ANÁLISE DO LIVRO – QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO?

Esta obra de Spencer Johnsons é uma parábola que fala sobre as possibilidades da mudança de uma maneira fantástica. Enfatiza que o ser humano possui dentro de si os recursos e as capacidades necessárias para vencer tal desafio. Cada pessoa é responsável por suas escolhas, sucessos e insucessos. Quem mexeu no meu queijo? debate sobre a importância de aprender a lidar com as mudanças no trabalho e na vida. Expressa isso simbolicamente com dois ratinhos e dois homenzinhos vivendo num labirinto. Os ratinhos têm facilidade em enfrentar as mudanças, adaptando-se facilmente a elas. Enquanto que os homenzinhos sofrem a terrível ameaça do medo. Medo de fracassar, medo da incapacidade, medo de errar, medo de perder-se, medo de sofrer ..., e são tantos os medos que os prendem a velhos hábitos no antigo lugar. Até que, um deles começa a raciocinar na mudança operada pelos ratinhos indo embora a procura de novos queijos. Ele resolve ir também procurar o seu queijo, mas antes insiste com o amigo para acompanhá-lo. Este não quis, então o homenzinho traja-se do necessário e sai a correr pelo labirinto, deixa uma mensagem escrita na parede, circulada pelo desenho de um queijo, se o amigo lesse, poderia ir atrás dele. E assim a cada canto que parava, escrevia no muro o resultado de sua experiência, como uma alerta para o amigo se fortalecer se viesse após ele. Nessa corrida enfraquecera várias vezes e quase caíra, mas tornava a se levantar e criar novas forças com o pensamento constante no queijo que queria encontrar. A história nos induz a pensar que cada pessoa é um misto de Sniff e Scurry, os ratinhos e Hen e Haw, os homenzinhos. Pode-se pensar na parte prática da vida, nos atos mecânicos, como ir e vir, alimentar-se, trajar-se, etc. adapta-se com mais facilidade a mudanças, enquanto que a melhoria nos relacionamentos, o aprimoramento pessoal e grupal, a busca de novas oportunidades; são tarefas bem difíceis de serem conquistadas. O queijo é aquilo que mais almejamos. Pode ser um curso, um novo trabalho, uma casa, um bom relacionamento, e tantas outras coisas. Cada pessoa quer encontrar o “seu queijo” e age de acordo com as suas capacidades, competências, circunstâncias, o momento e o lugar. Fazendo um paralelo do que diz Spencer Johnsons no livro, com os estudos realizados sobre organização e a importância da participação, conclui-se que a história tem muito a nos ensinar no sentido de esforço pessoal e persistência; porém ,segue a linha capitalista, onde a pessoa que mais se esforça segue sozinha e conquista o objeto do seu desejo. Pensando em organização e participação, sabe-se que necessitamos enfrentar as mudanças em conjunto. Não é possível fazer tudo o que sonhamos isoladamente. É verdade que tudo o que precisamos está dentro de nós, mas em estado latente. Há diversos fatores que interferem em nosso desenvolvimento pessoal, para que isso possa ocorrer faz-se necessário a ajuda do outro tanto quanto o outro depende de nós. Para que um grupo possa evoluir e alcançar o sucesso desejado, necessita da participação de cada membro da equipe. 


Assista ao vídeo e perceba como é difícil sair do comodismo.
Podemos tirar lições preciosas.


Comentários

Anônimo disse…
Gostei da sua conclusão!
Anônimo disse…
Gostei da sua conclusão!

Postagens mais visitadas deste blog

RESUMO DO LIVRO "O PRÍNCIPE DE NICOLAU MAQUIAVEL"

O CONCEITO DE POLÍTICA EM ARISTÓTELES

O CARPINTEIRO - TEXTO MOTIVACIONAL