia, acender o fogo da caridade divina. Que a chama de seu amor, o desejo de união com ele cintilem mais que os astros e sempre arda dentro de mim o fogo divino!
Quem me dera serem tais os méritos, que minha lâmpada estivesse sempre acesa, à noite, no templo de meu Senhor, para iluminar todos os que entram na casa de meu Deus! Senhor, concede-me, eu te rogo, em nome de Jesus Cristo, teu Filho e meu Deus, aquela caridade que não conhece ocaso, a fim de que minha lâmpada possa acender-se e jamais se apague. Arda para mim, ilumine os outros.
Que tu, Cristo, dulcíssimo Salvador nosso, te dignes acender nossas lâmpadas, de modo a refulgirem para sempre em teu templo, receberem perene luz de ti, que és a luz perene, para iluminar nossas trevas e afugentar de nós as trevas no mundo. Entrega, rogo-te, meu Jesus,Pontífice das realidades eternas,tua luz à minha candeia, para que por esta luz se manifeste a mim o santo dos santos que te possui, ali entrando pelos umbrais de teu templo magnífico, e onde somente e sem cessar eu te veja, te contemple, te deseje. Esteja eu apenas diante de ti, amando-te, e em face de ti minha lâmpada sempre resplenda, se abrase.
Suplico tenhas a condescendência de te mostrares, amado Salvador, a nós que batemos à tua porta para que, conhecendo-te, só a ti amemos, só a ti desejemos, só em ti meditemos dia e noite, sempre pensemos em ti. Inspira em nós tanto amor por ti quanto é justo que sejas, ó Deus, amado e querido. Teu amor invada todo o nosso íntimo, teu amor nos possua por inteiro, tua caridade penetre em nossos sentidos todos. Deste modo, não saibamos amar coisa alguma fora de ti, que és eterno. Uma caridade tamanha que nem as muitas águas do céu, da terra e do mar jamais a possam extinguir em nós, conforme a palavra: E as muitas águas não puderam extinguir o amor (Ct 8,7).
Que tudo se realize em nós, ao menos em parte, por teu dom, Senhor nosso, Jesus Cristo, a quem a glória pelos séculos. Amém.

Dom henrique

Evangelho de Lucas 12,1-7

Sexta-feira, 14 de outubro de 2011


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 1milhares de pessoas se reuniram, a ponto de uns pisarem os outros. Jesus começou a falar, primeiro a seus discípulos: “Tomai cuidado com o fermento dos fariseus, que é a hipocrisia. 2Não há nada de escondido que não venha a ser revelado, e não há nada de oculto que não venha a ser conhecido.
3Portanto, tudo o que tiverdes dito na escuridão, será ouvido à luz do dia; e o que tiverdes pronunciado ao pé do ouvido, no quarto, será proclamado sobre os telhados.
4Pois bem, meus amigos, eu vos digo: não tenhais medo daqueles que matam o corpo, não podendo fazer mais do que isto. 5Vou mostrar-vos a quem deveis temer: temei aquele que, depois de tirar a vida, tem o poder de lançar-vos no inferno.
Sim, eu vos digo, a este temei. 6Não se vendem cinco pardais por uma pequena quantia? No entanto, nenhum deles é esquecido por Deus. 7Até mesmo os cabelos de vossa cabeça estão todos contados. Não tenhais medo! Vós valeis mais do que muitos pardais”.


- Palavra da Salvação. 
- Glória a vós, Senhor.

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

A importância do Rádio






Poderoso no Passado... Poderoso na Atualidade!
1
Melck Aquino · Palmas, TO
12/6/2007 · 213 · 11
É inacreditável, mas mesmo diante da realidade atestada por recentes pesquisas que apontam que em cada casa tem em média dois a três receptores de rádio, ainda existem políticos e alguns de seus assessores diretos que não dão a devida importância para este fascinante meio de comunicação de massa. Aliás, nada melhor do que realmente caracterizá-lo como de massa, aqui entendido sob dois aspectos, o quantitativo e o qualitativo.

Não! Calma, não estamos falando de pesquisa. É de rádio mesmo. Uso aqui o quantitativo na relação com "massa" para chamar a atenção para o fato de que hoje são 3.421 emissoras de rádio espalhadas por todo o território nacional, segundo o Ministério das Comunicações, atendendo aos locais mais distantes, muitos dos quais desprovidos do sinal de televisão. O qualitativo é utilizado para destacar o fato de que as "massas", em uma acepção popular, têm no rádio um meio de amplo uso, já que ele atinge de forma mais direta as populações de baixa renda e a juventude. Aliás, aqui vale abrir parênteses para um questionamento: que parcelas do eleitorado realmente são capazes de decidir uma eleição?

O Brasil tem um dos mais altos índices de analfabetismo do mundo – 22,8 milhões de brasileiros, o que corresponde a 13,8% da população com mais de 15 anos de idade. Pelos dados do IBGE, além dos analfabetos propriamente ditos (ou absolutos), que não sabem ler nem escrever, existem 30,5% de analfabetos funcionais, aqueles com menos de quatro anos de escolaridade. O rádio, é bom que se diga, é o único meio de comunicação de massa que efetivamente não exige alfabetização do receptor.

Um instrumento de comunicação assim deve ser considerado com respeito e profissionalismo em qualquer projeto de construção de imagem de um político com um mínimo de discernimento. Ninguém questiona que a televisão é o meio de comunicação número um, quando se fala em propaganda política no pleito eleitoral ou mesmo no aproveitamento dos espaços “gratuitos” (há controvérsia) dos programas partidários. Sim, há uma cultura visual predominante em nossa sociedade, e ninguém, em sã consciência vai negar o poder fabuloso da imagem e o fato dela exigir do telespectador uma atenção focada. Entretanto, é preciso destacar que o rádio chega aonde a TV não vai, é prático e portátil e está em 98% das casas, enquanto a TV em apenas 75%. E mais, o horário nobre do rádio dura 13 horas, enquanto o da TV, apenas três. Tudo isso numa constatação que agrada quem paga a conta. Sim, porque uma produção no rádio custa 95% menos que a da TV.

Como diz Duda Mendonça no seu livro Casos & Coisas (Editora Globo): "Quem menospreza a força do rádio, está abrindo mão de um vasto campo, ali disponível para a plantação de suas mensagens e, conseqüentemente, para a colheita de votos. O candidato que dá as costas ao rádio sugere, por isso mesmo, um pescador que inexplicavelmente, resolve pescar apenas com um anzol, uma linha e uma isca. Seguramente ele vai fisgar menos peixe do que o seu vizinho, mais experiente que pesca com várias linhas, iscas diversas e em profundidades diferentes, pois sabe que além dos peixes de superfície, existem também os de meia água e o dos fundos do mar".

Como profissional especializado em marketing eleitoral não poderia deixar de chamar a atenção para o grande erro cometido por muitos. A posição secundária do rádio não significa de forma alguma que ele não deva ser trabalhado com todo o profissionalismo pela equipe de marqueteiros e publicitários que são contratados por um político. Não se pode mais admitir, em disputas cada vez mais complexas, que cada vez mais realizam ampla exposição de homens e mulheres que se lançam na busca de votos, que simplesmente se use o áudio de programas de TV no rádio, ou mesmo textos belos e detalhados feitos para jornais de campanha. Meus ouvidos se sentem agredidos quando, mesmo em ano não eleitoral, ouço programas dos partidos políticos que simplesmente “chupam” o áudio televisivo.

O rádio tem sua própria linguagem, muito mais direta, coloquial e intimista, e somente a sintonia com esta "cara" pode possibilitar que o tripé - diversão, informação e persuasão - seja efetivamente exercitado no seu uso. Só assim será possível, efetivamente, sintonizar o som dos votos.

INFORMAÇÕES DO TCE - MUNICÍPIO DE PENTECOSTE

PARA OS QUE GOSTAM DE FICAR INFORMADOS E SABER DE DADOS VERDADEIROS, DISPONHAM LEIA TUDO E SE INFORME. ESSES SÃO DADOS OFICIAIS. NÃO ES...