sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Papa surpreende italianos com ligação telefônica e visita-surpresa

Favoritar

Francisco telefona para fiel que falou no Facebook da tristeza pela morte do irmão

O GLOBO

O Papa Francisco saúda funcionários do Vaticano durante uma visita de surpresa
Foto: OSSERVATORE ROMANO / AFPO Papa Francisco saúda funcionários do Vaticano durante uma visita de surpresa OSSERVATORE ROMANO / AFP
ROMA - De todas as mensagens de conforto que Michele Ferri recebeu pela morte do irmão, a do Papa Francisco foi, sem dúvida, a mais surpreendente. O italiano escreveu uma mensagem para o Pontífice através do Facebook lamentando o assassinato. Andrea era dono de postos de gasolina e foi morto a tiros por dois empregados em Pesaro em junho de 2012. Quanto mais passa o tempo, mais aumenta a dor, dizia o post.
Segundo o jornal Il Messagero, Francisco decidiu ligar pessoalmente para o italiano.
Hoje atendi um telefonema inesperado. Depois do Alô, ouvi uma voz dizer: Olá, Michele. Sou o Papa Francisco. Foi uma emoção única, escreveu ele, que também usou a rede social para comentar o caso.
Sobre o conteúdo da conversa, Ferri esclareceu que se trata de um assunto pessoal, e que prefere não dar mais detalhes. Contudo, ele afirmou que esqueceu de pedir ao Papa que visitasse Pesaro.
Outra ação com a marca de Francisco
Os argentinos já estão acostumados com o jeito próximo de Jorge Mario Bergoglio. Mas o Papa Francisco ainda causa surpresa aos italianos. Em mais um dos atos informais que vêm se tornando comuns em seu Pontificado, o Papa visitou nesta sexta-feira de surpresa a pequena zona industrial da Cidade do Vaticano. Lá, saudou carpinteiros e operários com afagos e apertos de mão.
- Ele chegou de improviso, sem que ninguém tivesse nos avisado. Imagine como ficamos atônitos! - exclamou um dos carpinteiros à agência de notícias AGI.
O jornal LOsservatore Romano afirma que a visita foi surpreendente até para os jornalistas, que trabalham ao lado da zona industrial do Vaticano. A publicação conta que muitos deles foram até as janelas para aplaudir o Pontífice, que retribuiu o carinho com um aceno.

Governador visita comunidade no Bairro de Fátima para negociar desapropriações do VLT

O governador Cid Gomes (PSB) visitou, na manhã desta sexta-feira, a comunidade Aldaci Barbosa, no Bairro de Fátima, para negociar as desapropriações para construção do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). Os moradores aguardavam há dois anos para negociar diretamente com o governador, que foi à comunidade também na última segunda-feira (5).

Nos últimos anos, governador tem visitado comunidades na Capital que serão impactadas pelo VLT FOTO: Levi de Freitas 
O Governo do Estado está oferecendo um apartamento a ser construído em terreno próximo à comunidade, mais indenização. As obras de construção do VLT na Avenida Borges de Meloirão afetar alguns comércios, que passariam para o lado onde fica a comunidade.
Enquanto o apartamento não fica pronto, o Estado compromete-se a pagar aluguel social no valor de R$ 400. 


Cid Gomes chegou dirigindo seu próprio carro e caminhou pela comunidade, batendo de porta em porta. "Ô de casa! Vim só conversar, senhora!", dizia, ao chamar as proprietárias das residências. O governador também brincou com a expressão de surpresa de alguns moradores. "Tava dormindo, mulher? Venha aqui, pra gente conversar!", disse a outra moradora. Ao reunir um grupo de moradores, entrou em uma das casas, sentou-se no sofá, e começou a falar, explicando a proposta. 
Nesta sexta, os moradores foram mais receptivos à visita do governador. Na segunda, a comunidade demonstrou insatisfação com o Governo por não ser comunicada de como acontecerão as desapropriações, já que as obras avançavam e mesmo assim não se sabia detalhes.
Moradores divergem em relação à proposta
Os comerciantes, que terão de deslocar seus comércios em cerca de 10 metros, ficaram satisfeitos com a proposta, de acordo com Maria Themes, que participou da reunião com o governador. "Há mais de 2 anos que nós aguardamos essa reunião. Nós gostamos da proposta e concordamos com ela. Só esperamos que seja cumprida. Agora tem de ver o outro lado, o lado das pessoas que moram atrás (na comunidade) o que eles vão pensar. Mas a proposta tá boa, só depende de cada um deles aceitar ou não. Os comerciantes aceitaram", disse. 
Antônia Aragão de Souza, 46, mora de aluguel em uma das casas que será removida. Ela gostou da proposta feita por Cid. "O governador prometeu me dar um apartamento. Com isso eu saio do aluguel. Por mim, eu já saia hoje", disse, animada com as palavras de Cid Gomes. O governador afirmou que, no caso de Antônia, o proprietário da residência receberá a indenização enquanto que a moradora ganhará o apartamento.
Entretanto, nem todos os envolvidos na negociação com o Governo do Estado estão satisfeitos. Maria das Dores Alves, 66, mora na área há mais de 40 anos. Após a saída do governador, dona Maria encostou no muro de uma vizinha e chorou. "Ele não pode fazer isso com a gente", disse. A moradora não concorda em ser removida. "Fiquei muito magoada com essa história de tirar a gente daqui e botar em apartamento", desabafou. Ela exige, pelo menos, o pagamento de um valor "suficiente" para poder morar com os filhos. "Quero pelo menos R$ 100 mil, que é pra comprar uma casa pelo menos melhor que essa e morar com meus filhos e meus netos. Tô errada?", disse, após ser amparada pela neta.
O governador afirmou que uma equipe irá avaliar os imóveis. Os que custarem até R$ 40 mil receberão a indenização à vista, além do apartamento e o aluguel social. Já as casas que valerem acima de R$ 40 mil receberão a indenização e o aluguel, entretanto, o apartamento terá uma taxa que, segundo Cid Gomes, "pode varia até R$ 50, a ser paga em uns 20 anos". Dona Maria, insatisfeita, afirmou que não quer "passar o final da vida pagando apartamento". 
Governador já fez outras visitas às comunidades atingidas devido ao VLT
Cerca de 50 casas da comunidade Aldaci Barbosa serão desapropriadas com a passagem do VLT. Essa não é a primeira visita surpresa do governador à comunidade, em agosto de 2011, ele esteve no local, e não foi bem recebido pelos moradores.
Em abril deste ano, Cid também enfrentou a resistência dos moradores da comunidade Jangadeiro, na Via Expressa, que protestaram contra as desapropriações no local. Sob gritos, o chefe do Executivo Estadual não alterou o tom de voz e continuou tentando explicar às famílias como serão as transformações no local, entretanto o protesto não cessou.
O projeto do VLT surgiu do pacote de obras para a Copa do Mundo de 2014, com objetivo de melhorar a mobilidade urbana da cidade. O sistema de transporte terá estações na Parangaba, Papicu, Montese, Vila União, Rodoviária, São João do Tauape, Pontes Vieira, Antônio Sales, Mucuripe e Iate Clube.
Atualizada às 12h17
Com informações do repórter Levi de Freitas

Fonte Oficial: Diário do Nordeste

Comentário DE VALDENI CRUZ
Se todos tivessem a coragem do Governador se evitaria um monte de problemas. Conversar não faz mal a ninguém. Todo mundo quer o progresso, mas o povo também quer respeito. Vai fazer obras que precisa desapropriar as pessoas se suas moradias, pois vá até o povo dizer como vai fazer, quais são os benefícios. O povo se zanga porque já sofreu muito. O ditado de que gato escaldado tem medo de água fria é isso. Eles nunca veem um político depois de eleito ir visitar os pobres em suas favelas, quando veem, desconfiam. Mas é isso. Parabéns para o nosso governador CIDE GOMES

quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Educação: 75% dos brasileiros não sabem ler e escrever de modo minimamente satisfatório



Folha Política.com 

Segundo o Instituto Paulo Montenegro, cerca de 75% dos brasileiros entre 15 e 64 anos não conseguem ler e escrever de modo satisfatório e pleno. De acordo com o IBGE, o número de analfabetos funcionais é de cerca de 30 milhões.

Para a professora Silvia Gasparian Colello, atuante na USP, isto é bastante preocupante: "Os números ainda são alarmantes numa sociedade supostamente democrática. E quando a gente vai entender melhor esse quadro do analfabetismo, a gente percebe outros problemas, que não é apenas o sujeito que não sabe ler e escrever, mas aquele que passou pela escola, que supostamente deveria saber ler e escrever e não se tornou um usuário da língua escrita. A gente sabe que muitos alunos chegam no 7º anos da escola sem saber ler e escrever. Isso mostra que a escola também não está cumprindo o seu papel”.

Segundo o IPM, o indicador utilizado é o INAF, definido como "um indicador que mede os níveis de alfabetismo funcional da população brasileira adulta. O objetivo do Inaf é oferecer à sociedade informações sobre as habilidades e práticas de leitura, escrita e matemática dos brasileiros entre 15 e 64 anos de idade, de modo a fomentar o debate público, estimular iniciativas da sociedade civil e subsidiar a formulação de políticas nas áreas de educação e cultura".

Quanto à metodologia, declara que "O Indicador mensura os níveis de alfabetismo funcional da população brasileira entre 15 e 64 anos de idade, englobando residentes em zonas urbanas e rurais de todas as regiões do Brasil, quer estejam estudando ou não. Em entrevistas domiciliares, são aplicados questionários e testes práticos. O intervalo de confiança estimado é de 95% e a margem de erro máxima estimada é de 2,2 pontos percentuais para mais ou para menos sobre os resultados encontrados no total da amostra. A definição de amostras, a coleta de dados e seu processamento são feitos por especialistas do IBOPE que, com o mesmo rigor com que realizam seus demais trabalhos, oferecem esses serviços gratuitamente em apoio à ação social realizada pelo Instituto Paulo Montenegro".

Lígia Ferreira é analista de sócio-mecanismos.

http://www.folhapolitica.org/2013/05/educacao-75-dos-brasileiros-nao-sabem.html

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Evangelho de hoje, 07 de Agosto de 2013

Evangelho (Mt 15,21-28)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 21Jesus retirou-se para a região de Tiro e Sidônia. 22Eis que uma mulher cananeia, vindo daquela região, pôs-se a gritar: “Senhor, filho de Davi, tem piedade de mim: minha filha está cruelmente atormentada por um demônio!” 23Mas, Jesus não lhe respondeu palavra alguma. Então seus discípulos aproximaram-se e lhe pediram: “Manda embora essa mulher, pois ela vem gritando atrás de nós”. 24Jesus respondeu: “Eu fui enviado somente às ovelhas perdidas da casa de Israel”. 25Mas, a mulher, aproximando-se, prostrou-se diante de Jesus, e começou a implorar: “Senhor, socorre-me!” 26Jesus lhe disse: “Não fica bem tirar o pão dos filhos para jogá-los aos cachorrinhos”. 27A mulher insistiu: “É verdade, Senhor; mas os cachorrinhos também comem as migalhas que caem da mesa de seus donos!” 28Diante disso, Jesus lhe disse: “Mulher, grande é a tua fé! Seja feito como tu queres!” E desde aquele momento sua filha ficou curada.


— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

domingo, 4 de agosto de 2013

Ministro da Educação homologa Parecer do CNE sobre a jornada do piso

João Neto MEC (5)
Cumprindo o compromisso reafirmado ao longo do mês de julho, o Ministro da Educação homologou, no dia 31 de julho, o Parecer CNE/CEB nº 18/2012, que dispõe sobre os parâmetros a serem seguidos na implementação da jornada de trabalho dos profissionais do magistério público da educação básica, de que trata a Lei no 11.738, de 2008.

Estou particularmente feliz, não apenas por ter sido a relatora da matéria no Conselho Nacional de Educação, mas por compreender o alcance e a importância da homologação de um Parecer que busca assegurar a efetivação de uma medida (a destinação de, no mínimo, 1/3 da jornada de trabalho para atividades extraclasse) que terá impacto na qualidade do ensino e na valorização dos profissionais da educação. Este tempo é fundamental para que o professor possa preparar suas aulas, realizar estudos e pesquisas, preparar e corrigir provas e trabalhos, participar de programas de formação continuada no próprio local de trabalho.
Como assinalei diversas vezes, o Parecer é cuidadoso no sentido de permitir que a composição da jornada, conforme definida na lei 11.738/2008, seja implementada de forma paulatina, com base em negociações a serem a realizadas entre o poder público e os sindicatos ou representações de professores. A homologação do Ministro permitirá, agora, que esta questão possa ser contemplada nas leis orçamentárias dos Estados e Municípios, outra preocupação expressa no parecer. Para maior clareza, reproduzo:
“(…)
Assim, por tudo o que foi aqui apresentado, de forma sucinta, é forçoso reconhecer que a Lei nº 11.738/2008 é mais uma contribuição ao processo de valorização dos profissionais do magistério e de melhoria da qualidade de ensino e, como tal, não pode ser ignorada ou descumprida pelos entes federados. Obviamente, isso exigirá um debate aprofundado sobre o regime de colaboração entre os entes federados, partilhando responsabilidades e recursos econômicos, assumindo a União suas “funções redistributiva e supletiva em relação às demais instâncias educacionais”.
Cabe, portanto, a todos os órgãos do estado brasileiro cumpri-la e fazê-la cumprir, sob pena de se tornar letra morta uma lei que é resultado da luta dos professores e da conjugação dos esforços das autoridades educacionais, gestores, profissionais da educação e outros segmentos sociais comprometidos com a qualidade da educação e com os direitos de nossas crianças e jovens a um ensino de qualidade social.
Desta forma, é possível conceber a aplicabilidade desta lei de forma paulatina, desde que devidamente negociada com gestores e professores, por meio de comissão paritária, sendo que a representação dos professores deve ser oriunda de sindicato ou associação profissional. Onde não houver representação sindical ou associação profissional, a representação será composta de professores escolhidos por seus pares para tal finalidade.
II – VOTO DA COMISSÃO
A Comissão saúda os entes federados que já aplicam a composição da jornada de trabalho prevista na Lei nº 11.738/2008 ou percentual maior para atividades extraclasse, sempre na expectativa de que não haja nenhuma regressão por conta de uma regra de implantação oriunda deste Conselho Nacional de Educação. Por outro lado, é imperioso que os entes federados que ainda não aplicam a jornada do piso, providenciem cronograma de aplicação e, por conseguinte, previsão na Lei de Diretrizes Orçamentárias e na Lei Orçamentária.”
O texto do Ministro, que a seguir reproduzo, fala por si quanto ao processo de construção do parecer ora homologado. Acredito que, agora, gestores e profissionais da educação tem em mãos um instrumento que lhes permitirá chegar a boas soluções para o cumprimento do que determina a lei 11.738/08, superando impasses e dando mais um passo importante para a melhoria da qualidade da educação nas redes públicas de ensino e para a valorização dos professores e das professoras em todo o Brasil.
Continuaremos lutando para que no Estado de São Paulo possamos, de fato, estabelecer negociações sobre a jornada de trabalho neste segundo semestre, conforme compromisso expresso pelo Secretário da Educação em diversos momentos a partir da greve que realizamos entre 19 de abril e 10 de maio.
Veja a íntegra do despacho do Ministro da Educação:
DESPACHO DO MINISTRO
Em 31 de julho de 2013
O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, nos termos do art. 2º da Lei nº 9.131, de 24 de novembro de 1995, HOMOLOGA o Parecer nº 18/2012, da Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional de Educação, que, reexaminando o Parecer CNE/CEB nº 09/2012, dispôs sobre os parâmetros a serem seguidos na implementação da jornada de trabalho dos profissionais do magistério público da educação básica, de que trata a Lei no 11.738, de 2008, conforme consta do Processo nº 23001.000050/2012-24.
CONSIDERANDO que a valorização dos profissionais da educação escolar, mediante a garantia de piso salarial profissional e planos de carreira, é princípio de matriz constitucional (incisos V e VIII do art. 206 da Constituição Federal); CONSIDERANDO que o art. 67 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional), prevê que “os sistemas de ensino promoverão a valorização dos profissionais da educação, assegurando-lhes (…) V – período reservado a estudos, planejamento e avaliação, incluído na carga de trabalho”;
CONSIDERANDO que a Lei no 11.738, de 16 de julho de 2008, determinou, no § 4º de seu art. 2º, que, na “composição da jornada de trabalho [do profissional do magistério público da educação básica], observar-se-á o limite máximo de 2/3 (dois terços) da carga horária para o desempenho das atividades de interação com os educandos”;
CONSIDERANDO que o Supremo Tribunal Federal julgou improcedente a Ação Direta de Inconstitucionalidade no 4.167, que impugnava, entre outros dispositivos da Lei no 11.738, de 2008, o mencionado § 4º do art. 2º;
CONSIDERANDO a importância de o profissional do magistério público da educação básica dispor de tempo, nunca inferior a 1/3 (um terço) de sua carga horária, para a execução de atividades extraclasse, tais como estudo, planejamento e avaliação;
CONSIDERANDO o estudo e amplo debate realizados no âmbito do Conselho Nacional de Educação (CNE) sobre a concretização dos avanços trazidos pela Lei n o 11.738, de 2008, e o compromisso do Ministério da Educação em impulsionar a implementação das medidas que contribuirão para a melhoria da educação no País;
CONSIDERANDO haverem sido ouvidas e ponderadas pelo CNE as observações do Conselho Nacional de Secretários de Educação (CONSED) e da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (UNDIME), num longo processo de discussão a respeito do tema;
CONSIDERANDO o esforço empreendido para se chegar a um consenso entre todos os agentes envolvidos, principalmente após o envio do Processo no 23001.000050/2012-24 ao Conselho Nacional de Educação para reexame, por duas vezes, do Parecer CNE/CEB nº 9/2012;
CONSIDERANDO ainda que, desse amplo debate, o Conselho Nacional de Educação, mesmo após o processo ter sido devolvido por duas vezes, manteve as linhas gerais do Parecer CNE/CEB nº 9/2012.
ALOIZIO MERCADANTE OLIVA
A ÍNTEGRA DO PARECER CNE/CEB Nº 18/2012 PODE SER ENCONTRADA EM: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=17576&Itemid=866.
Foto: João Neto – MEC

OS PROBLEMAS QUE ACONTECEM NOS BASTIDORES DA IGREJA

Que Deus dê forças aos padres e ao mesmo tempo coragem de enfrentar as cobras que estão dentro da própria igreja. Às vezes os padres são vítimas dos que se acham donos da igreja, daqueles que não move uma palha para evangelizar, mas visa status, dinheiro. Gostam de arrumar confusão, intriga de uns para com os outros. Existem aqueles que parecem que são donos das igrejas. Sem contar com padres mercenários que no meio de seus sermões exortam os fiéis por não terem trago os envelopes que foram distribuídos para trazerem dinheiro. Sem contar que esta prática é adotada pela Universal do Reino de Deus. Por outro há aqueles padres que não pregam nada do evangelho. Fica só no humano e de espiritual na tem nada.

Aqui não estou contra a igreja, pois sou parte dela, mas não concordo com os desmandos que acontecem dentro dela por quem está no comando. Sou católico praticante. Desde os 7 anos de idade vivo dentro da igreja, não nas sacristias, mas nas missões nas mais diversas comunidade.

Estes dias soube de absurdos de pessoas que fazem confusão e briga dentro da igreja porque tomavam conta do dinheiro do dízimo e como não prestavam contas como deveriam, o padre resolveu fazer uma troca por pessoas que realmente tivesse uma visão mais abrangente da Igreja e fizesse algo notório com o dinheiro dos fiéis. Quando estas novas pessoas tomaram a frente do dízimo, tudo mudou. A igreja prédio tomou nova cara e o valor do dízimo aumentou consideravelmente. Daí, aqueles que só pensam em pegar no dinheiro ficam raivosos e tentando tirar das mãos de quem toma de conta de verdade a posse dos recursos. Tudo isso é ruim para igreja. Perde a credibilidade. O que estou dizendo aqui são coisas que acontecem constantemente nos bastidores. É por isso que muita gente quer distancia da igreja, pois quando descobre situações como estas muitas perdem até a fé. Muitas vezes são as baratas e ratazanas das igrejas que colocam o povo contra os padres. Pois, se os padres quiserem fazer a coisa correta tem sempre umas pessoas mal intencionadas, e porque não dizer, com capeta, que este se decepcione e peça pra sair ou eles mesmos colocam pra fora.  

E podem observar, na maioria das igrejas tem aqueles que só servem pra querem aparecer nas horas das grandes missas, novenas e etc.

Tudo isso que digo é verdade e duvido que alguém tenha coragem de dizer que isso não é verdade.
O PAPA Francisco pensa numa igreja diferente. Portanto, essa que nós temos e que eu conheço, precisa mudar e muito. Não estou aqui julgando, estou dizendo o que sei e que muita gente sabe e faz vistas grossas e assim a coisa vai sem ter um rumo exortação séria. Saibam senhores Padres, Bispos, Agentes de Pastorais, Coordenadores de Grupos, de comunidade, que quem perde com tudo isso é a igreja. Os fies procuram a Deus e se encontram com ele, mas quando ele quer se aprofundar e quer servir ai ele percebe que na igreja as pessoas parecem ser completamente contrárias ao que é ensinado por Jesus.

Ou nós como católicos mudamos ou vamos continuar perdendo fieis pro mundo, pros evangélicos e por capeta... 

Professor Valdeni Cruz

JUIZ DE PENTECOSTE DETERMINA AO MUNICÍPIO DE PENTECOSTE A CUMPRIR EXECUÇÃO DE SENTENÇA QUE GARANTE SALÁRIO MÍNIMO AOS SERVIDORES DE PENTECOSTE MESMO COM CARGA HORARIA REDUZIDA

Caríssimos companheiros e companheiras, boa tarde! É com imensa satisfação que o SINDSEP (Sindicato dos Servidores Municipais ...